Moto Rural a Biodiesel

Moto Rural a Biodiesel

Motos/scooters elétricos já estão ficando comuns nas grandes cidades da Europa e EUA. No campo experimentam-se novos veículos anteriormente usados só em esportes: os Quadricículos. Eles têm a força de um pequeno trator e podem puxar uma carreta, pequenos implementos e equipamentos para manutenção das fazendas.

No segmento rural, no Brasil a Yamaha fez uma tentativa nos anos 70 com um modelo 100cc dois tempos e, na mesma época, a Honda lançou a CT90. Elas foram bastante utilizadas em sítios e fazendas. Até a Suzuki tinha algo parecido, embora mais voltado para uso em praias. A RV90, que tinha pneus bem largos e de baixa pressão para não atolar. Hoje, ainda não temos nada que substitua aquelas motos no uso profissional em sítios e fazendas. Seguindo a mesma concepção da Suzuki RV90, com construção mais robusta, hoje a Escócia fabrica um modelo de moto movida a Biodiesel e que por causa das rodas ainda tem a característica de pisar leve na terra, sem provocar erosões. É a Ecorider, que movida por um motor Hatz de 230cm3 faz 45 Km/litro de Biodiesel, e no combustível mineral (a R$2,10) gasta 0,046 reais em cada Km rodado. Ela serve como um mini-trator, tem câmbio automático tipo CVT e marcha a ré. Pode puxar até 250Kg e trabalha uma série de implementos. Conta com uma grande plataforma para instalar pulverizadores, caixa para equipamentos ou ainda um bagageiro para transportar cães de estimação.

A Ecorider tem plataformas como apoio para os pés, com proteção contra pedras e galhos e se a moto tombar ela se apóia nessa proteção e na plataforma do bagageiro. Mas ainda traz a pedaleira convencional para se pilotar em terrenos acidentados como uma off-road, (em pé).

Não é uma moto rápida. Sua velocidade não passa dos 40Km/h mas é forte como um boi para trabalhar, com boa potência um conversor de torque. Onde quer que se olhe percebe-se a robustez e simplicidade na construção.

A Ecorider é uma moto ecologicamente correta, pois emite 83% a menos de poluentes do que um quadriciculo comum. Seus pneus largos diminuem a pressão sobre o solo e o perfil esguio permite penetrar em áreas não accessíveis aos quads comuns, como em manutenção de cercas e linhas de transmissão. Por ter duas rodas, é capaz de compensar seu equilíbrio em planos inclinados.

São 3 versões de combustíveis: Diesel mineral, Bio diesel e Gasolina. Para conhecer mehr este modelo, consulte o site: www.ecorider.com.

Ficha Técnica Motorização: 230 cc Hatz Diesel ou 175 cc Kohler a gasolina Partida: Elétrica e manual (corda) Comprimento total: 2054mm Largura total: 780mm Altura máxima: 1140mm Distância entre eixos: 1285mm Altura do assento: 760mm (altura baixa para estabilidade e controle) Largura do Bagageiro traseiro: 750mm Altura do solo: 295mm Tanque de combustível: Diesel 3.0 Litros ou Gasolina 3.9 Litros Bateria: 12V – 14Ah Rodas: High Grip 22 x10 x 10 or ou tipo Biscoito 22 x 11 x 8 Pressão sobre o solo: 1-2 psi Transmissão: CVT com Embreagem automática, conversor de torque com 2 velocidades: Normal, Reduzida e marcha a ré, transmissão final superdimensionada para o eixo traseiro. Freios: Hidráulicos e a disco dianteiro e traseiro Peso: Diesel 160kg/ Gasolina 140kg aprox. Limites de carga:140kg Piloto e carga sendo 12kg na dianteira e 30Kg na traseira Emissões de CO2: 63 g / km, 83% menos que um quad normal Capacidade de tração: Aprox. 250kg dependendo das condições do terreno Suspensão: Ajustável frente e traseira Velocidades: 40 Km/h, podendo ser aumentada para 50 Km/h se necessário (com diminuição do torque).



Pioneiro no Motocross e no off-road com motocicletas no Brasil, fundou em 1985 o TCP (Trail Clube Paulista), que organizou a 1ª prova de enduro tipo FIM (Enduro da Mentira). Desbravou trilhas em torno da capital paulista enquanto testava motos para revistas especializadas. É editor técnico e consultor no Motonline.