O que eu NÃO disse à Cultura

Amigos leitores (e inimigos tamb‚m), nesta semana a TV Cultura de SÆo Paulo me entrevistou para falar sobre o elevado n£mero de acidentes nas estradas paulistanas. Parecia uma ¢tima oportunidade para eu discorrer tudo que aprendi e experimentei em mais de 20 anos escrevendo sobre seguran‡a de motociclista. Pena que editaram e cortaram tudo que falei.

Jornalista ‚ um bando de mala mesmo! Primeiro a r dio CBN de SÆo Paulo come‡ou uma campanha contra motos que beira o preconceito e incita a popula‡Æo a odiar motociclistas. Depois os gerentes da Viaoeste distribu¡ram imagens de motoboys fazendo um monte de c…. no trecho da Castelo Branco entre a capital e Barueri. Obviamente a inten‡Æo da Viaoeste ‚ induzir a opiniÆo p£blica a aceitar como natural a cobran‡a de ped gio para motos.

Como a Viaoeste ‚ uma concessÆo, ou seja, o Estado “vendeu” a estrada para um grupo privado, eles querem ganhar muito dinheiro. Passam cerca de 12.000 motos por dia em cada sentido, o que totaliza 24.000. mesmo que cobrem uma tarifa baixa, como R$ 1,50, terÆo arrecadado, sem fazer qualquer esfor‡o, algo em torno de R$ 36.000 por dia £til.

EntÆo a TV Cultura me perguntou o que eu achava disso. Respondi, “acho justo, desde que invistam o dinheiro em 3 a‡äes distintas: educa‡Æo, fiscaliza‡Æo e adequa‡Æo da via para motociclistas”. A TV editou a entrevista e deixou s¢ o final.

O que quis dizer ‚ que as estradas nÆo foram pensadas para motos, mas apenas para carros, “nibus e caminhäes. Os guard-rails sÆo altos, nÆo h  telas sobre os viadutos, nem nos canteiros centrais e nÆo h  uma cabine especial para motos. Para piorar, entrevistaram um burocrata da Viaoeste que se defendeu: “nossas estradas seguem padräes internacionais”. Que genial resposta. Bangladesh fica no exterior, entÆo devemos seguir os padräes da Öndia de higiene e cidadania? Oba, vamos todos nos banhar no Rio Pinheiros como se fosse o Ganjes.

Uma idiotice! Se o mundo est  errado o Brasil pode se tornar o exemplo de uma atitude correta pelo menos uma vez na hist¢ria. Na Espanha e Portugal os motociclistas fizeram campanha para mudarem os guard-rails. Na Alemanha as estradas tˆm telas para evitar a travessia de animais e impedir que um motocicista saia voando se bater em cima de um viaduto. EntÆo, cadˆ o padrÆo internacional do burocrata?

N¢s estamos ferrados aqui em SÆo Paulo e me assusta a total isen‡Æo das f bricas diante dessa onda anti-motociclistas. Vamos iniciar uma campanha contra o abuso do ped gio para motos, vamos exigir moto-faixas em corredores onde o fluxo de caminhäes ‚ muito grande. Vamos exigir fiscaliza‡Æo para tirar as motos escangalhadas de circula‡Æo (e os carros tamb‚m!!!). Vamos encher o saco para que os burocratas ou‡am nossas id‚ias por inteiro, e nÆo pela metade.