Manual do Viajante Solitário - José Albano

Na estrada de 125 e sozinho! Vai encarar?

Texto de Maicon Ribeiro de Santana para o Motonline

Tudo começou em 1983 com um desses telefonemas chatos de telemarketing, um cara tentando me vender um consórcio de automóvel. (…) eu resolvi encerrar o papo dizendo que, na verdade, eu já estava farto de carros e, se fosse comprar um veículo novo, seria uma moto. (…) O engraçado é que eu tinha falado aquilo pro vendedor só pra cortar o papo pois, na verdade, eu detestava motos!

Manual do Viajante Solitário - José Albano

Manual do Viajante Solitário - José Albano

Mas esta frase marcou a vida de José Albano, fotógrafo cearense, que tornou-se motociclista um ano depois de dizer isto para o operador de telemarketing. Albano comprou uma 125cc e caiu na estrada, registrando fotos e experiências que deram vida ao “Manual do Viajante Solitário”, livro lançado em 2010.

O autor dá dicas e conselhos sobre viajar de moto e mostra que o perigo da viajem não é tão grande quanto pensamos. “Quero dar a boa notícia de como tenho me dado bem com o meu estilo despojado de viajar”, diz o autor no prefácio intitulado “Moto de viagem?”.

Manual do Viajante Solitário - José Albano

Manual do Viajante Solitário - José Albano

Outro mito que José Albano desmente é sobre a moto ideal. “A melhor moto para viajar é a pequena, a comum, pois ela é mais barata, mais econômica, mais leve e tem mecânico e peça em qualquer lugar”, justifica. “E tem outra vantagem, a moto pequena corre pouco, então é menos perigosa”, conclui.

O “Manual do viajante solitário” não é uma narrativa de viagens. O autor não visa contar nada, mas dá dicas para motoqueiros e, para isso, cita fatos que aconteceram em mais de 20 anos nas estradas sobre duas rodas. É um manual prático, onde instiga o motociclista a viajar, como sugere o trecho abaixo retirado da obra:

Manual do Viajante Solitário - José Albano

Manual do Viajante Solitário - José Albano

“Muita gente me pergunta quantos quilômetros eu faço por dia. Respondo: Eu sei lá!… Depende!… Mas, em média, quantos quilômetros por dia?’, insistem. Respondo: Só no fim de uma viagem posso tirar uma média. Mas confesso que não estou muito preocupado com esses números, não. O que posso dizer é que depende da viagem, da estrada, do clima, depende da minha disposição, da minha pressa, ou não, de chegar… Mesmo assim, depois de tantas viagens, posso dizer que rodo entre 350 e 450 km por dia, se você insiste em saber… Você acha pouco? Eu, não!”

Aprendi a dar uma resposta às inúmeras pessoas que me abordam com a frase: ‘Mas que coragem!’. A minha resposta é: “Coragem é a sua de ver a vida passar dentro de casa! Como é que você tem coragem de gastar a vida desse jeito?”

Manual do Viajante Solitário - José Albano

Manual do Viajante Solitário - José Albano

O livro é dividido em capítulos que proporcionam uma espécie de diálogo com o leitor. São questões, como “Por que uma 125cc?”, “E as viagens?”, “E o desconforto?”, “E o medo?”, “E a manutenção?”, “E os perigos?”, entre outras perguntas que levam o leitor à se aprofundar cada vez mais na narrativa.

Uma ótima dica para motociclistas aventureiros que têm receio de encarar viagens longas, esta leitura que irá agregar muito valor para toda a sua vida.

Manual do Viajante Solitário: Rodando de 125cc nas estradas do Brasil

Autor: José Albano
Páginas: 112
Ano: 2010
Editora: Terra da Luz
Preço: R$ 45,00

Sobre José Albano:
Nascido em Fortaleza, Ceará, em 1944, é fotógrafo desde 1967, quando cursava Letras na Universidade Federal do Ceará. Mudou-se para o Rio de Janeiro, onde trabalhou na Manchete Press Agency, agência de notícias da Editora Bloch (1969-1970). Com bolsa da Comissão Fulbright, estudou nos Estados Unidos, onde obteve o mestrado em Fotografa para os Meios de Comunicação na Syracuse University, em Nova York. Exerceu o fotojornalismo percorrendo os Estados Unidos, o Canadá e 12 países da Europa. De volta ao Ceará, trabalhou na Escala Publicidade durante cinco anos, até abrir seu próprio estúdio, onde passou a fazer fotografa profissional para o comércio e indústria cearense, ilustração fotográfica de livros, restauração e reprodução de fotos antigas, retratos, documentação da paisagem, ecologia e turismo no estado do Ceará.