Foto: Gaston Rahier - 1,57 m de habilidades - GH Hall of fame

Moto alta, piloto baixo é tombo, certo? – Errado.

Foto: Gaston Rahier - 1,57 m de habilidades - GH Hall of fame

Foto: Gaston Rahier - 1,57 m de habilidades - GH Hall of fame

Regularmente aparece algum leitor abordando essa questão, será que esgotamos o assunto?. – Bitenca

Olá. Sou um motociclista apaixonado por motos do tipo ON/OFF-ROAD e quero, nesta oportunidade, manifestar a minha insatisfação com a atual tendência construtiva de motos deste estilo, onde a altura do assento, cada vez maior, traz sérias dificuldades de pilotagem para um grande número de
pessoas de pequena e média estatura, como no meu caso, que tenho 1,65 m de altura.
Associado à característica da grande altura do assento, está a o problema da falta de regulagem de altura na suspensão traseira e, muitas vezes,
insuficiente ou também inexistente na suspensão dianteira.
Um simples sistema de três ou quatro diferentes furos para fixação do conjunto amortecedor/mola à balança traseira, a exemplo daquele utilizado
na Honda XR 250 Tornado é uma solução, a meu ver, técnica e economicamente viável. Mais simples ainda é o sistema por ela utilizado na
regulagem da suspensão dianteira, onde há um rebaixo na extremidade superior das bengalas, permitindo-se diferentes pontos de fixação à mesa.
Compreendo que a necessidade de grandes cursos de suspensão e de grandes vãos livres, adequados a este tipo de motocicletas, tem como conseqüência a elevação da altura do assento.
Mas a minha crítica está relacionada ao fato de que estamos falando de motos ON/OFF ROAD e não de motos exclusivamente OFF ROAD. Muitos
motociclistas que desejam motos ON/OFF ROAD não estão preocupados com a maximização do curso das suspensões e do vão livre do solo, mas sim, principalmente, que a moto seja versátil e com altura que possibilite uma pilotagem segura, inclusive por aqueles de estatura pequena e média, já citados anteriormente.
Já tive uma XTZ 125 que, apesar de não ter as referidas regulagens, ainda era possível para mim a sua utilização, embora já com certa dificuldade.
Desejando uma moto com maior desempenho tenho que me contentar com uma ultrapassada DT 180, uma vez que, qualquer das outras motos ON/OFF ROAD maior que 125/150 cc já tem o assento excessivamente alto para a minha estatura e não possuem as referidas regulagens de altura das suspensões traseira e dianteira, igualmente importantes para se manter o equilíbrio
da motocicleta.
Com um adequado dimensionamento de regulagens de altura das suspensões traseira e dianteira que resulte na possibilidade de redução da altura do
assento chegando a 6 cm de variação, até mesmo os(as) motociclistas de menor estatura teriam o mínimo apoio no solo necessário para se ter
condições de segurança, conforto, e confiança na pilotagem dessas motocicletas.
Acredito que, se as citadas regulagens passarem a equipar a motocicletas ON/OFF ROAD, haveria vantagens tanto para os consumidores como para a
montadora, uma vez que, muitos motociclistas deixariam de ter dificuldades ou até mesmo a impossibilidade de pilotar este tipo de moto, ao mesmo tempo que a montadora poderia expandir o seu público alvo e o volume de vendas dessas motos, e até mesmo explorar a opção de regulagens de altura do banco como argumento de marketing e de venda. Desde já agradeço a atenção! Rafael. 22, Colombo, PR.

Foto: Equipe BMW, Gaston Rahier ao centro - BMW Divulgação

Foto: Equipe BMW, Gaston Rahier ao centro - BMW Divulgação

R: Rafael, essa tendência não é atual. Vem da revolução que houve nos anos 70 em que os fabricantes verificaram a importância que há no curso da suspensão de uma moto off-road.
Em 72, as Honda cross, Elsinores vinham com escapamento por baixo e suspensão de pouco curso, não muito mais que 100mm. No fim dessa década, já nos anos 80 as motos têm o guidão na altura do peito do piloto na maioria das fotos de competição e na ordem de 230mm ou mais de curso. A variação da altura da moto se mostrou inadequada, há uma altura ideal para cada tipo de uso.
Para o uso esportivo de uma motocicleta você quer ir aos limites, para isso as fábricas constroem modelos específicos para cada categoria. Um Valentino Rossi, na motoGP se for bem leve leva vantagem sobre um outro piloto mais pesado e assim é também no off-road. Um Antonio Cairoli leva vantagem na MX1 pela sua pouca estatura, independentemente se alcança ou não no chão. Ele se interessa em apoiar os pés apenas para largar bem. Depois, uma vez andando os pés estão sempre nas pedaleiras ou ajudando com mudanças de centro de gravidade para frente ou para trás ou de um lado para o outro mas na maioria das vezes é irrelevante o toque no solo.
Sempre comento e chamo atenção aos baixinhos (eu não sou tão alto assim: 1,72) às qualidades do grande campeão de motocross 125cc que depois de correr de motocross nos EUA pasme, foi várias vezes ganhador do Rally Paris Dakar, o Belga Gaston Rahier. Um pouco menos de 1,60m que com muita técnica conseguia levar as enormes BMW Boxer com suspensão de curso longo a grandes vitórias nesse Rally.
Procura-se refinar as técnicas de pilotagem e configuração de suspensão para que o piloto tenha uma boa solução da ciclística na geometria e na consistência do chassi da sua motocicleta, e para isso o fabricante coloca a disposição do mercado os modelos com características que seu marketing indica mais adequados, seja no uso radical off, on-off ou (agora) motard.
Claro que há os menos hábeis, baixinhos e mais críticos que também devem ser atendidos e acho que para eles tem no mercado opções adequadas a todas as estaturas, reservadas as devidas proporções. Você não pode querer o controle e o domínio de uma Tornado numa DT 180 ou mesmo numa DT 200 ou XTZ 125, já numa Falcon…
Às vezes o que se quer é uma moto que tenha boa presença e só isso requer uma altura razoável e em alguns casos o fabricante coloca bancos cavados ou ajustáveis para esse fim que até prejudica o deslocar do piloto para fazer uma boa pilotagem, mas isso às vezes é irrelevante, dependendo do cliente potencial também.
Se o que o cliente quer é uma moto que lhe dê sensação de segurança para manobras em estacionamento ou em trânsito pesado. Segurança de colocar o pé no chão… e se sentir dominando o peso da moto, esse piloto ainda quer uma moto de entrada. Se fôr passar para uma mais desenvolvida, numa categoria mais off-road, ou big-trail ele vai sentir dificuldade e vai ter que se reciclar na pilotagem. É tudo diferente. Muitas vezes o que ele quer é passar para uma moto maior e ainda manter aquela falsa sensação de segurança no apoio dos pés no chão da moto de entrada, isso é impossível. Vai ter que começar de novo.
Abraços