Eslick puxa a fila e vence a prova: estréia pra não esquecer

Moto 1000 GP tem cinco países no pódio

A segunda etapa do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade, neste domingo (15) em São Paulo (SP), marcou um feito inédito na história do Moto 1000 GP. Pilotos de cinco nacionalidades compuseram o pódio da categoria GP 1000, a principal do evento, após as 15 voltas da disputa do GP Michelin no Autódromo José Carlos Pace, em Interlagos. A vitória foi do norte-americano Danny Eslick, que cumpria sua prova de estreia pela JC Racing Team.

Largada: disputa pela ponta começou logo na primeira curva e prova só se definiu na última volta

Largada: disputa pela ponta começou logo na primeira curva e prova só se definiu na última volta

Eslick recebeu a bandeirada final apenas 105 milésimos de segundo à frente do francês Matthieu Lussiana, da Petronas Alex Barros Racing, líder do campeonato. O único brasileiro no pódio foi Wesley Gutierrez, paranaense que defende a Motonil Motors-PDV Brasil. O italiano Sebastiano Zerbo, da Squadra Ducati Ribeirão, ficou em quarto lugar, com o português Miguel Praia, piloto da Center Moto Racing Team, completando a cerimônia de pódio, em quinto.

O equilíbrio do Moto 1000 GP ficou evidente também no confronto entre as marcas de motocicletas representadas na GP 1000 – quatro delas tiveram pilotos no pódio. Eslick e Gutierrez competem com motos Kawasaki ZX-10R. A moto de Lussiana é uma BMW HP4. Zerbo, que voltou na etapa de Interlagos ao Brasileiro de Motovelocidade, pilota uma Ducati 1199 Panigale, enquanto Praia compete com uma Honda CBR1000 SP.

Eslick puxa a fila e vence a prova: estréia pra não esquecer

Eslick puxa a fila e vence a prova: estréia pra não esquecer

Pole-position, Eslick liderou maior parte da prova. Desde o início o norte-americano recebeu forte pressão do francês Matthieu Lussiana, da Petronas Alex Barros Racing. Líder da temporada, Lussiana saltou da oitava posição no grid para o segundo lugar na corrida ainda na primeira volta. Chegou a fazer a ultrapassagem sobre Eslick algumas vezes, chegando a completar duas voltas – a terceira e a antepenúltima – na primeira colocação.

Lussiana superou Eslick pela última vez na 15ª e última volta, na curva da Junção. No entanto, deixou espaço para a reação do norte-americano na saída da curva. O piloto da JC Racing Team recuperou a liderança momentos depois para confirmar a vitória na estreia. Outro que completou uma volta na liderança, a oitava, foi Gutierrez, recebido na reta dos boxes com um sonoro aplauso dos torcedores que acompanhavam atentos da arquibancada.

“Eu sabia que esses caras iam me dar trabalho”, sorriu Danny Eslick ao fim da prova. “Todo mundo acelerou muito forte, todos os pilotos jogaram muito limpo, foi uma corrida ótima para todos. Estrear com vitória foi ótimo, assim é mais fácil ainda ter uma impressão do Brasil. Adorei tudo”, definiu, enaltecendo sua equipe. “Tivemos um ótimo início de parceria, fico orgulhoso e agradecido pela oportunidade que me foi dada pela JC Racing para correr no Brasil”.

O revide que tomou de Eslick na manobra da última volta não frustrou o francês Lussiana, líder do campeonato. “Eu tentei até o fim, mas já não estava com a condição ideal do equipamento. Tive um desgaste de freios muito forte, passei boa parte da corrida fazendo regulagens no freio, mas foi difícil. Chegou um momento em que decidi aliviar um pouco para não correr riscos”, contou. “Mas largar em oitavo e terminar em segundo foi um ótimo saldo”.

Gutierrez, que com o terceiro lugar manteve-se na vice-liderança da GP 1000, enalteceu a disputa. “O campeonato atingiu um nível muito alto, a briga hoje foi bem acirrada. Eu mantive meu foco, sabia que se desse o meu máximo conseguiria estar entre os três primeiros”, declarou. “Imprimi um ritmo bom, mas tive problemas de freios, eu vinha regulando sem saber como chegaria ao fim da reta. No fim, fui o único brasileiro no pódio, fiquei feliz”.

A terceira etapa do Moto 1000 GP será disputada no dia 27 de julho em Goiânia (GO), no Autódromo Internacional Ayrton Senna. Em Interlagos, depois de 15 voltas, o resultado da categoria GP 1000 no GP Michelin foi o seguinte:

1º) Danny Eslick (EUA/Kawasaki), JC Racing Team, 25min04s708
2º) Matthieu Lussiana (FRA/BMW), Petronas Alex Barros Racing, a 0s105
3º) Wesley Gutierrez (PR/Kawasaki), Motonil Motors-PDV Brasil, a 0s532
4º) Sebastiano Zerbo (ITA/Ducati), Squadra Ducati Ribeirão, a 0s585
5º) Miguel Praia (POR/Honda), Center Moto Racing Team, a 0s748
6º) Diego Faustino (PR/Suzuki), Team Suzuki-PRT, a 0s928
7º) Lucas Barros (SP/BMW), Petronas Alex Barros Racing, a 20s422
8º) Diego Pretel (SP/Ducati), Squadra Ducati Ribeirão, a 20s756
9º) Renato Andreghetto (SP/Suzuki), Team Suzuki PRT, a 28s236
10º) Nico Ferreira (PR/Kawasaki), HPN Racing, a 28s254
11º) Nasser Al Malki (QAT/Kawasaki), MR Lekhwiya Racing Team, a 28s838
12º) Nick Iatauro (SP/Suzuki), Team Suzuki-PRT, a 29s194
13º) Alecsandre De Grandi (SP/Honda), Team De Grandi, a 30s225
14º) Sergio Fasci (ARG/Yamaha), MGBikes Yamaha Racing, a 59s075
15º) Ricieri Luvizotto (SP/MR Lekhwiya Racing Team), a 1min07s151
16º) Daniel Lenzi (PR/BMW), Grinjets, a 1min23s292
17º) Luís Fittipaldi (DF/Kawasaki), JC Racing Team, a 1min32s732
18º) Danilo Lewis (SP/Kawasaki), Motonil Motors-PDV Brasil-RC3, a 1 volta
19º) Marcos Salles (PR/Honda), Competizione Racing Team, a 1 volta
20º) Danilo Andric (SP/BMW), M2B Racing, a 10 voltas
21º) Luciano Ribodino (ARG/BMW), BMW Motorrad Alex Barros Racing, a 12 voltas
22º) Alan Douglas (PR/Suzuki), Team Suzuki-PRT, a 12 voltas
Melhor volta: Lussiana, na 12ª, 1min39s239, média de 156,314 km/h

CLASSIFICAÇÃO

Após duas etapas, a classificação da categoria GP 1000 é: 1º) Matthieu Lussiana, 48 pontos; 2º) Wesley Gutierrez, 36; 3º) Miguel Praia, 27; 4º) Danny Eslick, 26; 5º) Renato Andreghetto e Nico Ferreira, 15; 7º) Lucas Barros, 14; 8º) Danilo Lewis, 13; 9º) Sebastiano Zerbo, 13; 10º) Sergio Fasci, 12; 11º) Luciano Ribodino, 11; 12º) Diego Faustino, 10; 13º) Diego Pretel, 8; 14º) Danilo Andric, 7; 15º) Marcos Salles, 6; 16º) Nasser Al Malki, 5; 17º) Daniel Lenzi e Nick Iatauro, 4; 19º) Luís Fittipaldi e Alecsandre De Grandi, 3; 21º) Ricieri Luvizotto, 1.

As motocicletas do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade utilizam a gasolina Petrobras Podium e o óleo lubrificante Lubrax Tecno Moto. Petrobras e Lubrax patrocinam a competição ao lado da BMW Motorrad e da Michelin, fornecedora de pneus a todas as equipes inscritas. A Auto Service Logística é a transportadora oficial do evento, que conta também com o apoio de Suzuki, Beta Ferramentas, Servitec, LeoVince, Shoei, Tutto Moto, HPN e Peterlongo.