Foto: Mito das listas no pneu - Bitenca

Pneus em mito de Internet – Macarrão no pneu – Equilibrio nas alturas – Moto visada, como saber – Essa é para pensar.

Foto: Mito das listas no pneu - Bitenca

Foto: Mito das listas no pneu - Bitenca

Olá Bitenca, está rolando na internet um PPS sobre a validade dos pneus e o significado das listras que vem neles. Onde cada cor designa um defeito de fabricação diferênte como os pneus que vendem em supermercados! Gostaria de saber sobres os cuidados na hora da compra de comprar um pneu ZERO para não levar um pneu vencido ou defeituoso ou segunda linha! Sds… Marcelo! 27, Petropolis, RJ.

R: Marcelo isso não tem fundamento. Os riscos paralelos do centro da banda de rodagem, podem ser de várias cores. Eles têm a função de identificar as medidas dos pneus e data de fabricação, de forma mais rápida do que as inscrições na lateral, evitando desta forma a mistura de pneus de medidas diferentes, no armazém ou durante o carregamento para as revendas, seja em equipamento original ou exportação.
Vale lembrar que a maioria dos pneus possuem 5 anos de garantia, contados a partir de sua data de fabricação, devidamente comprovada por uma inscrição na lateral. Há uma correspondência dessa garantia em relação à estabilidade da borracha que pode ressecar depois desse tempo e prejudicar a aderência ou a resistência do pneu. Procure então pneus com data de fabricação mais recente possível. Abraços.


Bom Dia amigos, Gostaria de saber qual o modo correto para conserto de um pneu sem câmara atingido por prego. Motivo: Tive que trocar o pneu de minha moto, devido o mesmo ter apresentado um calo enorme. Levei o pneu usado para uma revenda de pneus indicada pelo fabricante para vistoria. Como o sistema estava fora do ar e precisaria dele para dar entrada no pneu, após dar uma olhada o examinor disse: “…É perda de tempo vistoriar esse pneu, pois estou vendo que tem um conserto com “macarrão” e isso quebrou a estrutura do pneu…”. Eu disse a ele que já fiz o mesmo procedimento com o pneu de uma twister e não tive problema algum. Fiquei encucado e no fim
>> de tudo o pneu tá aqui em casa e não sei o que fazer…Descarto? Um abraço!!! Ricardo, 42, Recife, PE.

Foto: Yamaha Belt Drive - Divulgação

Foto: Yamaha Belt Drive - Divulgação

R: Em princípio, não há nada de errado com o conserto do seu pneu, Ricardo. O que acontece é que dependendo da região e da forma em que o plug foi inserido a estrutura pode ter sido afetada e o plug pode sair numa situação de alta velocidade, depende de uma verificação. Para uma Twister esse procedimento, se bem executado num furo fora das bandas laterais do pneu pode ficar bom e permite o uso normal até o fim da vida útil do pneu. Você pode procurar uma segunda opinião, de quem possa analisar o estado do pneu e que não seja uma revenda, claramente suspeita no seu julgamento. Boa sorte.


Tenho 1,65 de altura e quero sair de uma Drag Star para as 4 cilindros. Meu desejo é a Bandit 650 N, mas a altura dela, embora seja a mais baixa das 600/650 me assusta um pouco. Voce acha que minha estatura compromete a segurança? Quais as regulagens possíveis – seguras – que a Bandit 650 N oferece? Aceito sugestões. Gostaria, por favor, que a resposta fosse enviada para meu email.
Obrigado e parabens pelas instrutivas e úteis matérias. Marcelo, 50, Belo Horizonte, MG.

R: Marcelo, a altura da moto e estatura do piloto é um ponto importante enquanto você está parado num farol, ou tem que manobrar a moto em um
estacionamento ou coisa assim. Momentos em que o contato dos pés do piloto no solo é importante. Fora isso, os pés devem estar sempre nas pedaleiras e dessa forma, se você apóia os pés no chão é irrelevante.
Desenvolva técnicas para compensar a sua menor estatura para manobrar a moto naquelas situações, de resto treine o equilíbrio e técnicas de frenagem e curvas em velocidade extremamente baixa. Essa é a mentalidade correta de um bom piloto. Os pés vão ao chão somente em último caso, isto é: parado ou manobrando a moto.
Abraços.


Boa noite! Sou leitor e admirador do site a tempos e hoje estou em uma grande dúvida e porque não perguntar a vcs, que passam o dia com as motos! Sou apaixonado por motos (todos os estilos acimas de 599cc) e gosto de andar tanto na cidade como viajar ou andar pelas estradas sem destino. Tenho hoje uma Kawa 750z… Mas ela está parecendo hornet, na questão de interesse a bandidos. Ainda estou em fase de namoro com a moto, 7 meses, mas já estou pensando em troca-la porque não ando seguro com ela. Gostaria de umas sugestões de motos com design “invocado” para que possa rodar bastante com ela.Pensei na HD XR1200X e Ducati Monster 796, mas não sei como é o indice de roubo delas. Mas aceito outras sugestões. Muito obrigado! Caio, 25, São Paulo, SP.

Caio, como você sabe não indicamos motos mas uma boa maneira de verificar é pela relação entre o preço de mercado e o valor médio do seguro. Se você dividir o valor da moto pelo valor do seguro, você pode ter um número fácil de comparar pois as seguradoras avaliam esse índice justamente pelo risco de roubo ou acidentes, que andam sempre juntos. Outra maneira mais intuitiva é procurar por modelos mais raros, que portanto tem menos procura de peças. Abraços


E ai Bitenca! Essa é pra pensar bem… É o seguinte: tem como colocar ou adaptar o sistema de transmissão final do tipo “correia dentada”, numa Honda Biz 125cc KS? Tendo em vista que hoje temos tecnologias como kevlar, fibra de carbono, e outros, acho que ficaria muito interessante dar esse capricho numa Biz 125. E ai? O que voce acha?? Abraços! Luis, 36, Rio Grande, RS.

Então Luis, o possível nem sempre é viável.
Se você tiver todos os recursos para desenvolver esse projeto, até que é possível, mas você vai ter que gastar muitos recursos em cálculos e pesquisa para avaliar o tipo de correia, polias e desenho de todas as peças necessárias a essa adaptação levando em conta o espaço disponível sem tirar o alinhamento da moto. Acho bastante complicado, possível apenas a uma fábrica ou grande oficina com uma central de usinagem e um bom engenheiro que saiba projetar e executar todas as peças necessárias. Um desafio e tanto, abraços.