Padrão de Atendimento X Péssima Rodovia, Acidentado mas equipado

Padrão de Atendimento X Péssima Rodovia, Acidentado mas equipado

Padrão de Atendimento X Péssima Rodovia, Acidentado mas equipado

Há quem diga que a imprensa vive de péssimas notícias ou que notícia ruim vende mais que notícia boa. Há tempos, venho mencionando em matérias ou no fórum sobre Pós-Vendas.
Aí está um nicho de mercado, onde a oficina ou concessionária que conseguir fidelizar o cliente, continuará existindo por muito tempo. E como fidelizar um cliente: cortesia no atendimento X preço justo X transparência X capacidade técnica.
Viajar já é um prazer, de moto é imensurável.
Em quanto trafegamos por rodovias privatizadas é puro deleite. O problema começa quando passamos para trechos, ainda, mal administradas pelo Estado. Para não me estender, vou omitir detalhes da ótima viagem, mas a questão central é que fui premiado com um rasgo de 6 (seis) centímetros, num pneu novo, que sequer rodou 5 mil Km. Podia ter sido pior: não achar outro pneu original, ser mal atendido, não ter concessionária na cidade, etc.
Mas na cidade de Assis, em pleno Oeste do Estado de São Paulo, liguei para a Concessionária Equipar e fui informado, por telefone, que tinha o pneu e que podia me dirigir até a loja. Cheguei às 10:40hs e fui embora 12:30hs, paguei R$ 290,00 (duzentos e noventa reais) pelo pneu traseiro da minha Twister com 52.000Km, dos quais, todas as revisões em concessionária. Se achei barato? Óbvio que não, mas mais barato que na minha Concessionária predileta e uns 30 ou 40% de impostos embutido no preço que vai para o Estado que não cuida de nossas estradas. Mas fiquei surpreso e feliz com o padrão de atendimento e o padrão de lay-out da oficina, limpeza, etc. Foi como entrar no Mc Donalds numa cidade que você nada conhece. Um detalhe: o serviço prestado se deu em pleno 26 de dezembro. Parabéns a Concessionária Equipar de Assis e parabéns a Honda do Brasil pelo treinamento.
Retornei a São Paulo no dia 28/12, com minha esposa na garupa que fez sua primeira longa viagem de motocicleta, me deixando mais feliz com uma afirmação: precisamos de uma moto maior e mais confortável.

Padrão de Atendimento X Péssima Rodovia, Acidentado mas equipadoCaros Motonliners, há uns 2 meses comprei uma Buell 1200, a moto é fantástica, perdoem-me os aficcionados por japonesas. Sempre gostei de uma pilotagem técnica e a Buell é maravilhosa nesse quesito. Ocorre que não estamos sozinhos nesse mundo, ha pouco mais de 10 dias eu trafegava a uns 80 km/h na estrada dos Romeiros, entre Santana do Parnaíba e Cabreúva e fui albarroado por um carro, cujo motorista ligou para o resgate e fui socorrido. Resumo, uma clavícula e 3 costelas quebradas, tornozelo esquerdo inchado e só!!! Explico, eu sempre achei que passar calor com jaqueta e calça de cordura, protetor de coluna, um bom capacete, botas e luvas de boa qualidade não era o problema e nem um dinheiro jogado fora; mas, um investimento em mim mesmo. Nunca eu desejaria levar um tombo como este, que destruiu metade da motocicleta. A velocidade nem era alta. Mas, estou bem, inteiro e me recuperando. Nas idas e vendas para tratar dos
problemas burocráticos do acidente, eu vejo motociclistas de bermudas, camisetas, chinelos e capacetes desafivelados, mas quase todos com escapes esportivos, um gasto a toa, já que na hora do acidente, nada disso salvará a sua pele, nem o protegerá de fraturas mais graves. Por isso este email. Pilote sempre muito bem equipado, não ligue para as piadas dos outros, nem caia no conto do escape esportivo, invista na sua segurança andando sempre bem equipado. Pois, um passeio de domingo, pode virar uma tragédia!!! Eduardo Mammini, São Paulo – SP

R: Eduardo parabéns pelo depoimento e boa recuperação.
Que 2009 seja repleto de saúde, paz, prosperidade e muito consciência aos motociclistas e não motociclistas.