Motonline no Salão da Motocicleta (IV)

Motonline no Salão da Motocicleta (IV)

Motonline no Salão da Motocicleta (IV)

Com efeito, essa primeira edição teve os seus organizadores efetivamente demonstrando que ‘fizeram bem a lição de casa’. Bem organizado, a divisão primeira em 3 alas principais, se encarregaram em não se deixar perder nada.

Bimota e a Brasil e Movimento acabaram ficando em uma situação geográfica desfavorável, mas não tivemos como saber se contrataram o espaço no final das negociações!

Mais uma vez, os exportadores chineses estiveram presentes em uma área especifica porem eles não aprendem que a língua é um impedimento para os negócios. E nisso até a marca RATO, que disponibilizou um stand próprio, tinha alguém com pelo menos um inglês mais fluente.

Nas considerações passadas tanto o Sr. Andre, bem como o Sr. Bitenca, abordaram o evento porem gostaria de somente de reforçar as palavras animadoras do Sr Paulo Izzo quanto ao futuro da marca Malaguti e seus scooters, e a presença da Piaggio com um stand bem lotado com belos modelos. O mercado de scooters tem crescido consideravelmente em mercados não tradicionais, como os EUA; e o Brasil não foge dessa tendência, e agradece por um leque de opções mais largo e mais elaborado.

O lado comercial tinha de tudo; capacetes, casacos, luvas, pneus, etc.; visivelmente sem nenhuma promoção arrasadora. Mas me alegro em dizer que opções de segurança passiva eram oferecidas em profusão, e nas mais variadas faixas de preço.

Motonline no Salão da Motocicleta (IV)Hoje também estivemos nas urnas, e lembrando as sabias palavras do nosso Dr. André Garcia, espero que essa nova linha de governantes ponderem e reduzam os impostos para esse tipo de produto, que só tem como finalidade, proteger e salvar a vida de nossos irmãos motociclistas, que também não deixam de ser contribuintes.

Particularmente, deixo os parabéns ao stand do Moto.com que nos brindou os visitantes com a possibilidade de ver ao vivo grandes marcas clássicas como Indian, Norton, Sunbeam, entre outras.

Bem … foi válido para quem queria ver e para quem queria comprar … mas quem queria os grandes lançamentos, teve que se contentar com pouco …

Não sou ninguém para ditar regras, porem tenho que para uma festa da motocicleta ser completa, e no tipo de mercado que vivemos, se o valor do ingresso não pudesse ser menor, que pelo menos não fosse cobrado o estacionamento das motocicletas … afinal, também fazíamos parte da festa !

VIDA LONDA a todos …