Foto: Motocicleta Honda CRF 450X de José Hélio passa por ajustes finais

Rally Dakar exige pleno conhecimento dos pilotos na parte mecânica

Foto: Motocicleta Honda CRF 450X de José Hélio passa por ajustes finais

Foto: Motocicleta Honda CRF 450X de José Hélio passa por ajustes finais

Para não ficar pelo caminho, é preciso saber lidar com possíveis quebras; José Hélio, que encara o desafio entre as motos, já ganhou título por conta desta habilidade

Muito mais do que domínio em pilotagem e navegação, o Rally Dakar exige pleno conhecimento dos competidores na parte mecânica. Afinal, a corrida mais tradicional do calendário é conhecida por longas distâncias (a edição 2009 inclui 9500 quilômetros, sendo 5650 kmde especiais), que passam por lugare s de difícil acesso. Isto significa que é muito provável que o piloto tenha de efetuar consertos nos equipamentos, caso não queira ficar pelo caminho. “Já ganhei um título do Rally dos Sertões por conta disso”, revelou José Hélio, que estréia no Dakar com uma motocicleta Honda CRF 450X. O evento tem início no dia 3 de janeiro, em Buenos Aires, Argentina – mesmo ponto da chegada, no dia 17 de mesmo mês.

Tetracampeão do maior rali das Américas, o paulista José Hélio recorda-se de quando venceu na última especial do evento de 2003, após a sua motocicleta ter afundado em um rio. “O motor encheu de água e eu, por conhecer bastante o equipamento, consegui resolver o problema em cinco minutos. Destravei o calço hidráulico e tirei a água do motor utilizando as minhas técnicas secretas”, disse o piloto, com bom humor.

Inscrito na categoria 450cc Extreme do Dakar, José Hélio conhece profundamente a motocicleta Honda. “É uma moto semelhante a que eu usei na conquista do tetra do Sertões (em 2008). Sempre tive interesse pela manutenção dos equipamentos e, fora das corridas, vivo montando e desmontando as motocicletas. Isso faz com que eu conheça cada fio, cada ligação. Fico bem à vontade para resolver alguns problemas elétricos, que são bastante comuns, e para trocar suspensão”, continuou José Hélio.

Por isso, alguns itens são fundamentais para encarar as trilhas. “Carrego no mínimo um fusível e uma câmara de ar com as espátulas, para trocar pneu”, concluiu o piloto, que conta com o patrocínio da Honda do Brasil, ASW e Flash Power.

José Hélio viaja para Buenos Aires no próximo dia 27. O Rally Dakar, cuja primeira edição foi em 1977, contará em 2009 com a participação d e 530 competidores, sendo 230 motos, 30 quadriciclos, 188 carros e 82 caminhões de 49 países.

No percurso, os competidores passarão por dunas e montanhas, além de atravessar locais como as planícies da Patagônia, o deserto do Atacama e a Cordilheira dos Andes.