Numeros

MotoGP™: notícias do padock – 3/5

OS NÚMEROS DO GRANDE PRÊMIO BWIN DA ESPANHA
Antes da 4ª etapa a MotoGP™ apresenta uma seleção dos principais números e fatos do Campeonato do Mundo.

56,570s – Michael Laverty, 18º na Argentina, terminou a apenas 56,570s do vencedor Marc Márquez; esta foi apenas a segunda vez em 65 anos de história dos Grandes Prêmios que os 18 primeiros da categoria rainha cruzaram a linha de chegada separados por menos de um minuto. A outro fez foi no GP da Malásia de 2007, com Makoto Tamada terminando em 18º a 59,596s do vencedor Casey Stoner;

49 – A vitória de Romano Fenati na corrida de Moto3™ da Argentina foi a 49ª vitória da KTM em GPs. Casey Stoner deu a primeira vitória à marca, na classe de 125cc na Malásia em 2004. Os 49 triunfos da KTM dividem-se por: 125cc – 13, Moto3 – 27 e 250cc – 9;

45 anos – No dia da corrida em Jerez passam exatamente 45 anos desde que outro circuito espanhol, Jarama, foi usado pela primeira vez para um Grande Prêmio – o GP de Espanha de 1969. O público da casa teve muitos motivos para festejar quando Santiago Herrero (Ossa) se tornou no primeiro espanhol a vencer uma corrida de 250cc;

27 – Jorge Lorenzo comemora o seu 27º aniversário no dia da corrida;

17 – No dia da corrida passam exatamente 17 anos do dia em que Alex Crivillé venceu o GP de 500cc em Jerez, em 1997 – a primeira de uma sequência de três vitórias de Crivillé no traçado;

– Andrea Iannone terminou em 6º na Argentina, o melhor resultado de um piloto satélite da Ducati desde que Randy de Puniet foi sexto no GP da Austrália de 2011, também a serviço da equipe Pramac Ducati;

3 – Tito Rabat é apenas o terceiro piloto da Moto2™ a começar a temporada com pódios nas três primeiras corridas do ano. Os outros dois são Marc Márquez e Pol Espargaró, ambos em 2012. Se Rabat terminar entre os três primeiros em Jerez, será o primeiro na classe de Moto2™ a começar a temporada com quatro pódios consecutivos;

3 – Na Argentina, Marc Márquez tornou-se no primeiro piloto a vencer as três primeiras corridas da temporada da categoria rainha desde Valentino Rossi em 2011; se também vencer em Jerez tornará-se no primeiro piloto a vencer as quatro primeiras corridas da temporada da categoria rainha desde Mick Doohan, em 1992;

3 – Márquez não só venceu as três primeiras corridas desta temporada como o fez largando na pole; a última vez que um piloto venceu três corridas consecutivas de MotoGP™ largando da pole foi em 2010, com Jorge Lorenzo. Se Márquez fizer a pole e vencer em Jerez, será o primeiro piloto a fazê-lo desde Valentino Rossi que venceu as últimas três de 2003 e a primeira de 2004;

1 – Jerez é o único circuito do atual calendário dos Grandes Prêmios em que Marc Márquez nunca venceu em qualquer uma das três categorias.

CAL CRUTCHLOW VOLTA A COMPETIR EM JEREZ

Cal Crutchlow, da Ducati Team

Cal Crutchlow, da Ducati Team

Para a Ducati Team, o Grande Prêmio bwin de Espanha marca o regresso de Cal Crutchlow na sua máquina Desmosedici GP14 depois de ter ficado de fora na última corrida.O piloto britânico, que se lesionou na corrida em Austin, onde deslocou o dedo mindinho direito e fez uma pequena fratura na mesma mão, teve de faltar na etapa da Argentina.

Para acelerar a recuperação, Crutchlow esteve os últimos dias em casa, na Ilha de Man, tentando preparar-se para a etapa espanhola com a ajuda de uma câmara hiperbárica. Antes do regresso às pistas, Crutchlow comentou: “A minha mão está melhorando a cada dia, mas ainda tenho algumas dores e vai ser difícil correr este fim-de-semana. Vou ver como as coisas correm na sexta-feira e fazer o melhor que conseguir. Jerez é sem dúvida um dos circuitos mais difíceis para voltar a competir após a minha queda. É mesmo uma grande pista e o público também é fantástico, mas estou mesmo é muito motivado por voltar a estar com a equipa e de regresso à moto”.

Ao lado de Crutchlow e do colega de equipe Andrea Dovizioso, Michele Pirro vai também alinhar na prova, como wild-card, pela Ducati Team, isto depois de ter substituído o britânico na Argentina.

BRIDGESTONE RETIRA-SE DA MOTOGP™ APÓS 2015

Bridgestone só fornece pneus à MotoGP™ até 2015

Bridgestone só fornece pneus à MotoGP™ até 2015

A Bridgestone, fornecedor oficial de pneus da MotoGP™ desde 2009, chegou a um acordo com a Dorna, promotora do campeonato, para estender o atual contrato de fornecimento de pneus por mais um ano, para a temporada de 2015, ano após o fabricante nipônico de borrachas vai deixar de ser fornecedor de pneus para a competição.

A Bridgestone entrou para o Campeonato do Mundo de MotoGP™ no início da era moderna das 4-tempos, em 2002, com o objetivo de se estabelecer como o líder mundial no desenvolvimento de pneus. A chegada da companhia japonesa à glória foi caracterizada por rápido sucesso no campeonato com a primeira pole position logo no primeiro ano, estreia no pódio em 2003 e a primeira vitória no Grande Prêmio do Brasil de 2004.

A partir desse momento, o sucesso da Bridgestone cresceu rapidamente, com múltiplas vitórias em 2005 e 2006, culminando num primeiro título Mundial de MotoGP™ com Casey Stoner, da Ducati, em 2007. Seguiu-se o segundo título em 2008 com Valentino Rossi e a Yamaha, o que levou a Bridgestone a ser escolhida para ser o primeiro Fornecedor Oficial de Pneus do campeonato, o que lhe permitiu atingir os objetivos traçados – ser o principal fabricante de pneus de motociclismo a nível mundial. Um longo e bem sucedido envolvimento no MotoGP™, suportado por significativo investimento, deu à Bridgestone uma vantagem sobre a concorrência com a transferência para a estrada, de tecnologia com provas de qualidade dadas na pista.