O espanhol Carlos Campano, um dos 11 "gringos" da Superliga Brasil de Motocross

Onze estrangeiros competem na Superliga Brasil de Motocross

O espanhol Carlos Campano, um dos 11 "gringos" da Superliga Brasil de Motocross

O espanhol Carlos Campano, um dos 11 "gringos" da Superliga Brasil de Motocross

A temporada da Superliga Brasil de Motocross teve início no último fim de semana, 3 e 4 de março, em Indaiatuba (SP), com a presença de várias pilotos estrangeiros na disputa das principais categorias da competição: MX Pró e MX2. Foi o recorde de não-brasileiros, vindo de oito nações: Argentina, Uruguai, EUA, Itália, Inglaterra, Espanha, República Checa e França.

O grande destaque da etapa foi o espanhol Carlos Campano, da Equipe Yamaha Grupo Geração Monster Energy Circuit, campeão das duas baterias da MX Pró. “Será um ano muito bom. Notei que os brasileiros evoluíram bastante e vão melhorar ainda mais no decorrer da temporada. Eu não posso ficar para trás e também preciso crescer”, afirma o campeão do Mundial de Motocross na MX3, em 2010.

Enquanto Campano projeta uma carreira de sucesso no Brasil, Adam Chatfield, da Inglaterra, conhece bem o prazer de ganhar um título no país. O inglês, que estreia neste ano na categoria com motos de 450 cilindradas, é o atual campeão da MX2 na competição. “Acredito na força do motocross brasileiro e vejo que o esporte está em evolução. A consequência disso tudo é a vinda de pilotos estrangeiros. Eu tive a oportunidade no ano passado de disputar vários campeonatos e consegui vencer a Superliga. Quem sabe não consigo outro título novamente”, coloca o piloto da Equipe Ipiranga IMS.

De férias no Brasil, o italiano Michele de Bortoli resolveu estender sua estadia no território nacional após ser convidado para disputar a etapa de abertura. “Foi tudo muito rápido. Aceitei o convite e logo fui correr. Valeu a pena passar por esta experiência. Fiquei surpreso com o que vi aqui, pois na Itália não possuímos tanto investimento no esporte quanto aqui”, revela o competidor. Os pilotos Pascal Leuret (Honda Mobil), da França, Martin Michek (Ipiranga IMS), da República Checa, e Marcos Trossero, da Argentina, também participaram da etapa em Indaiatuba.

Na categoria MX2, os pilotos Joaquim Poli, Augustin Poli e Nicolas Callegari, todos da Argentina, Nicolas Rodrigues, do Uruguai, e Everett Holcomb (LS Racing), dos EUA, são os representantes estrangeiros.

Nascidos em Santa Fé, na Argentina, os irmãos Joaquim, 18 anos, e Augustin Poli, 14 anos, vieram ao Brasil com o intuito de competir em alto nível. “Não temos um campeonato forte na Argentina. Foi uma decisão difícil vir para cá, mas tivemos o apoio de nossos pais. Eu e meu irmão sabemos que se pretendemos ser grandes pilotos, temos que buscar algo a mais e correr com os melhores. Há grandes pilotos no Brasil e com a vinda de pilotos de outras nações o campeonato ficará bem mais disputado”, destaca o argentino Joaquim.

Atualmente, Joaquim e Augustin possuem residência na cidade de São José, na Grande Florianópolis (SC). Os irmãos argentinos estão na companhia de Nicolas Callegari e Nicolas Rodrigues, com quem dividem os treinos na pista do motódromo Pedra Branca, em Potecas. “É muito legal ter mais pessoas para treinar. Assim, estudamos como está sendo nosso desempenho e um ajuda ao outro na preparação física e no acerto da moto”, completa Joaquim.

A legião de gringos deve aumentar na segunda etapa da Superliga Brasil de Motocross, marcada para o dia 31 de março e 1º de abril em Salvador, Bahia. A categoria MX Pró deve contar com a presença dos pilotos Ito Masanori (Ipiranga IMS), do Japão, Humberto Martin (Itamaracá One Industries), da Venezuela, e Jorge Bujanda (Fabricando Pilotos Yamaha Circuit Yamalube), do México.

Pilotos estrangeiros na Superliga Brasil de Motocross 2012

MX Pró: Carlos Campano (Espanha), Pascal Leuret (França), Martin Michek (República Checa), Michele de Bortoli (Itália), Adam Chatfield (Inglaterra) e Marcos Trossero (Argentina).

MX2: Everett Holcomb (EUA), Joaquim Poli (Argentina), Augustin Poli (Argentina), Nicolas Callegari (Argentina) e Nicolas Rodrigues (Uruguai).

A Superliga Brasil de Motocross é apresentada por Honda e Mobil, tem co-patrocínio Pirelli, Yamaha, Mormaii, Monster, Consórcio Nacional Honda.