Pagamento IPVA X compra de equipamento, Garantia de moto usada, Exemplo de pós-vendas

Pessoal do MOTONLINE…. forças. Hoje possuo uma TWISTER 2007 amarelinha, que é meu meio de transporte tanto para trabalho quanto para lazer, lembro que não sou o único brasileiro a viver este fato. Bem, vou contar um acontecido. Minha placa pelo fato de terminar com o número 7 tem seu LICENCIAMENTO no mês de SETEMBRO, legal, porém pelos ocorridos da vida cotidiana eu acabei me esquecendo disso. Então no final do mês de NOVEMBRO (quando percebi minha falha) fiz o pagamento do licenciamento, IPVA, Seguro Obrigatório do meu veículo…Camaradas quase caí de costas, meu bolso viu o dinheiro sumir no valor de R$542,89….. nossa… é muito dinheiro. simplesmente para ter o direito de andar com a minha moto. Outro fato que me fez pensar foi que neste final de semana adquiri uma jaqueta de proteção, de uma determinada marca, tal jaqueta possui proteções de articulações, é a prova de água, super resistente, muitos recursos. Adivinhem o valor, R$542,00 sim, 89 centavos mais barata que o licenciamento, IPVA e Seguro Obrigatório do meu veículo.INTERESSANTE isso não acham? Quer dizer então que para andar com um pouco mais de segurança eu tenho que desenbolsar uma grana enorme (oque já não é justo em função dos impostos que este produto sofre), mas e a função do IPVA, licenciamento e seguro obrigatório, será que estão sendo realmente realizadas? E agora onde coloco meus próximos R$542,00 em uma calça ou no próximo licenciamento? Everton Demarchi – Santa Barbara D´Oeste – SP

R: Everton em primeiro lugar o IPVA e Seguro obrigatório não vence na mesma data de licenciamento do veículo, isso já faz muito tempo. Você teve muita sorte. IPVA pode ser parcelado entre janeiro e março. O seguro obrigatório deve ser pago no vencimento da 1ª parcela do IPVA ou no pagamento da cota única. Quanto ao seu dilema, é complicado, mas não deixe de andar equipado, há paliativos.

Boa Tarde! Antes de mais nada, gostaria de parabeniza-los pelo ótimo site. Há um mês atrás adquiri uma moto usada em uma concescionária. Agora, a válvula onde ficam conectadas as mangueiras da gasolina, onde se põe pra reserva, pri ou aberto, começou à vasar muito. Diante de tal situação gostaria de saber: tenho direito de cobrar a manutenção ou, se for o caso, a troca desta válvula? Desde já agradeço pela atenção. Felipe Moreto – São Mateus – ES

R: Felipe me falta mais dados, todavia, aplica-se ao seu caso o artigo 18, do Código de Proteção e Defesa do Consumidor. Quem lhe vendeu deve entregar o bem em perfeitas condições de uso. Não é responsabilidade do vendedor os custos de manutenção, mas de custear o conserto ou dar abatimento no valor do bem.

Apenas comentando o acontecido com o tanque da GS 500, os representantes de grandes marcas deveriam se preocupar mais com a qualidade do serviço. Por mais que tenhamos vontade de experimentar novas marcas (no caso não tão nova), elas não nos dão credibilidade no investimento. Uma motocicleta é um bem de valor relativamente alto, e a marca deve transmitir confiabilidade na qualidade do produto e prestação de serviço. Apenas pra comparar, tenho uma Titan 2006 que já levou três tombos, e a Kaito moto de Ivaipora nunca me deixou aguardando peças de reposição. Já tive de trocar toda a carenagem da rabeta, guidão duas vezes, manete, retrovisores duas vezes, pedaleiras duas vezes,alinhamento de roda, etc. Minha moto nunca ficou mais de 24 horas na concessionária, seja pra revisão, seja para reparo. Na ultima revisão periódica paguei apenas 50 reais e trata-se de uma revisão completa. Notei que a bengala, mesa, balança traseira, filtros, cabos, foram todos desmontados, limpos e engraxados, motor regulado, carburador limpo, óleo trocado. Eis o exemplo do que é qualidade na prestação de serviço. A qualidade do produto, verificamos no fato de, após três tombos, a moto ainda estar como nova, as quebras que ocorreram foram por minha imprudência. Um abraço. Yuri – Ivaipora -PR

R: Yuri bom exemplo de pós-vendas, fora do eixo dos grandes centros urbanos. Abraço a todos e não esqueçam de andar equipado. Um detalhe: equipamento não é só capacete.