Foto: Tite

Razão e emoção

Foto: Tite

Foto: Tite

NÆo leve seus problemas para a moto, isso pode doer mais do que se pensa. Quem pilota moto geralmente conhece as regras b sicas de seguran‡a. Sabe que deve andar com os equipamentos, dirigir em velocidade compat¡vel com a situa‡Æo e manter a motocicleta em bom estado, atrav‚s de revisäes peri¢dicas. Mas, por muitos motivos, qualquer motociclista, por mais consciente que seja, nÆo est  livre de cometer uma imprudˆncia no trƒnsito.

Depois de fazer o mesmo trajeto, quatro vezes por dia, durante muito tempo, um motociclista j  tem todas as peculiaridades do percurso gravadas na mem¢ria. Ele conhece os buracos, sabe onde ficam os sem foros, tampas de bueiro, pontos de “nibus ou faixas de pedestre. Mas numa tarde, por exemplo, acontece um problema s‚rio no trabalho. Justamente nas £ltimas horas do expediente, enquanto tenta acertar a situa‡Æo com o chefe, a companhia de  guas e esgotos abre um novo buraco na avenida que o mesmo motociclista tem de percorrer. Terminado o trabalho, querendo chegar rapidamente em casa, ele liga a moto e acelera – com o motor ainda frio – at‚ o ponteiro do contagiros se aproximar da faixa vermelha. Sem perceber, come‡a a se vingar do chefe: atravessa um cruzamento sem parar, dribla um pedestre, costura dois carros, ajeita para a esquerda e… um a zero para a placa EM OBRAS.

Foi um dia at¡pico na vida deste motociclista. O problema foi no trabalho, podia ter ocorrido em qualquer outro lugar ou mesmo ser provocado por um momento de distra‡Æo. Mas pilotar uma moto ‚ algo que exige toda a aten‡Æo com o que se passa ao lado. Inclusive porque est  provado, pelos dados estat¡sticos dispon¡veis, que o motociclista pode ser um alvo f cil.

Outro motociclista exemplar, com os equipamentos de seguran‡a – capacete, luvas, botas, casaco de couro -, moto bem conservada, num s bado … noite vai buscar a namorada. S¢ no momento de tocar a campainha ele nota que est  atrasado. E o programa – ver uma pe‡a de teatro -, est  irremediavelmente perdido. Resultado: uma briga. E o motociclista volta para casa;sozinho.

Inconformado e desanimado, ele mal consegue girar o acelerador e dirige como se a moto parecesse conduzir a si pr¢pria no caminho de casa. Mas a m quina nÆo distingue o sinal vermelho do verde e continua a seguir quando um farol fecha. S¢ a buzina de ar comprimido de um caminhÆo vai acordar o motociclista.

Da mesma forma que no primeiro caso (quando a raiva pelo chefe levou o motociclista a cometer imprudˆncias no trƒnsito), neste exemplo foi a briga com a namorada, e a conseqente tristeza, que provocou uma distra‡Æo na maneira de pilotar. Qualquer pessoa que veja um motociclista dirigindo numa dessas situa‡äes, ou em muitas outras parecidas, sentencia:

– Esse est  pedindo.

No entanto, sÆo situa‡äes de que ningu‚m est  livre, pois sÆo geradas por problemas de ordem emocional, que podem surgir em casa, no trabalho ou no pr¢prio trƒnsito. O importante ‚ nÆo deixar que isto coloque em risco a seguran‡a do motociclista ou a de outras pessoas. A emo‡Æo nÆo pode sobrepor-se … necessidade de dirigir atentamente. Cada um tem um jeito especial para recuperar a tranqilidade, depois de enfrentar um problema qualquer. Mas isto tem que ser feito antes de se pegar a moto ou qualquer outro ve¡culo.

H  tamb‚m os problemas de falhas mecƒnicas, muitas vezes decorrentes da revisÆo irregular da moto. Um caso comum ‚ o daquele motociclista que cumpre expediente integral de trabalho, ‚ obrigado a almo‡ar rapidamente e mora longe do emprego. A¡, mesmo que ele note surgir um problema, como um cabo de freio solto, deixa o conserto para depois. Embora o problema persista, ele acaba deixando a solu‡Æo para o s bado, “para ver tudo direitinho, com mais tempo”. Uma sexta-feira de sol, por‚m, muda os planos. · noite, ele viaja para passar o fim de semana na praia. EntÆo, numa descida, antes duma curva mais fechada ‚ preciso realizar uma frenagem mais forte, e… cadˆ os freios?
Regular um cabo de freio, ou de embreagem, ‚ tarefa simples e deve ser feita sempre que a folga se tornar um pouco , maior do que a habitual. Mas se o motociclista nÆo quiser, ou nÆo souber, fazer a regulagem basta pedir a um amigo mais experiente ou passar em uma oficina.

Uma checada geral na moto uma vez por semana tamb‚m nÆo toma muito tempo. Boa parte dos motociclistas prefere eles mesmos lavar a moto no s bado, ou num feriado, para aproveitar e ir examinando toda a motocicleta. Mesmo diariamente ‚ poss¡vel ir conferindo se tudo est  em ordem. Depois de ligar a moto, enquanto se aquece o motor, pode-se dar uma olhada na tensÆo da corrente, verificar se todas as lƒmpadas estÆo acendendo, se o n¡vel da bateria est  correto e assim por diante. Caso se constate algo que nÆo esteja bem e nÆo seja poss¡vel fazer na hora ‚ importante tomar um cuidado extra e nÆo abusar do componente que nÆo esteja em ordem, al‚m de consert -lo o mais r pido poss¡vel.

Em todos os casos, na maneira de dirigir e de cuidar de sua moto, o motociclista sempre estar  demonstrando sua rela‡Æo com a pr¢pria vida. O mais importante, principalmente quando ocorre uma crise mais acentuada ou um momento mais cr¡tico -, ‚ ser capaz de identificar o que est  ocorrendo e como isso est  influenciando a sua forma de pilotar.

Claro que cada um tem rea‡äes muito particulares. Mas quando se percebe que fatores externos … pilotagem estÆo atuando, ‚ importante redobrar a aten‡Æo. Se a tendˆncia se manifestar em uma maior agressividade, ‚ bom diminuir a velocidade e pensar que a moto e os outros ve¡culos nÆo tˆm nada a ver com o problema que gerou a raiva.

 importante notar quando se est  ap tico, triste e, conseqentemente, mais distra¡do.  hora de se ligar mais no trƒnsito e, em vez de ficar pensando nos problemas pessoais, ‚ melhor olhar o que est  acontecendo … volta, identificar problemas potenciais e nÆo se deixar cair em ciladas que, normalmente, seriam evitadas com toda a facilidade.

Mesmo porque, um caso de desentendimento com o chefe, no escrit¢rio, dois dias depois pode estar completamente esquecido. Quanto … briga com a namorada, ao chegar em casa um simples telefonema pode resolver. Solu‡Æo bem mais complicada, por‚m, ser  necess ria para um acidente, se o motociclista resolver descontar com a (ou na) moto os problemas que surgem no seu cotidiano.