Foto: Troca óleo da bengala: Bitenca

Oleo das bengalas, Pneu sem camera com camera, Jogo de corpo, boa relação

Foto: Troca óleo da bengala: Bitenca

Foto: Troca óleo da bengala: Bitenca

Olá Bitenca. Tudo Bem? Gostei muito quando contou sobre sua primeira experiência com motos para o Éric de São Paulo. Também gosto muito de dar as minhas fuçadas. Já fiz até um curso de mecânica de moto no SENAI. Só não arrisco mexer no motor por que não tenho ferramentas adequadas. Mas se tivesse… Bom, tenho uma XLR125 e gostaria de trocar o óleo das bengalas? Qual a periodiocidade destas trocas? Qual o procedimento? o que acontece se ficar muito tempo sem troca? Necessáriamente preciso trocar os retentores quando trocar o óleo delas? Não há resíduo de óleo na parte superior das bengalas. Agradeço pela ajuda. Fábio 38 – Brasília, DF

R: Fábio, de fato as ferramentas especiais são uma necessidade para um serviço adequado e às vezes não são encontradas, assim há que se improvisar a fabricação de peças alternativas e pode incorrer num custo que nem sempre compensa, mas é muito gratificante. A troca de óleo das bengalas deve ser feito de acordo com a orientação do manual do proprietário e em via de regra pode ser feito uma vez por ano. O uso intenso sem troca por mais de cinco anos pode acarretar um desgaste prematuro, mas em geral antes disso os retentores começam a vazar forçando uma manutenção corretiva e assim troca-se o óleo de qualquer jeito. Por conveniência pode-se trocar os retentores uma vez que as peças estão desmontadas, mas não é essencial. Além do mais o óleo novo, por ser mais viscoso tem menos tendência a vazar.
O procedimento é de baixa complexidade mas é preciso ter um pouco de familiaridade no uso de ferramentas normais.
Primeiro tira-se a roda dianteira e paralama se este atrapalhar a saída dos tubos da suspensão. Eles são pinçados pelos grampos das duas mesas que os suportam. Assim, ao serem soltos os parafusos dos grampos eles descem e são retirados facilmente. Para a retirada do óleo solta-se a tampa superior e retira-se a mola interna. Vire o óleo usado num recipiente apropriado e coloque um pouco de óleo novo para fazer a limpeza. Depois de uns poucos ciclos de compressão e expansão, com a tampa e sem a mola abra novamente e esgote esse óleo também. Adicione a quantidade especificada do óleo tipo ATF e recoloque a mola e peças de calço, se houver. A montagem da frente deve ser feita no sentido inverso da desmontagem apertando os parafusos ao torque especificado. O procedimento para troca dos retentores já é mais complicado e necessita de uma matéria específica. Boa sorte

Foto: Bitenca

Foto: Bitenca

Olá, pessoal. Pergunta sobre pneus: o pneu sem câmera é reconhecidamente mais seguro que o com câmera, tendo uma construção mais robusta. Mas para usá-lo, a roda deverá ter um ressalto interno, com finalidade de manter o pneu bem assentado, no talão. Bom, numa moto como a Suzuki Intruder 125, que não tem roda adequada para o sem câmera, o uso de um pneu do tipo sem câmera, mas com uma câmera, será mais seguro do que o uso de um pneu do tipo com câmera e montado com uma, obviamente…? No caso de um furo nesse sem câmera (mas montado com câmera), ele se comportaria igual, esvaziando bem mais lentamente? Seria uma prática mais segura usar nas motos o pneu sem câmera, mas com? Abraços. João, 52, São Paulo, SP.

R: João, O pneu sem câmera não deve ser usado com câmera, pois há casos em que a ela pode furar e causar um desbalanceamento perigoso dentro do pneu que por não contar com a sua presença pode segurar a pressão do ar dentro dele. Dessa forma a câmera fica solta dentro do pneu causando uma situação de perigo. Use sempre o conjunto adequado à sua moto. Se a roda foi feita para uso com câmera use o pneu apropriado também. Abraços.

Há 6 meses comprei uma Strada 01. Mas desde que a comprei, não consigo me sentir confortável. O banco é duro e fico escorregando em direção ao tanque, as vezes machucando as “partes baixas”, os amortecedores traseiros são duros, e a suspensão dianteira tem pouquíssimo curso. Pensei em trocá-la por uma Tornado. Mas alguns amigos que tiveram Twister disseram que esta não sofre desses problemas. E agora? Qual é a moto mais confortável para mim e minha esposa no dia a dia e em pequenas viagens? Eduardo, 27, Recife, PE

R: Eduardo, Acho que você está com uns vícios de pilotagem que desfavorece seu conforto, veja bem. A menos que sua pilotagem seja voltada para o uso de motos custom há uma técnica essencial para a sua segurança e conforto, Trata-se de apoiar os pés com mais força nas pedaleiras e fazer uso do tanque para prendê-lo com os joelhos. No primeiro caso, para cruzar um buraco maior a pressão sobre as pedaleiras vai fazer com que a suspensão absorva o impacto minimizando a sua transferência ao seu corpo. A pressão dos joelhos contra o tanque faz com que a sua postura não seja afetada pela vibração dos pequenos movimentos da suspensão e favorece as suas partes baixas. A força dos braços sobre o guidon também pode ser usada para se manter na posição desejada do banco, às vezes mais à frente nas curvas e mais atrás nas retas. No caso de estar conduzindo garupa essas manobras podem ficar um pouco prejudicadas mas um bom garupa deve se antecipar e ajudar nesse jogo de corpo também. Quanto à troca da moto, faça a avaliação das qualidades que sejam mais importantes para você e apenas nas motos com posição de pedaleiras muito avançadas como nas custom essa técnica não se aplica. Desenvolva-a antes de se decidir para que não seja prejudicado pela falta de informação. Decida com consciência, boa sorte

Boa Tarde, comprei uma XT 225 e tava querendo colocar uma coroa maior, pois a original se desgastou e não está andando mais e não quero comprar a original, pois só vou andar com ela na trilha. Gostaria de saber qual seria a melhor coroa que poderia ser colocada e aonde posso comprá-la. muito Obrigado. Massa, 30, Rio de Janeiro, RJ

R: Massa, a coroa é apenas um dos componentes da relação de transmissão final de sua moto. As outras partes que funcionam junto, o pinhão e a corrente se desgastam da mesma forma, uma vez que essas peças sofrem a mesma força e desgaste. Portanto apenas trocar a coroa não deve resolver seu problema, tem que substituir o conjunto todo. Agora, para melhorar a força em trechos acidentados eu recomendaria a colocação de um pinhão com um dente a menos e não a coroa maior porque fica mais fácil a substituição e mais barato também, porque o fabricante procura economia de escala na peça mais cara, ou seja na coroa, então vai ser mais conveniente a mudança da relação pela diminuição do dente do pinhão e não do aumento da coroa, Boa sorte.