Foto: Mais treino e bom senso são dicas para motociclistas novatos

Motociclistas novatos

Foto: Mais treino e bom senso são dicas para motociclistas novatos

Foto: Mais treino e bom senso são dicas para motociclistas novatos

Resolução 285 do Contran, em vigor neste ano, amplia aulas práticas em vias públicas.

Mas saber escolher sua primeira moto também é importante para o futuro motociclista

Com o objetivo de melhorar a formação dos motociclistas e motoristas e, consequentemente, reduzir os acidentes de trânsito, o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) publicou em agosto de 2008 a Resolução 285, que altera as regras dos cursos de formação dos condutores de veículos automotores. Pelas novas diretrizes, que entraram em vigor a partir de 1° de janeiro de 2009, houve um aumento da carga horária dos cursos teóricos e práticos para a obtenção da Carteira Nacional de Habilitação (CNH). A parte teórica, por exemplo, passou de 30 para 45 horas aula. Já o curso prático de direção ganhou mais cinco horas aula (no total agora são 20 horas aula). Porém a grande mudança para os candidatos a motociclista são aulas práticas em vias públicas.

Nesse caso é necessário que a instrução seja feita preliminarmente em circuito fechado até que o candidato tenha pleno domínio da moto e também das regras de trânsito. Nas aulas práticas de pilotagem em ruas e avenidas é recomendado pelo Contran que o acompanhamento do candidato seja realizado pelo instrutor em outro veículo. A lei ressalta também que todos os candidatos a motociclista deverão realizar aulas práticas de direção mesmo em condições climáticas adversas, como por exemplo, chuva, nevoeiro ou mesmo durante a noite. Ou seja, em condições reais de uso. Neste caso, prudência não faz mal a ninguém.

Motociclistas novatosPara Wilson Yasuda, gerente do Centro Educacional de Trânsito Honda (CETH), que fica em Indaiatuba (SP), tudo que é feito em prol da segurança do motociclista é salutar. — Mas não podemos esquecer também de requalificar os próprios instrutores das auto e moto escolas. Para transferir conhecimento, os instrutores devem dominar a teoria e a prática. Precisam saber como fazer uma frenagem corretamente, uma curva em baixa velocidade e de como desviar de um buraco–, explica Yasuda, da Honda, dizendo que o CETH também oferece cursos de reciclagem destes profissionais e também para órgãos públicos, como a Polícia Militar de São Paulo.

Segundo a resolução, o curso teórico abordará outros temas como direção de veículos em situação de risco, equipamentos de segurança para o motociclista, pilotagem de motos com passageiro e ou cargas, cuidados com a vítima motociclista e as consequências do consumo de bebida alcoólica e ou substâncias psicoativas.

Bom senso
Devidamente habilitado na categoria “A” em mãos, chega a hora do futuro motociclista comprar uma moto. Então vem a pergunta: qual modelo escolher entre tantas opções? A resposta é simples: uma moto de baixa cilindrada, entre 125 e 150. Até porque o novo motociclista fez 20 horas aula ou mais com este perfil de modelo e já está familiarizado com o comportamento deste tipo de moto.
Aqui é uma questão de bom senso por parte do piloto e não de quanto dinheiro você tem na conta bancária, já que a falta de experiência ao guidão de uma superesportiva, por exemplo, pode levá-lo a um acidente.

“Tudo tem seu tempo. É imprescindível adquirir experiência. Pilotar corretamente em duas rodas requer muito treino. Depois de uma 125/150, o motociclista migra para uma 250cc e assim por diante, até chegar a uma moto de alta cilindrada, potente e com muita tecnologia embarcada”, conta o gerente da Honda.

Geraldo Simões, jornalista, motociclista e instrutor de pilotagem, segue o mesmo raciocínio de Yasuda. “Para os novatos, a melhor e mais sensata dica é escolher uma moto pequena. Já me cansei de socorrer motociclistas de primeira viagem que compraram motos muito grandes, pesadas ou velozes”.
“A motocicleta não poder ser meramente um objeto de status, muito menos um brinquedão. A “máquina” dever ser tratada com muito respeito e utilizada com responsabilidade. Enfim, se tornar instrumento de prazer e satisfação”, conta Ricardo Loureiro dos Santos, consultor comercial e motociclista há cinco anos, que começou pilotando uma Honda XR 200 e recentemente comprou uma Honda Shadow 600 apenas para rodar nos finais de semana.
Para os iniciantes que não gostam muito dos modelos streets, há outras boas opções como, por exemplo, os scooters, as CUBs e as motos de uso misto (on/off-road). Apesar da facilidade de condução – é só ligar e acelerar sem a preocupação com as trocas de marchas -, os scooters são ideais para quem estuda ou trabalha perto de casa. Por outro lado, a rodas pequenas (10 ou 12 polegadas) sofrem mais com os impactos em buracos e valetas e podem transferir instabilidade ao piloto.

Já nas motos de uso misto, o motociclista tem uma melhor postura e posição de pilotagem. A moto é mais alta, conta com suspensões reforçadas e o posicionamento dos espelhos está, na maioria dos casos, acima dos retrovisores dos automóveis.

COMPARE AS RESOLUÇÕES
Resolução 168/04 Resolução 285/08
Curso Teórico 30 horas aula para 45 horas aula:

* Legislação de Trânsito: 12 horas aula para 18 horas aula

* Direção Defensiva: 8 horas aula para 16 horas aula

* Noções sobre o Funcionamento do Veículo de Duas ou mais Rodas:
2 horas aula para 3 horas aula

* Noções de Proteção e Respeito ao Meio Ambiente e de Convívio Social no Trânsito: 4 horas aula permanece igual

* Noções de Primeiros Socorros: 4 horas aula permance igual

* Curso de Prática de Direção Veicular:
15 horas aula para 20 horas aula