Projeto de Lei que proibe corredor - Parte 2

Projeto de Lei que proibe corredor – Parte 2

Projeto de Lei que proibe corredor - Parte 2

No Brasil, os legisladores optam sempre pelo proibir, ao invés de procurar soluções, como a concientização. Sou motociclista, habilitado em 1982. Nunca fiz nenhum curso de reciclagem ou de pilotagem! Nunca fui convidado a participar de palestras sobre o transito. Aí, aparece um gênio que achou a solução. Proibir as motos nos corredores. Ao invés de morrer por que um motorista desatento ou ao celular (já levei inumeras fechadas por esse motivo) trocou de faixa repentinamente, os motociclistas morreram prensados ou estatelados atras de um automovel. É obvio que existem milhares (muitos milhares) de motociclistas irresponsaveis. É lógico que algo deve ser feito para acabar com a carnificina que o transito brasileiro se transformou. Mas por que não começar educando, incentivando o uso de equipamentos de segurança, criando uma habilitação especial para quem utiliza a moto como ferramenta de trabalho, punindo os motoristas que falam ao celular dirigindo, que trocam de faixa sem sinalizar??? Dizem que não multam os faladores ao celular pois eles entram com recurso e não há como provar que eles estava ao celular, pois fica a palavra do guarda contra a do motorista. Ora, é só obrigar as operadoras a fornecer um extrato comprovando que o motorista no horario da multa estava realmente recebendo/efetuando uma ligação ou inverter o onus da prova, obrigando o motorista a apresentar este extrato no recurso contra a multa. Já existem estudos que comprovam que falar ao celular é igual dirigir bebado !!!! Um dia destes tomei uma fechada que quase me levou ao chão. Logico que xinguei. O motorista parou e começou a discutir dizendo que estava atendendo à um paciente. Se um médico, que deveria prezar pela saúde dos outros, defende-se com um argumento estúpido e imbecil destes, imaginem o restante dos motoristas. No transito atual, todos os lados estão errados. Eu, particularmente, trocarei minha moto por um carro, apesar da paixão por motos, a razão vai falar mais alto. Para que sofrer com chuva, poeira e um risco elevado de tombo, se posso ir dentro de um carro, com ar condicionado e som, gastando o mesmo tempo??? Aliás, comprarei um carro bem velhinho, pois aí não pago IPVA, não preciso fazer inspeção veicular, não corro o risco de roubo…… Rogerio Tofoli (45), São Paulo – SP

Pra variar gente que não conhece moto quer legislar sobre o assunto, e quem entende… cala a boca. Querem proibir motos pequenas de pegar estrada, querem proibir motos de circularem pelo corredor. Cadê as fábricas para brigarem pelos seus lucros? Cadê os sindicatos de motoboys para reclamarem os seus direitos? Cadê a mídia especializada que deveria fazer matérias e mais matérias sobre o assunto? Se o desejo é proibir, vamos proibir quem mata mais! Que se proiba os carros. Mas, ninguém fala em educação de base, pois estudar que é bom ninguém quer. A final quem sabe que o correto é trafegar na faixa da direita, que os espelhos e piscas são de suma importância para a seguraça de todos, que vias bem projetadas e conservadas salvam vidas e dimminuem o desgaste dos nossos veículos, que farol vermelho é para parar? Infelizmente no Brasil é sempre mais fácil proibir sem conhecimento de causa do que estudar um assunto a fundo e buscar soluções racionais, sensatas e duradour as. Mas, esse é o nosso país, local onde somos eleitores, pagadores de impostos e, ao mesmo tempo, somos nós mesmos a causa das nossas desgraças, seja a violência no trânsito, seja nos politicos corruptos que elegemos. Desculpem-me o desabafo, mas também sou vítima da falta de educação no trânsito, já tive ossos quebrados e muito prejuízos financeiros, mas não abro mão do meu prazer de andar de motocicleta. Eduardo Mammini (40), São Paulo – SP

Senhores gostaria de externar minha grande prepocupação com relação a esta lei absurda que tramita no senado e diz que motocicletas deverão andar atrás dos outros veículos e não mais nos corredores. A conta é bem simples. Pegue o número de carros que trafegam em cidades como São Paulo todos os dias e a este número some o número de motocicletas que nos corredores trafegam e o resultado é o caos nas grandes cidades. Uma motocicleta mede aproximadamente de 1,8 mts. a 2,mts. Mais os 3 mts. Que a lei diz que um veículo deve manter de distância do veículo que vai a sua frente, teremos 5,00 mts. De ocupação de espaço nas vias publicas por moto. Pior que isso, é o fator segurança. Com autos a sua frente, o motociclista fica a mercê de todo tipo de buracos ou imperfeições nas pistas (e em Ssão Paulo, eles não são poucos), já que os mesmos ficaram num ponto cego para o motociclista, e se a moto cair, vai ter um carro, caminhão ou ônibus vindo logo atrás dela. Outro perigo e talvez o maior deles é que aquelas pequenas colisões traseiras entre autos, que são insignificantes, é o tipo de acidente que mais leva motociclistas a óbito, já que para sua coluna não existe proteção alguma em um acidente como este. Afinal, é difícil enxergar o absurdo desta lei? Muito obrigado. Abraços, Marcos Novaes (50), Santo André – SP

O que os amigos do Motonline acham do projeto de lei que proíbe as motos de circularem entre os carros? Acham que essa lei vai funcionar, assim como a proibição em São Paulo de motos circularem na pista expressa das marginais? Edson França (45) São Paulo – SP

Blz galera acompanho o site a alguns anos, quando o prefeito de sp quiz proibir motos na marginal fui atraz e tal, agora quero ajuda de vcs oq posso fazer contra essa lei de não andar entre os carros…o cara que pensou nisso com certeza anda de helicoptero acima de todos, imaginem cada moto ocupando o lugar de um carro na hora do transito… hj msm eu estava de moto no corredor haviam tantas motos que não passava de 20 km hr… Thiago (23) Guarulhos, SP

Ontem, dia 22/04/2009, foi um bom dia para os motociclistas. O Projeto de Lei 2650/03, que proibia a circulação de motos por entre os carros, foi derrubado por meio de um recurso na Câmara dos Deputados. O parlamentar Jair Bolsonaro (PP-RJ), junto com o deputado federal Willian Woo (PSDB-SP), recolheram 90 assinaturas para fazer com que o projeto tenha de ser apresentado no plenário da Câmara antes de ir para o Senado. Ou seja, o projeto voltou para o Limbo de onde nunca deveria ter saído. Agora podemos respirar mais aliviados, pois continuaremos a poder andar entre os carros, como sempre. Philipe Garcia (26) Brasília -DF