Mudar para pior

Mudar para pior

Mudar para pior

A frente balan‡a, a traseira nÆo p ra de chacoalhar nas curvas, os freios nÆo funcionam direito, ‚ praticamente imposs¡vel andar em linha reta e o escapamento faz um barulho inferna! Algu‚m se compraria essa moto?. Ou seria melhor uma moto est vel, bem balanceada, com freios eficientes e silenciosa?  claro que a segunda op‡Æo ‚ bem mais interessante, mas por falta de conhecimento ou teimosia, alguns motociclistas insistem em fazer altera‡äes nas suas motos, comprometendo a pr¢pria seguran‡a.

Durante um bom tempo, que felizmente j  passou, a altera‡Æo mais comum era colocar guidÆo baixo em motos normais de rua, mudando completamente a dirigibilidade, com a transferˆncia do peso para a dianteira, ou seja, o corpo do motociclista fica muito … frente, prejudicando a dirigibilidade. Atualmente, com a venda de motos esportivas como a Kasinski Comet 250 ou as importadas, que j  vˆm com guidÆo baixo, projetado para um maior conforto na pilotagem, esse acess¢rio foi abandonado. Infelizmente foi substut¡do pela nova mania absurda nacional: rebaixar a frente ou levantar a traseira, duas medidas que tamb‚m alteram a cicl¡stica a ponto de desequilibrar todo o conjunto.

Mas o tempo se encarregou de criar outra forma de alterar o guidÆo da moto, que nasceu nas grandes cidades e j  se alastrou por todo pa¡s. Cansado de bater com a ponta do guidÆo nos espelhos retrovisores dos carros, algum motociclista resolveu dar uma solu‡Æo para atravessar inc¢lume o corredor de autom¢veis: mudou o formato do guidÆo, deixando-o mais estreito e alto para poder passar por cima dos espelhos.

Rapidamente os outros motociclistas, principalmente os que utilizam motos pequenas e baixinhas (125 e 150cc), copiaram o sistema. Aparentemente, essa mudan‡a nÆo traria problemas, mas basta dar uma voltinha para perceber as conseqˆncias dessa adapta‡Æo. Para come‡ar, o guidÆo ‚ entortado com ajuda de uma morsa e um cano, comprometendo a resistˆncia nas dobras. Num choque o guidÆo pode partir-se, atirando longe quem est  atr s dele. A outra conseqˆncia ‚ a dirigibilidade, que fica comprometida e bastante dif¡cil, al‚m de cansativa, porque os bra‡os ficam mais altos do que o normal.

Cachorros vivos
Outros motociclistas no lugar de levantar o guidÆo, levantam a moto toda, colocando os alongadores de suspensÆo na frente e atr s. Esses acess¢rios sÆo suspeitos, j  que atuam justamente na geometria da moto, em locais onde cada lƒngulo envolvido ‚ pensado exaustivamente pelos projetistas. O alongador na suspensÆo, por motivos est‚ticos, j  ‚ uma temeridade. O pior ‚ quando os alongadores sÆo utilizados para “melhorar” a eficiˆncia da suspensÆo no fora-de-estrada. O efeito dos alongadores ‚ apenas visual, porque al‚m de nÆo melhorar em nada a suspensÆo, ainda por cima alteram o centro de gravidade, prejudicando a estabilidade em curvas. Aumentar o curso da suspensÆo nÆo melhora a recep‡Æo (contato com o solo) em saltos nem a torna mais macia em buracos. Ou seja, nÆo serve. para nada. Se a moto ‚ baixinha para seu bi¢tipo, escolha outra moto.

Um dos acess¢rios mais consumidos no in¡cio da ind£stria nacional de motocicletas e que persiste at‚ hoje sÆo os mata-cachorros. A origem desse acess¢rio remonta …s antigas motos que tinham saia lateral (que hoje ainda existe nas cubs como a Biz e Web). Quando ca¡ram as saias (das motos), alguns motociclistas sentiram-se inseguros e resolveram instalar um tubo circular preso ao quadro, na inten‡Æo de proteger contra choques laterais ou em caso de quedas. As motos dos policiais e algumas custom usam o mata-cachorro por uma razÆo bem peculiar: instalar alarmes e far¢is auxiliares. Al‚m disso, os policiais pilotam tÆo mal que precisariam de um mata-tudo em volta da moto!

Atualmente, ap¢s alguns estudos realizados pelos pr¢prios fabricantes, sabe-se que o mata-cachorro mais atrapalha do que ajuda. No caso de queda ela faz uma alavanca que atira a moto mais longe do que o normal, provocando um capotamento, o que acaba quebrando pe‡as do painel. E, no caso de choques laterais, o tubo pode dobrar-se e prender a perna do motociclista. Por fim, o mata-cachorro ainda aumenta as dimensäes externas da moto, podendo bater em algum obst culo, o que torna o uso desse acess¢rio em motos, principalmente no fora-de-estrada, um completo contrasenso. Na d£vida, deixe os cachorros vivos e a moto inteira.

Largo nÆo ‚ fino
Cena comum em viagens: uma moto com um bagageiro maior do que o original, entulhado de coisas. Pior, o terr¡vel bagageiro com “santƒntonio” incorporado, devidamente repleto de carga. Nos dois casos, a dirigibilidade fica seriamente comprometida. Quando a moto sai de f brica com bagageiro, normalmente vem especificado num adesivo, a carga m xima que o equipamento comporta, sem riscos de quebrar a pe‡a, nem desequilibrar a moto. Basta acatar a recomenda‡Æo do fabricante e a seguran‡a est  garantida.

Quando a moto nÆo tem o bagageiro, sempre existe a possibilidade de instalar o acess¢rio, mas nesse caso, tamb‚m existe uma carga m xima dentro de um limite seguro. At‚ cinco quilos de peso, o comportamento da moto nÆo se altera. A partir da¡, a dirigibilidade fica comprometida porque o bagageiro fica na ponta extrema traseira, fazendo efeito de alavanca, levantando a frente. Existem bolsas laterais e bolsas para colocar sobre o tanque de gasolina que aumentam a capacidade de carga, sem alterar o comportamento da moto.

Uma das perguntas mais freqentes dos leitores ‚ com rela‡Æo … troca de pneu por um mais largo. Um aviso: pneu mais largo nÆo melhora a estabilidade. Essa cren‡a baseia-se nos autom¢veis que usam pneus mais largos para melhorara velocidade em curvas. Mas a¡ existe uma diferen‡a conceitual: no carro o pneu nÆo inclina nas curvas. Nas motos o pneu mais largo s¢ faz consumir mais gasolina e pode at‚ prejudicar a inclina‡Æo nas curvas. Al‚m disso, a largura original de um pneu nÆo ‚ questÆo est‚tica: os projetistas determinam qual a melhor dimensÆo baseados em estudos e an lises de dirigibilidade, estabilidade e seguran‡a.

Som de perigo
Escapamento barulhento ‚ inseguro? Basta consultar um m‚dico otorrinolaringologista (que trata de ouvido, nariz e garganta) para descobrir que o excesso de barulho na moto, al‚m de infernizar a vida dos outros habitantes, pode provocar danos irrepar veis … audi‡Æo e equil¡brio a longo prazo. A curto prazo, tira a concentra‡Æo do motociclista, que pode nÆo perceber a aproxima‡Æo de um caminhÆo de 50 toneladas, por exemplo, da sua traseira.

Ao projetar uma moto, os engenheiros gastam bastante tempo em estudos e an lises para produzir um ve¡culo seguro. A¡, algu‚m gasta poucos minutos para transform -la num ve¡culo inseguro, barulhento e torto. Ao instalar alguma coisa diferente, na moto, pense sempre no melhor dos acess¢rios que nunca pode faltar: o bom senso.