Reposição peças, usar equipamento, pais não motociclistas, manutenção preventiva

Reposição peças, usar equipamento, pais não motociclistas, manutenção preventiva

Reposição peças, usar equipamento, pais não motociclistas, manutenção preventiva

Olá, perdi o parafuso e a arruela da queixeira do capacete Peels F-21. Sabe onde consigo um set com uns 5 de cada? Obrigado. Wuhegthon Paulo, Pedro Leopoldo, MG
-Paulo, aqui em Sampa City encontramos tudo na General Osório,vulgo GO. Tente no google. abraço e ande equipado.

Eu sempre tive muita vontade de fazer off-road, mas como cultura de muitos brasileiros, meus pais nunca permitiram. Vi uma oportunidade para comprar uma moto ($), mas para isso eu preciso mostrar para eles que o índice de acidentes nesse esporte é baixo e o risco de um acidente fatal (para um caso mais de passeio) é mínima. Mas ai é que tá…como mostrar isso a eles? Peço que se possível me mandem algo construtivo para mostrar a eles! E assim, terei o maior prazer de entrar neste mundo maravilhoso, que é o do motociclismo!! Ramon Alexandre Bezerra(20), Lauro de Freitas, BA
– Ramon, é difícil, mas lhe dou um exemplo: nosso JoãoTadeu com 37 anos de motociclismo, sem um só osso quebrado. E outra coisa meu amigo, você já faz parte desse mundo maravilhoso, porque você já é um apaixonado por motociclismo. Sei lá, bata um papo olho no olho, mostre maturidade, compre primeiro os quipamentos, fale dormindo (fingindo mesmo), esta dá certo, pois minha mãe me liberou para viajar quando tinha 12 anos de idade. Abraço e ande equipado, não tenha preguição jamais em colocar os equipamentos.

O amigo Wellington Militão de MG, citou que não precisa se equipar para ir na padaria a 3 quadras, isso me lembra meu único acidente de moto, isso a 10 anos atras.Logo de manhã, recisa ir buscar leite, por ter que ir trabalhar logo, peguei a moto e fui na padaria a apenas 2 quadras (o que não faz a preguiça), eu estava usando tênis, uma calça de moleton e camiseta, na volta com o leite, a 50 metros de casa, fui acertado na traseira por um maluco a mais de 100km/h (ele mesmo me disse isso) enquanto eu estava a menos de 30km/h, nem precisa dizer onde a moto e eu fomos parar. Ganhei uma aula de vôo grátis, mas como foi curso intensivão, não tive tempo de aprender a aterrisar, naquele dia descobri como o queijo se sente no ralador. Eu caí com as costas no asfalto, a camisa subiu e eu fui ralando legal, parei sentado no meio da rua, o capacete estava firme, ainda bem, o tênis por sorte não saiu, só perdi uns bifes das costa no asfalto e uma lesão nos músculos da panturilha. Como diz o ditado, tem que cair para aprender a levantar. Ricardo F. Helfer(29), Vera Cruz do Oeste, PR
– Ricardo, sinto pelo seu acidente, mas agradeço imensamente seu depoimento. forte abraço e dissemine sua experiência, conscientizando outros motociclistas.

Acho completamente errado a defesa de vcs no q diz respeito a obrigatoriedade de equipamentos de segurança. Esse é o típico pensamento Tupiniquim, que se preocupa de mais em criar leis e obrigações e de menos em educar. É o famoso “criar dificuldade pra vender facilidade”, é exatamente esse tipo de pensamento que nos dá governates como os q temos. Se fosse obrigatório ia ter um monte de fabricante de jaqueta vagabunda com selo do Inmetro rindo a toa, além do que, seria mais um item pro guarda pedir dinheiro – “Aí, cade o selo do Inmetro da sua calça???”. Para com isso, o pensamento correto é EDUCAR a população pra andar conscientemente, usar equipamento ou não é escolha de cada um. Tem estados nos EUA q nem capacete é obrigatório, pq aqui no Brasil o Estado precisa decidir tudo pela população?? Como pode ainda por cima ter gente q defende esse tipo de posição?? Temos que parar com essa cultura, obrigar tudo, multar por tudo mas dar jeitinho em tudo….ou educa, ou esquece, seria só mais uma obrigação pra um monte de gente fingir que cumpre e outro monte fingir que acredita. E é claro, pros espertos ganharem rios de dinheiro. Thiago Marques(30), São Paulo, SP
-Thiago, me desculpa mas discordo de você. Inclusive discordo da lei americana,que emonstra a falta de preocupação do Estado com o seu cidadão. Já afirmei outras vezes: quer pilotar, tudo bem, mas equipado. Concordo com a questão da educação, mas se houvesse uma política educacional séria iniciando-se hoje, levaria uns 20 ou 30 anos para o Brasil ter um cidadão consciente. Cidadão consciente, infelizmente é uma minoria, mas essa minoria deve se engajar para mudar o país. Não podemos usar como desculpa a burocracia estatal ou o jeitinho brasileiro (que é, o exemplo clássico, falta de educação) para deixar de impor algo que é para o bem do cidadão. Ambos devem andar lado a lado (educação e segurança), chegará um momento que as multas, por exemplo, por consciência do cidadão nem serão aplicadas, porque o uso de equipamento se torna como se vestir para ir a uma festa. Abraço e ande equipado, pois a razão perde valor com a lesão.

Ainda sobre segurança. Concordo com quem defende os equipamentos de segurança, todos, sempre. Mas gostaria de falar sobre algo mais básico: a manutenção da motocicleta. Pneus, parte eletrica, suspensões, freios. São necessárias mais campanhas dos fabricantes ou governates sobre isso. Por exemplo: trocar os retentores de suspensão quando o oleo começa a vazar. Simples não é? Mas vejo motocicletas estacionadas em frente ao prédio em que trabalho que a maioria tem os retentores da suspensão dianteira estragados e vazando oleo. É absurdo! Em algumas o oleo que saiu já secou, quer dizer, não tem mais oleo. Em uma emergência, uma freada forte, sem suspensão não se sabe para que lado a motocileta irá. Outro exemplo: a estupidez de entortar os guidões para passar mais facilmente entre os carros. As mãos ficam quase juntas e com certeza a motocicleta indirigível. Na reta entre os carros talvez tenha alguma vantagem, mas imaginem em uma curva ou manobra, um desvio rápido para fugir de um obstáculo, não conseguirá. A manutenção das motociletas é pouco ou nada mencionado. Um abraço a todos.Ricardo Baraldi Melhado (45), SP
– Ricardo, concordo com você! Nós do Motonline já damos ênfase a manutenção preventiva, pois a corretiva a bomba já estourou e mesmo assim o Bitenca e o João Tadeu respondem, mas avisam que com a preventiva, o problema não teria ocorrido ou seria amenizado. Tudo meu caro é questão de educação. Aliás, paramos para pensar e nos deparamos com uma afirmativa: 99% dos problemas sociais nesse imenso Brasil, inclusive a falta de manutenção numa motocicleta, é resultado da falta de e da educação. Abraço e lembre-se: equipamento sempre, pois a razão perde o valor com a lesão.