O navio voador que pousou em Camocim. Arquivo histórico da expedição.

Redescobrindo o Ceará – Camocim, a cidade dos ‘navios voadores’

Por do sol em Camocim (foto de Marcelo Lira)

Por do sol em Camocim (foto de Marcelo Lira)

Camocim, Ceará. Manhã de 13 de junho de 1931. Duas crianças, Artur Queirós e Ildemburgue, à época com seus 9 anos de idade, brincavam à Beira Mar de Camocim, quando um ‘pássaro’ enorme chega rugindo e vai descendo, descendo e toca a água. Os dois garotos que nunca tinham visto um avião sequer estavam testemunhando a amerissagem do maior hidroavião fabricado no mundo – O Dornier Do-X.

O navio voador que pousou em Camocim (arquivo histórico da expedição)

O navio voador que pousou em Camocim (arquivo histórico da expedição)

Sem fôlego e com os olhos esbugalhados, largaram a brincadeira e correram em direção a belonave que desceu sem comunicar nada a ninguém e lá ficou, parada, imóvel, até a tarde. Nada saia dela e ninguém ousava chegar perto.

Com asas enormes que dava para andar em cima delas e doze ‘cataventos’ o navio que ‘voava’ e que ‘veio do céu’ estava ali, parado bem em frente da Estação Ferroviária de Camocim. Até que à tarde apareceram os seus ocupantes e conversaram com os pescadores que começaram a levar galões e galões de gasolina para acalmar a fome devoradora do ‘monstro alado’ Do-X que queimava 400 galões por hora. Ildemburgue foi levado ao barco, junto com outras crianças, para ver de perto o navio-voador. Passado o medo, os barqueiros aproveitaram para faturar um a mais, pois cobravam uma pequena quantia para levar os curiosos para ver de perto o avião gigante.

O pequeno Ildemburgue nunca mais parou de falar do DO-X (arquivo histórico da expedição)

O pequeno Ildemburgue nunca mais parou de falar do DO-X (arquivo histórico da expedição)

Ildemburgue – nome parecido com o do dirigível chamado ‘Hindemburg’ – nunca mais parou de falar sobre aquele dia. O DO-X possuía doze motores, montados frente-costas sobre o centro das asas, acima, pesava 52 toneladas e foi construído na Alemanha, pelo Professor Claude Dornier, no estaleiro do Lago Constance. Fez seu primeiro voo de teste no dia 12 de julho de 1929 sobre o mesmo lago. Mais adiante, fez outro voo de uma hora: prova de fogo, em 21 de outubro de 1929, sobre o Lago Constance com 169 pessoas a bordo. Seu tanque de combustível, comportava 16.000 litros e veio parar em Camocim em razão de um cruzeiro mundial, iniciado em 5 de novembro de 1930. O avião tinha no seu interior – sala de estar, bar, restaurante e cabine com cama.

 

Praia Ilha do Amor

Praia Ilha do Amor

A notícia de que o Do-X estava no Brasil espalhou-se em poucas horas e, muitas pessoas em Fortaleza foram á Beira-Mar para esperar a passagem. Não aconteceu. No início da tarde, o DO-X deixou ás águas de Camocim e voou em direção à Natal e Rio de Janeiro para nunca mais voltar. Ao fim desta viagem o DO-X deixa de voar e fica em exposição no Museu de Berlim até ser destruído em 1943, por um bombardeio das forças aliadas contra a Alemanha de Hitler.

 

Por-do-sol em Camocim (foto de Marcelo Lira)

Por-do-sol em Camocim (foto de Marcelo Lira)

Camocim era, à época, um dos mais importantes interpostos comerciais da América do Sul por ser dotado de ferrovia e porto e bom calado e de águas calmas, perfeitas para inclusive receber o maior hidroavião do mundo. E essa foi a razão da escolha de Camocim, pela tripulação do DO-X, para que se fizesse uma escala técnica antes de chegar à Natal (RN).

Paisagens deslumbrantes

Vista do Porto de Camocim (foto de Rafael Lima)

Vista do Porto de Camocim (foto de Rafael Lima)

Camocim não é só história. Possuidor de uma das mais belas paisagens do Ceará, o município dista de Fortaleza 352 km em estradas que margeiam o litoral e que passa por Gijoca, portal de entrada para Jericoacoara, uma das dez prais mais belas do mundo.

Onde ir?

Onde ir?

No quesito ‘praias’ Camocim não deixa nada a desejar. A cidade faz parte da rota que abrange Jeri e Tatajuba, no Ceará; Delta do Parnaíba no Piauí e, Lençóis maranhenses, no Maranhão. A vocação de Camocim para a aviação se confirmou por ter dado ao mundo um dos maiores ases da aviação mundial, o aviador, engenheiro mecânico e aventureiro do ar Euclides Pinto Martins, nome também do aeroporto internacional do Ceará.

O aviador Pinto Martins e o petróleo brasileiro antes de Monteiro Lobato

Pinto Martins, Ás da aviação nacional e pioneiro na campanha sobre o petróleo

Pinto Martins, Ás da aviação nacional e pioneiro na campanha sobre o petróleo

Euclides Pinto Martins, foi protagonista de uma viagem começou em Nova Iorque, em novembro de 1922, e terminou no Rio de Janeiro, em fevereiro de 1923, após terem sido cobertos os 5.678 quilômetros do percurso em cem horas de voo. Antes de chegar ao Rio de Janeiro, Pinto Martins realizou o primeiro pouso internacional realizado no Brasil por uma aeronave motorizada vinda dos EUA. E Camocim foi ponto de parada do primeiro ‘navio voador’ antes da chegada do DO-X que chegaria alguns anos depois . Na realidade Pinto Martins era co-piloto mas lhe foi concedida a honra de assumir o controle da nave no espaço aéreo brasileiro por seu colega o piloto Walter Hilton.

Martins foi recebido pelo presidente Artur Bernardes e recebeu um prêmio de 200 contos de réis. De volta da Europa, foi ao Rio de Janeiro e iniciou negociações para explorar petróleo. Coincidência ou não, o fato é que um ano depois, no dia 12 de abril de 1924, Pinto Martins é encontrado morto após cometer suicídio. Até hoje o episódio deixa grandes desconfianças e incertezas. Monteiro Lobato, em seu livro “Escândalo do Petróleo” e o “Ferro”, seis anos depois, afirma que Pinto Martins fora vítima dos poderosos lobbies interessados em atrasar o desenvolvimento brasileiro. Ou seja: teria sido assassinado por defender, antes mesmo de Monteiro Lobato (preso por Getúlio Vargas), que havia petróleo no Brasil.

Homenagem da FAB a Pinto Martins em praça de Camocim

Homenagem da FAB a Pinto Martins em praça de Camocim

A homenagem dada a ele – o nome ao aeroporto de Fortaleza – é um pobre reconhecimento para o homem que na década de 1920 previu a importância econômica da ligação aérea regular entre os Estados Unidos e o Brasil e, junto com Monteiro Lobato, teve coragem de investir na exploração de petróleo, no Brasil, quando todos apontavam isso como uma loucura. Pinto Martins e Monteiro Lobato estavam certos.

Onde Ficar:

Hotel Ilha do Amor – Um Hotel com excelente localização na cidade de Camocim, com uma visão espetacular da ilha do amor e do rio Acaraú. Bons quartos e com boa acústica.

O que ver:
BARRA DOS REMÉDIOS – É uma das mais belas praias do litoral cearense. As águas do rio encontram o mar e, para deixar o cenário ainda mais paradisíaco, dunas se espalham por toda parte. Completamente deserta.

Restaurante 'O Euclides' e a pousada Ilha do Amor

Restaurante 'O Euclides' e a pousada Ilha do Amor

PASSEIO DE BUGUE – São três roteiros: até a Praia Tatajuba; até Jericoacoara; e sentido litoral oeste até Barra dos Remédios, onde o rio encontra o mar. Há parada na Praia do Maceió.

PRAIA DE TATAJUBA – Dunas, coqueiros e um mar verdinho, verdinho. Mais bacana aqui, no entanto, é a história: as dunas cobriram a maioria das casas da vila de pescadores e os moradores tiveram de reconstruir tudo.

PRAIA DO MACEIÓ – Vila de pescadores com dunas, coqueiros, pedras e longa faixa de areia. Acesso a partir do Lago Seco (ou pela areia, via Praia do Farol, para veículos 4×4)

O motocross, aliado ao Kite Surf fazem dessa viagem mais que um passeio

O motocross, aliado ao Kite Surf fazem dessa viagem mais que um passeio

PRAIA ILHA DO AMOR – Passa por área de mangue, por um berçário de cavalos-marinhos e faz pausa para banho. O passeio termina com a vista do pôr do sol na praia Ilha do Amor.

Uma dica para quem gosta de explorar de moto é fazer isso em uma moto trail. É comum ver trilheiros andando por estas belas paisagens. Se não dá pra ir numa trail, aproveite um passeio de Buggy. Imperdível.

Onde comer:

Recomendo o Restaurante e Pizzaria O EUCLIDES
Categoria do local: PIZZARIA e CHURRASCARIA
Tipo de serviço: A LA CARTE , POR QUILO e LANCHES
Dias de funcionamento: SEG – DOM
Horário de funcionamento: 9h até o último cliente
Especialidade da casa: PIZZAS , SUSHI, CHURRASCO E PIZZAS.

Apoio Cultural: Make Safe Alarmes Presenciais.

 



Motociclista desde os 18 anos. Jornalista e apaixonado por motos desde que nasceu.