Queda do dólar ajuda custos das montadoras

A queda do d¢lar agradou a ind£stria automobil¡stica e motociclistica, setores altamente dependentes de importa‡äes de mat‚rias-primas cotadas na moeda estrangeira.

Mas, segundo o presidente da Associa‡Æo Nacional dos Fabricantes de Ve¡culos- Anfavea, Ricardo Carvalho, se a queda se confirmar como tendˆncia, os contratos deverÆo ser revistos caso a cota‡Æo fique abaixo de R$ 3. “NÆo percebemos ainda se isso ‚ uma tendˆncia”, disse Carvalho. A Anfavea mant‚m a previsÆo de exportar neste ano o equivalente a US$ 4,8 bilhäes, o que representar  um crescimento de 20% na compara‡Æo com 2002.

O acumulado do que foi embarcado pelo setor no primeiro trimestre- US$ 1,72 bilhÆo- representou crescimento de 43,8% em rela‡Æo ao mesmo per¡odo de 2002. Apenas em mar‡o, as exporta‡äes da ind£stria automobil¡stica somaram US$ 426,8 milhäes, um aumento de 15% em rela‡Æo …s de fevereiro e de 43,9% na compara‡Æo com mar‡o do ano passado.
A GM tem 30% dos custos formados por produtos importados. “O d¢lar mais baixo ajuda na redu‡Æo de custos”, explica o vice-presidente e diretor de com‚rcio exterior da montadora, Jos‚ Carlos Pinheiro Neto. A GM mant‚m expectativa de atingir neste ano seu recorde de exporta‡äes, que somar  perto de US$ 1,2 bilhÆo, cerca de 20% mais do que em 2002.

A ind£stria automobil¡stica est  muito mais preocupada com a estagna‡Æo do mercado interno do que com o efeito das oscila‡äes do d¢lar nas exporta‡äes. “NÆo estamos visualizando nenhuma melhora no mercado interno e embora a exporta‡Æo seja a grande sa¡da, precisamos dos volumes internos”, destaca Carvalho.

A produ‡Æo de 444,5 mil ve¡culos no primeiro trimestre foi 10,5% maior que em igual per¡odo do ano passado. A exporta‡Æo mais alta foi a respons vel pela eleva‡Æo, j  que no mercado interno, o n£mero de ve¡culos licenciados – 332,4 mil – caiu 1,1%. A queda de demanda tamb‚m se refletiu no estoque de ve¡culos nos p tios da ind£stria e rede de concession rios. No fim do mar‡o, o setor contava com quantidade de ve¡culos em estoque suficiente para 44 dias de vendas, o que soma 152,2 mil unidades.

Para adequar o estoque, a Volkswagen reduziu o ritmo de produ‡Æo na linha de montagem do Polo, em SÆo Bernardo. Segundo informa‡äes da comissÆo de trabalhadores, nos £ltimos dias, o modelo foi produzido em apenas um turno, o que representou a queda da m‚dia di ria de 410 para 280 unidades.

“Os resultados de mar‡o, principalmente os de vendas internas, sÆo ruins e se inserem em um contexto cr¡tico que o setor tem vivido nos £ltimos anos e que se agravou no per¡odo recente”, disse o presidente da Anfavea durante apresenta‡Æo dos resultado.