Pro Tork Racing Team presente em dois duelos do Brasileiro de MX

A equipe da f brica paranaense de pe‡as e acess¢rios para motos disputou as baterias da primeira etapa do Brasileiro de Motocross; as provas aconteceram neste domingo em Indaiatuba

Indaiatuba (SP) – A Pro Tork Racing Team participou de dois grandes pegas desta etapa de abertura do Campeonato Brasileiro de Motocross. Milton Becker Chumbinho e JoÆo Paulino Marronzinho, respectivamente na MX3 e MX1, representaram a equipe em duas das disputas deste domingo. As provas aconteceram em Indaiatuba, interior de SÆo Paulo e tiveram a presen‡a dos outros pilotos do time: Paulinho Stedile e Rafael Zenni pela MX2, Rafael Faria pela MXJr e Douglas Santos, que corre na 85cc. Nico Rocha est  lesionado e nÆo competiu.

Milton Becker Chumbinho foi um dos protagonistas de uma corrida emocionante. Pela MX3, ele largou na terceira posi‡Æo e liderou grande parte da bateria. Em sua £ltima volta, foi ultrapassado por Jorge Negretti, terminando assim com a prata da competi‡Æo. “A cabei por cometer dois erros no final, quando fui acertar a minha posi‡Æo no banco da moto. Isso foi fatal na corrida”, comentou.

J  na MX1, a briga ficou entre JoÆo Paulino Marronzinho e Wellington Garcia. “Eu achei a corrida ¢tima. Larguei mal e me recuperei com o tempo da corrida. Mais ou menos no meio da prova, eu cansei pois ainda nÆo estou completamente adaptado com a minha moto. Terminei como vice, mas fiquei bastante satisfeito por ter conseguido acompanhar o ritmo do Wellington, que treina aqui em Indaiatuba e conhece muito bem a pista”, comentou Marronzinho.

Na categoria MX2, Paulinho Stedile fez o seu retorno. Logo no in¡cio da bateria, o piloto paranaense errou o ponto de freada e acabou prejudicado. “Eu estava nervoso, acabei errando e quando a moto voltou ao chÆo, o impacto me fez sentir a coluna. Na hora me faltou um pouco o ar, a visÆo escureceu e resolvi parar”, disse Stedile que ficou fora das pistas ap¢s o grave acidente que sofreu na etapa de abertura do ArenaCross, em 2004. Na mesma categoria, Rafael Zenni teve problemas na moto e nÆo completou a prova.

Rafael Faria se posicionou no gate de largada como l¡der da prova, por ter sido o piloto mais r pido nos treinos de ontem. Mas, pela manhÆ, durante o warm up, ele sofreu uma queda e machucou o pulso. Mesmo prejudicado devido a lesÆo, Rafael largou buscando pontuar no campeonato. A dificuldade em pilotar com o pulso machucado fez com que ele abandonasse a prova logo no in¡cio. Douglas Santos, o mais jovem piloto da Pro Tork Racing Team, terminou a bateria com a 13a posi‡Æo da categoria 85cc e Nico Rocha nÆo participou devido a lesÆo na coluna que sofreu duas semanas atr s.

TR50F para adultos – A nova categoria do Campeonato Brasileiro de Motocross atraiu a aten‡Æo do p£blico, que nÆo tirou os olhos da pista. Ap¢s todas as disputas, o circuito foi invadido por 27 exemplares da TR50F, minimoto da Pro Tork. Entre os pilotos, todos adultos, o vitorioso foi Paulinho Stedile, integrante da Pro Tork Racing Team. “Essa nova categoria foi muito legal. E ainda sa¡ como vencedor, mais legal ainda. Fico muito feliz”, disse Stedile. JoÆo Paulino Marronzinho tamb‚m participou da “brincadeira”. “Muito legal essa prova. Eu ca¡ para tr s na largada, fui me recuperando e fechei em terceiro. Posso dizer que eu descansei na TR, foi uma prova muito divertida”, comentou. O diretor de marketing da Tork, Marlon Bonilha, tamb‚m entrou na briga. Ele finalizou em 20o lugar, ap¢s ter um dos pneus furados. Com a 23a posi‡Æo, ficou Milton Becker Chumbinho, tamb‚m piloto da Pro Tork Racing Team.

Show a parte – Ap¢s toda a ansiedade pelos resultados da competi‡Æo, a Pro Tork Alto Giro Show chegou para animar o pessoal presente. No box da Pro Tork, o grupo que realiza loucuras sobre duas rodas montou toda a sua estrutura e fez uma apresenta‡Æo mais do que animada. Os pilotos Gustavo Silva, Carlos Francisco Pereira, o Fil, Ivan Toffoli e Andr‚ Dal Posso, o BodÆo realizaram manobras com suas motos sob a locu‡Æo de der Scarso, locutor oficial da equipe.