20120227090603[1]

Brasil terá equipe no Mundial de SuperBike

Team Brazil – Esse é nome da primeira equipe 100% brasileira a disputar uma temporada completa do Mundial de SuperBike (WSBK). O time, formado por Heber Pedrosa (#42) e Philippe Thiriet (#36) – ambos de 24 anos –, terá base na cidade francesa de Benevent, a cerca de 300 km de Paris, onde os pilotos vão morar. O  projeto conta com uma infraestrutura de qualidade: duas motos para cada um dos pilotos, um caminhão com todo o suporte necessário para a equipe, engenheiros, telemetristas e o famoso circuito de Magny-Cours, na França, para treinos.

Heber Pedrosa: figurar entre as "top 20" da categoria é o objetivo inicial

Heber Pedrosa: figurar entre as "top 20" da categoria é o objetivo inicial

Tanto Pedrosa, quanto Thiriet, ambos estudantes de engenharia, vão disputar as dez etapas da SuperStock 1.000cc Fim Cup, competição preliminar que abre os Mundiais de SuperBike (1.000cc), de SuperSport (600cc) e de SuperStock 600cc. A primeira etapa do SBK 1.000cc FIM Cup da temporada 2012 será dia 1º de abril, em Imola, na Itália. Sendo assim, os brasileiros da Team Brazil seguem para a França no início de março e ficam treinando no circuito de Nogaro, na França. Faltando algumas semanas para o início da competição, Pedrosa e Thiriet treinam em Imola visando a estreia.

Para Philippe Thiriet, que já correu fora por 2 anos, a criação da Team Brazil é um sonho. “Estou muito feliz e com muita expectativa para ver o desempenho da equipe. Nossa perspectiva para o primeiro ano do time e tentar ficar entre os 20 melhores pilotos e quem sabe conseguir entrar na zona de pontuação. Mas, independentemente do resultado, em 2012, o importante é a consolidação do time. Um time 100% verde-amarelo!”, comemorou Thiriet.

Grata revelação da motovelocidade brasileira, Heber Pedrosa, em menos de 2 anos como piloto profissional, obteve números significativos, como, por exemplo, ser um dos quatro pilotos que conseguiram andar abaixo de 1min40s no autódromo de Interlagos, em São Paulo. Para ele, a possibilidade de iniciar uma carreira internacional é indescritível. “Sempre trabalhei para ir cada vez mais longe. Agora, consegui chegar onde estão os melhores pilotos do mundo. Essa é a chance que sempre quis. Espero me adaptar ao estilo de corrida de lá e aprender muito, principalmente neste primeiro ano. Só de saber que poderei me dedicar exclusivamente à motovelocidade já me sinto realizado”, afirmou Pedrosa, que venceu duas corridas do SBK Series em 2011.

Sobre o Mundial

O Mundial de Superbike foi criado em 1988. Participam do campeonato as chamadas motos de produção, isto é, aquelas que qualquer pessoa pode encontrar e comprar em uma concessionária – diferentemente do que ocorre na MotoGP, em que as motos são protótipos. Nesses 24 anos de competição, o Mundial de SuperBike tem atraído cada vez mais fabricantes, pilotos, equipes, publico e imprensa.

Para se ter uma ideia da grandeza do evento, confira abaixo os números do WSBK: mais de 1 milhão de pessoas presentes nos autódromos ao longo do ano; 80 equipes e mais de 120 pilotos divididos em quatro categorias (SuperBike, SuperSport, SuperStock (1.000cc) e SuperStock (600cc); mais de 3.700 horas de cobertura de TV; mais de 2 bilhões de telespectadores mundo afora – no Brasil, é transmitido pelos canais Speed, ESPN e Band Sports; 14 etapas em 2012, sendo dez para as categorias SuperStock 1.000cc e 600cc.

Perfil dos pilotos – Heber Pedrosa

Piloto profissional de motovelocidade há apenas dois anos, o paulista de Atibaia, Heber Pedrosa é mais uma dessas jovens revelações do esporte brasileiro. Em sua primeira temporada na motovelocidade , em 2009, na categoria Stock, Pedrosa surpreendeu e se sagrou campeão. Já no ano seguinte, mantendo o mesmo desempenho que fez com que conquistasse o título, o piloto foi convidado para a categoria Pro, a que tem as motos mais potentes do campeonato. Em 2011, ele venceu duas das 14 etapas do campeonato e ficou entre os seis melhores do SBK Series, entre mais de 30 pilotos. Agora, em 2012, Pedrosa segue confiante para o Mundial de SuperStock.

Perfil dos pilotos – Philippe Thiriet

Philippe Thiriet: o mineiro tem grande experiência internacional

Philippe Thiriet: o mineiro tem grande experiência internacional

Nascido em Belo Horizonte, Philippe Thiriet foi o primeiro piloto mineiro a participar de etapas do Mundial de SuperStock 1.000cc. Com vasta experiência internacional – disputou campeonatos na Europa em 2009 e 2010 –, Thiriet tem resultados expressivos no Brasil, como dois vice-campeonatos nacionais na categoria 125cc, poles e vitórias nas categorias 500cc e 600 SuperSport, piloto mais jovem a ficar entre os Top-10 da SuperBike. Além disso, conta com conquistas fora da motovelocidade: bicampeão mineiro e vice-campeão brasileiro de Supermoto, categoria SM2, bem como títulos no motocross infantil.

Apoio

Essa iniciativa inédita da equipe Team Brazil conta com o apoio oficial da Confederação Brasileira de Motociclismo (CBM), bem como da MT Capacetes e Botas Sidi. O projeto é de longo prazo e só foi possível graças a Treetech Sistemas Digitais, uma empresa especializada em tecnologia e monitoramento na gestão de energia elétrica, que presta serviço para as principais empresas de energia do Brasil, além de estar presente em países como Portugal, Rússia, França e Itália. Além de criar a possibilidade do intercâmbio na motovelocidade entre o Brasil e a Europa o projeto visa o desenvolvimento técnico dos pilotos brasileiros e aperfeiçoar a pilotagem, elevando assim o nível da motovelocidade nacional.