Rally dos amigos fecha a temporada do cross country em Itatinga

Prova realizada no interior de SÆo Paulo definiu os campeäes do ano e teve disputadas muito apertadas.

Terminou neste s bado (2), em Itatinga (SP), a temporada do Campeonato Brasileiro de Rally Cross Country. O torneio, formado por seis etapas ao longo do ano, foi encerrado com o tradicional Rally dos Amigos, o evento mais forte do calend rio, que al‚m da boa lista de inscritos trouxe tamb‚m disputas das mais interessantes e t¡tulos decididos nos £ltimos metros da especial. Para se ter uma id‚ia do alto n¡vel de competitividade, a margem da vit¢ria de Maur¡cio Neves sobre Felipe Bibas nos carros foi de meros dezoito segundos.

De acordo com os resultados extra-oficiais, Maur¡cio Neves conquista o t¡tulo na classe Super Production Diesel superando o antigo l¡der e principal favorito Murilo Serrano. Festa tamb‚m na equipe Mitsubishi. O time levou os campeonatos da Geral, com Guilherme Spinelli, e da Prot¢tipo, com Ingo Hoffmann, o maior vencedor da hist¢ria da Stock Car, que vai ganhando cada vez mais espa‡o nas competi‡äes off road. Outra briga que nÆo trouxe surpresas foi nos caminhäes. O campeÆo do Rally Internacional dos Sertäes, Amable Barrasa, garantiu a ta‡a sem sustos.

Entre as motos, a vit¢ria na especial foi apertada, mas ficou com Roosevelt Freitas, que bateu Juca Bala por apenas 55 segundos. O que atrapalhou os planos do segundo colocado foi um tombo durante a especial, que lhe roubou alguns segundos, depois de se enroscar em um galho. “Foi uma prova muito veloz, com piso bom, mas o excesso de galhos na trilha representou a maior dificuldade deste rali, me atrapalhando bastante”, lamentou o piloto. Outro ponto que mereceu aten‡Æo de alguns competidores foi o consumo de combust¡vel.

Apesar dos dois abastecimentos colocados ao longo dos 154 km da especial, houve registros de pilotos que chegaram ao fim da prova com o tanque praticamente seco, em razÆo da alta velocidade na especial, praticamente toda formada por piso de areia. Mesmo assim, eles elogiaram bastante a seguran‡a do evento, muito bem sinalizado por meio de placas ao longo de toda a extensÆo percorrida. “Os competidores nÆo andavam nem quinhentos metros sem uma placa indicando a dire‡Æo”, afirmou Edu Sachs, respons vel pelo levantamento. Nos quadriciclos, Robert Nahas levou a melhor.

Foram apenas dois dias de programa‡Æo oficial, entre inscri‡äes, vistorias t‚cnicas e provas, mas o trabalho na nona edi‡Æo do Rally dos Amigos levou mais tempo. A equipe de produ‡Æo local (coordenada por Carlos Crespo, Daniel Gustavo e Luiz Ricardo Quesada) levou quinze dias na montagem do centro esportivo que serviu de concentra‡Æo para todos os ve¡culos. O levantamento dos trechos que seriam percorridos tomou quase um mˆs. O resultado foi uma prova que serviu de exemplo tanto na parte de estrutura quanto na parte t‚cnica.

Com mais de duzentos inscritos, o Rally dos Amigos confirmou a tradi‡Æo de ser a principal etapa do Campeonato Brasileiro de Rally Cross Country, atraindo competidores das partes mais distantes do Brasil e at‚ mesmo de fora do pa¡s. A lista inclui nomes que vieram do Uruguai e tamb‚m da Argentina. No total, foram cerca de mil pessoas diretamente envolvidas no Rally dos Amigos, incluindo na contagem todos os profissionais deslocados para o evento e as equipe locais. A prefeitura estima que a movimenta‡Æo financeira na cidade tenha superado os R$ 300 mil.