Foto: COPYRIGHT GIZMAG (c) 2008

Protótipo Honda de 110cc PGM-FI e 160 km/h

Foto: COPYRIGHT GIZMAG (c) 2008

Foto: COPYRIGHT GIZMAG (c) 2008

A injeção de combustível chegou a duas rodas com o lançamento da Honda CX500 Turbo de um quarto de século atrás, e a mesma Honda tem desenvolvido os mais inteligentes e mais intrincados sistemas de injeção de combustível controlados por computador nos seus veículos de duas rodas desde então.

Atualmente a avançada tecnologia PGM-FI (Programado Fuel Injection) está embarcada em toda a gama de scooters 50cc até as maquinas de MotoGP, oferecendo potência de modo mais amplo e mais suave, melhores respostas ao acelerador, e um consumo muito reduzido aliado às baixas taxas de emissões. Um protótipo vem sendo exibido calmamente na Ásia, que poderemos ter, num futuro próximo, scooters muito rápidos.

O mercado tailandês de motocicletas vende mais a cada ano, feito o mercado americano – apesar de uma enorme quebra nas vendas de alguns anos para trás, o mercado ainda será superior 1,65 milhões de unidades este ano e 1,15 milhões destes serão da Honda.

A participação da Honda na Tailândia está promovendo um crescimento tecnológico, em especial pelos benefícios do desenvolvimento da PGM-FI: economia de combustível, menores emissões de gases poluente e um melhor desempenho do motor.

Foto: COPYRIGHT GIZMAG (c) 2008

Foto: COPYRIGHT GIZMAG (c) 2008

Há poucas semanas passadas, ela introduziu o CZ-i 110 injetado sob um produto vencedor em um período de três anos, com o objetivo de se tornar ‘a empresa número um e mais admirada que está na vanguarda da questão ambiental.’

Parte integrante da concretização deste objetivo é uma política onde todas as motocicletas produzidas e vendidas na Tailândia serão equipadas com a tecnologia PGM-FI. PGM-FI é controlada por uma unidade eletrônica chamada de ‘Engine Control Unit'(ECU) que funciona em conjunto com outras tecnologias avançadas como injeção de combustível, bomba de combustível, acelerador de corpo tipo Idle Air Control Valve (IACV), Offset, Heaterless sensor de oxigênio e de catalisador de colméia moldada com mais de 300 células.

Tal como um novo produto emblemático, o CZ-I de 110 cc e 4 tempos certamente parece ser beneficiado com o novo sistema, e quando testado sob condições no molde ECE 40, essa configuração proporciona baixo consumo de combustível como algo em torno de 57 km / litro, com uma economia de combustível de 18% em relação ao antigo modelo 100 cc. Será que os motociclistas medidores de consumo de combustível ficarão fora de moda?

Não é tudo, ainda temos um aumento significativo do torque em toda a gama e uma melhora no pico de torque de até 25%. Fora tudo isso, ele pode até rodar com combustível E20 (uma mistura de etanol 20 por cento). Emissões apropriadas, no que se refere a um quinto do Nível 5 e metade do Nível 6. A fim de ultrapassar os receios dessa tecnologia excessivamente complexa dentro desse mercado emergente, o sistema PGM-FI e todos os seus componentes serão vendidos com cinco anos ou 50000 km de garantia, e a Honda ainda criou cerca de 1500 centros de serviço e 6000 postos de curta reparação e manutenção para assegurar que a tecnologia PGM-FI é totalmente amparada.

Mas o que acontece quando tecnologia PGM-FI patenteada da Honda é aplicada visando o desenvolvimento de mais cavalos? Aparentemente a Honda Japão veio para fazer exatamente isso quando apresentou um protótipo, fotografado recentemente em um centro comercial na zona rural da Tailândia.

Com base nesse novo CZ-I de 110 cc e 4 tempos, um moto ainda sem nome definido, saiu dos laboratórios da Honda, desenvolvendo uma velocidade máxima aproxima de 160 km/h e cheia de benefícios como garfos invertidos, grandes discos, um monoshock traseiro, acabamento em fibra de carbono, e uma aparência de ‘virar o pescoço’ de quem o vê.

Não há informações exatas de quando estarão disponíveis para o consumidor, mas nós conseguimos confirmar que veio da Honda Japão, e é sem dúvida a cara do consumidor local.

Para mim, isso significou muito mais. Eu era um dos jornalistas que participou da primeira mostra da Honda CX500 Turbo no Japão, em 1982, pilotando na pista da Honda em Tochigi sob altas velocidades durante o dia e debatendo com muito saque durante a noite, se a turbo alimentação e a injeção e combustível seria aplicável ao quotidiano das motocicletas.

Sabíamos que tínhamos alcançado altas velocidades, exatamente acelerando a Honda CX500 Turbo, porem com os maiores pilotos de teste internacionais cheios de duvidas.

Nós percorremos um longo caminho desde então.

* tradução de João Tadeu Boccoli, autorizada pela GIZMAG.