Dificuldade do percurso exige bom equipamento de aferição

Percurso arenoso será o “mais difícil da história” do Sertões

Dificuldade do percurso exige bom equipamento de aferição

Dificuldade do percurso exige bom equipamento de aferição

A edição de 20 anos do Rally dos Sertões será a mais especial desde a sua primeira realização, em 1993. A julgar pelo trabalho de levantamento do roteiro, capitaneado por Du Sachs, diretor técnico da Dunas Race, organizadora do evento, pilotos, navegadores e equipes já podem começar a se preocupar. “Sem dúvida este vai ser o rali mais duro e técnico de toda a história do Sertões”, apontou.

Segundo Sachs, a prova que acontece de 18 a 29 de agosto, saindo de São Luís (MA) até Fortaleza (CE), exigirá grande resistência dos veículos de competição, e principalmente o físico dos competidores. “Há 12 anos eu faço o levantamento de roteiro do Sertões. Este ano foi o que mais senti, fisicamente, o trabalho. Com um carro normal, com pouca preparação, fizemos os dez dias de competição em 19 dias, mais pausadamente, para ir conferindo e anotando a planilha”, explicou o diretor técnico, que utilizou uma Mitsubishi L200 Triton com diversos equipamentos de navegação. “Felizmente o carro se comportou muito bem. Não tivemos nenhum tipo de problema mecânico, e quando iniciamos o levantamento ele tinha 4,5 mil quilômetros rodados. O devolvemos em São Luís com 12 mil”, observou.
Toda a dificuldade da edição de 20 anos do Sertões se deve ao tipo de percurso escolhido para este ano. “Cerca de 80% do roteiro será composto por terrenos arenosos, e isso vai ser o grande diferencial da prova, já que as regiões que escolhemos nos levaram a estas areias”, lembrou.

Todo o esquema para garantir maior segurança para os competidores também foi melhorado. Neste ano, a equipe médica chefiada pelo Dr. Clemar Correa terá oito médicos e 12 paramédicos, que contarão com dois helicópteros-UTI, mais duas aeronaves que sobrevoam o percurso da etapa, além de um helicóptero de filmagem, que também entra no circuito de comunicação com a organização em caso de acidente na prova

Depois dos levantamentos aéreo e terrestre, e das conferências feitas também pelas duas vias, é hora da confecção das planilhas das etapas. Porém, Sachs já pôde adiantar alguns detalhes das etapas. “A prova é completa. O percurso terá cerca de cinco mil quilômetros, e além disso teremos duas etapas maratona (na qual as equipes não podem fazer manutenção nos veículos, somente os pilotos e navegadores, e durante um período de meia hora dentro do parque fechado), ao contrário dos anos anteriores, em que fazíamos apenas uma”, revelou. Anteriormente, havia sido levantada a possibilidade da realização de três etapas maratona, mas a hipótese foi descartada por questões logísticas.

Uma grande característica do maior rali do mundo disputado dentro de um único território são as paisagens, suas estonteantes belezas naturais. Sachs também aposta nisso para tornar a edição de 20 anos do Rally dos Sertões ainda mais marcante. “Vai ser o mais bonito de todos, visualmente. Os competidores irão pegar muita seca, mas muitas mudanças de paisagens, com dunas, savanas, trechos extremamente áridos. E a somatória de dificuldade, mais o tamanho do percurso e os 80% de areia irão fazer deste o Sertões mais duro da história”, prevê.
As cidades pelas quais o evento irá passar, bem como a data para o briefing com pilotos e equipes, serão divulgados em breve.

Inscrições – As inscrições para a edição de 20 anos do Rally dos Sertões podem ser feitas até o dia 20/07 pelo site oficial do evento (www.sertoes.com). Mais informações na Secretaria de Prova, pelo telefone (11) 4191-0133.