Muito tempo no trânsito pode causar problemas na coluna

Cada vez mais as metrópoles brasileiras sofrem com o aumento no trânsito, e uma das consequências graves desse problema é a saúde da população. De acordo com dados do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), circulam pelas ruas e estradas do país cerca de 45 milhões de veículos. Só a região Sudeste concentra 24 milhões, e desses, 6 milhões transitam na cidade de São Paulo.

Segundo Dr. Luiz Pimenta – presidente em exercício da Sociedade Mundial de Coluna e Diretor do Instituto de Patologia da Coluna em São Paulo – longos períodos em uma mesma posição podem sobrecarregar a coluna e sua musculatura, gerando dores nas costas, e podendo desenvolver doenças graves a longo prazo. De acordo com um levantamento feito pelo Ibope no início de 2008, 63% dos paulistanos gastam entre 30 minutos e 3 horas nos deslocamentos para a escola, universidade ou trabalho.

“Hoje em dia a população está passando mais tempo dirigindo, causando muitas dores musculares. A maior parte das queixas vem de uma má postura ao dirigir, o que é facilmente tratado e evitado apenas com a melhora postural e exercícios físicos regulares. Os automóveis atuais permitem um melhor ajuste do encosto, e mantendo-se uma boa altura e angulação do assento, bem como proximidade do motorista ao volante, é possível prevenir ou minimizar as dores nas costas.” – garante Dr. Pimenta.

Abaixo seguem dicas para prevenção de dores na coluna causadas pelo longo período no trânsito: “O mais importante é que a pessoa não precise desencostar do banco para acionar os pedais, realizar manobras ou visualizar os retrovisores. O motorista deve também fazer pequenas pausas durante longos períodos ao volante, sempre realizando alongamentos simples para as pernas e braços, bem como a região lombar e cervical” – alerta o médico.

Manter o ângulo do assento entre 100 a 110 graus, dando apoio total à coluna e mantendo-a relaxada (isso evita lesões dos músculos do pescoço e articulações da coluna, quando o assento estiver muito angulado);

Ajustar o encosto de cabeça de acordo com a altura do motorista, de preferência na altura dos olhos (evita efeito chicote da cabeça e protege das lesões no caso de uma colisão traseira);

Usar um suporte lombar (alguns carros dispõem do dispositivo, mas uma pequena almofada ajuda na melhor distribuição da carga sobre a coluna);

Os braços devem ficar levemente flexionados ao segurar o volante. Com os braços esticados, o volante deve estar na altura dos punhos (evita lesões em colisões frontais; permite respostas rápidas frente às situações de perigo; alivia a tensão na musculatura do pescoço);

Os calcanhares devem estar sempre apoiados no assoalho do veículo, evitando a sobrecarga da coluna lombar;

Devem-se alcançar os pedais de tal forma que mesmo pressionados, os joelhos continuem um pouco flexionados;

Os joelhos devem estar ao nível dos quadris ou acima, para evitar sobrecarga da coluna lombar.

PERFIL DR. LUIZ PIMENTA – Formado em medicina na Universidade de São Paulo (1971);
Especializado em Neurocirurgia pela Escola Paulista de Medicina (1971 -1977);
PhD em Neurocirurgia pela Escola Paulista de Medicina (1980);
Presidente em exercício da Sociedade Mundial de Coluna (World Spine Colunm Society);
Diretor do Instituto de Patologia da Coluna em São Paulo;
Entre outras atividades é Professor Associado [associate professor] do Departamento de Neurocirurgia da UCSD (University of California San Diego) nos EUA;
Membro de diversas Sociedades no Brasil e exterior.
Dr. Luiz Pimenta é um dos mais conceituados especialistas em coluna do Brasil na atualidade, seu trabalho se destaca pelos estudos e pelas inúmeras publicações em livros e revistas científicas internacionais, além de ser o idealizador de diferentes projetos em avanços das cirurgias de coluna, como por exemplo, o Disco Artificial Cervical “PCM”.