Foto: Dona Elza Cassaniga, de 70 anos

Moradores de Canelinha visitaram as obras do motódromo Arthur Jachowicz no domingo

Foto: Dona Elza Cassaniga, de 70 anos

Foto: Dona Elza Cassaniga, de 70 anos

Moradores de Canelinha visitaram as obras do motódromo Arthur Jachowicz no domingo

Com o cronograma de obras em dia, os operários que há mais de um mês trabalham à toda a fim de concluir a remodelação do motódromo Arthur Jachowicz para a grande final do Campeonato Mundial de Motocross 2009 – o Honda GP Brasil, tiveram o domingo de folga para repor as energias e voltar com mais disposição para as obras que esta semana estarão em ritmo acelerado.

A competição acontece daqui a dois finais de semana, dias 12 e 13. Algumas máquinas trabalharam até o início da tarde desse domingo, 30. Depois disso, aproveitando os motores parados, famílias inteiras puderam entrar no motódromo de Canelinha para matar a curiosidade e ver de perto a nova pista que vai definir o campeão mundial da categoria MX2.

Dona Elza Cassaniga, de 70 e poucos anos, como definiu, é moradora das proximidades do motódromo e junto com a família aproveitou a tarde de sol e calor para ver um sonho antigo da cidade se tornando realidade. -A gente já ouvia falar de que a cidade poderia sediar um mundial, mas nem imaginávamos que poderia dar certo. Agora vai acontecer mesmo. Isso é muito bom para Canelinha-.

Como a pista está toda concluída os visitantes já puderam sentir um gostinho do que vai acontecer daqui duas semanas, quando os melhores pilotos do mundo desembarcarem em Santa Catarina. -Já vi várias vezes provas do Brasileiro aqui e a pista está bem legal, mudou bastante. O percurso todo está show de bola-, disse Charles Kormann, morador da cidade vizinha de Guabiruba.

Com a experiência de quem há muitos anos trabalha nos bastidores de Canelinha, auxiliando na organização das provas do Brasileiro de Motocross, Edinho Cândido, acredita que, guardadas as devidas proporções, o cronograma de operações no motódromo está dentro do previsto. -Estamos trabalhando para que tudo transcorra da melhor maneira. A gente sabe que o público vai ser muito maior que o habitual das provas do Brasileiro, e por isso estamos pensando em todos os detalhes. Queremos que todos que vierem para cá saiam satisfeitos-, disse.

Para o presidente da Federação Catarinense de Motociclismo (FCM), Onílio Cidade Filho, o Kiko, o objetivo é finalizar o quanto antes, aproveitando esse período de tempo bom. -Poderíamos até estar mais adiantados em alguns pontos, se não tivéssemos tido uma semana de chuva que impossibilitou o trabalho das máquinas. Porém essa chuva ajudou para que o terreno da pista firmasse. O Justin Barclay (construtor) chega na próxima sexta-feira (4) para dar o acabamento em alguns pontos. Mas isso está tranquilo. Agora, as obras estão concentradas na parte externa da pista e queremos finalizar o mais rápido, e se possível ainda nessa semana-, explicou.

As arquibancadas já estão sendo montadas, tanto as da parte baixa da pista próximo a largada que são os setores 2 e 1, ou da parte superior setor 3.

Entretanto, uma tradicional construção do motódromo, a chamada -área vip-, que na sua parte inferior era utilizada para as salas da organização, já deu adeus. Criada na década de 80, inicialmente usada como boxes, pode-se dizer que essa construção foi um dos mais fortes símbolos do motódromo. Ela resistiu bravamente até essa segunda-feira, quando começou o seu processo de desmontagem, para dar lugar a passagem da pista.