O piloto Murilo Colatreli  retira- se do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade.

O piloto Murilo Colatreli retira- se do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade.

O piloto Murilo Colatreli  retira- se do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade.

Após seis anos de carreira no Motovelocidade, o piloto e chefe da equipe Colatreli Racing, Murilo Colatreli retira-se do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade.

O piloto que em 2006 conquistou o título de campeão Brasileiro na categoria SuperSport 600cc e atualmente é o terceiro no ranking na categoria Superbike 1000cc tomou esta decisão tão difícil, porém muito bem pensada, devido à nova estrutura e formato do campeonato.

No início do ano de 2009 a CBM, instituição que organiza o evento, anunciou a saída da Honda, principal patrocinadora do evento. A partir daí algumas mudanças começaram a acontecer.

O campeonato vinha, há alguns anos, crescendo e se tornando cada vez mais profissional, mas apartir deste acontecimento problemas surgiram. Houve uma grande dificuldade na elaboração do calendário, com várias alterações nas etapas do campeonato. A primeira etapa que aconteceu em maio deste ano teve sua data definida uma semana antes da sua realização. Houve também muitas ações duvidosas na elaboração das categorias e do regulamento, que foi divulgado menos de um mês antes da primeira corrida, o que dificultou bastante o trabalho das equipes e, além disso, o regulamento estabeleceu uma preparação livre o que fez com que os custos aumentassem para as equipes.

Mesmo ciente de todos os problemas, Murilo resolveu participar da primeira etapa do campeonato que ocorreu nos dias 30 e 31 de maio no autódromo de Jacarepaguá, Rio de Janeiro, onde obteve a terceira colocação.

Esta participação só fez confirmar, o que até então era uma dúvida, sua retirada do campeonato.

A etapa não teve divulgação, organização e nem segurança, o que é fundamental num esporte de risco como a motovelocidade. Além disso, não existiu uma cobertura de mídia condizente com o investimento, o que fez com que a etapa não pudesse dar o retorno necessário para as empresas que investiram nas equipes, ficando assim inviável para os patrocinadores continuar a investir nesse campeonato afirma o piloto.

Com sua saída desse campeonato, Colatreli espera que aconteça outro campeonato com outros produtores para que as equipes continuem seu trabalho e que o esporte cresça no país.