kymco-ak-550-1

Rival do TMax, Kymco AK 550 será vendido no Brasil

Aos poucos os negócios da JTA (João Toledo da Amazônia) vão encorpando. No Salão Duas Rodas a Kymco apresentou no mesmo estande da Suzuki (a Kymco no Brasil é originária da J. Toledo Suzuki Motos do Brasil) o maxi scooter AK 550. Como de praxe, a Kymco não fará grandes investimentos em divulgação nem da marca, tampouco do novo produto.

A julgar pelo interesse do público pelo AK 550 durante o Salão Duas Rodas, talvez valesse a pena a os executivos da empresa pensarem em algo mais consistente, porque o novo maxi scooter gerou muita especulação quanto ao preço, principalmente depois que a Yamaha descontinuou a importação do TMax e a própria Suzuki não parece muito interessada em promover os dois Burgman 400 e 650 cc. Há ainda algumas possibilidades do lado da BMW (Sport 600, entre outros), mas isso é assunto ainda muito distante.

Assim como os SUVs, os maxi scooters têm uma proposta atraente e um tanto contraditória ao unir dois mundos. Desenvolvido para cidades e viagens, o Kymco AK 550 tem design agressivo, potência e tecnologia: suspensão invertida, ABS, modos de pilotagem, smart key, painel digital, luzes em LED, punhos aquecidos...

Assim como os SUVs, os maxi scooters têm uma proposta atraente e um tanto contraditória ao unir dois mundos. Desenvolvido para cidades e viagens, o Kymco AK 550 tem design agressivo, potência e tecnologia: suspensão invertida, ABS, modos de pilotagem, smart key, painel digital, luzes em LED, punhos aquecidos…

O maxi scooter já é comercializado na Europa há alguns meses, onde chegou com as missões de mostrar que a Kymco também é capaz de construir projetos avançados em tecnologia – e não apenas veículos de baixa cilindrada e preços populares – e de fazer frente a rivais conhecidos, como o Yamaha TMax 530. No Brasil, ele vem como modelo top de linha da marca, que também está lançando o Agility 200 (vendido a partir do primeiro semestre de 2018) e produz o Downtown 300i ABS e o Peolple GT 300. O AK 550 tem previsão de chegar às concessionárias no segundo semestre de 2018, ainda sem preços definidos.

Kymco AK 550 – sofisticação, potência e esportividade

Desde os tempos de escola, sabemos que quem apresenta o trabalho na segunda aula tem a vantagem de saber o que os colegas já mostraram e, com base nisso, fazer algo diferente, talvez superior. Assim agiu a Kymco com o AK 550. Conhecendo seu principal rival desde o começo do desenvolvimento do novo produto, afinal o TMax foi lançado lá em 2001, a marca taiwanesa pode estudar o concorrente para encontrar os diferenciais em seu próprio projeto. A primeira amostra disto está no visual, onde o AK 550 adota formas e cores similares aos do Tmax, mas transmitindo mais agressividade.

Ronco forte do bicilíndrico prendeu a atenção do público no Salão Duas Rodas. Motor gera 54,1 cv e surpreendentes 5,67 kgf.m

Ronco forte do bicilíndrico prendeu a atenção do público no Salão Duas Rodas. Motor gera 54,1 cv e surpreendentes 5,67 kgf.m

O design imponente e esportivo do AK 550 prendem a atenção logo no primeiro olhar. Seu desenho é anguloso, pontiagudo em cada detalhe – para lama dianteiro, carenagem, faróis, retrovisores, o alto e esguio para-brisas. Assim, deixa claro sua vocação esportiva, complementada pelo motor de dois cilindros e 54,1 cv. A impressão de ‘grande porte’ também é confirmada na balança, visto os 226 quilos do modelo.

Após o primeiro contato, nota-se o belo e amplo painel de instrumentos – totalmente digital. Em três áreas, ele exibe o uso e gerencia os recursos eletrônicos do modelo: dois modos de pilotagem (normal ou chuva, que limita a potência a 47 cv), smart key, conectividade com smartphone, tomada USB, pressão dos pneus, temperatura do motor, altura do para-brisa ajustável. Há, também, punhos aquecidos, iluminação full LED, altura do assento em três níveis, chassi em alumínio, câmbio CVT, suspensão invertida.

Cara de mau

Cara de mau

Design pontiagudo passa agressividade em cada elemento, do farol ao espelho, do para lama a para-brisas

Motor valente

Motor valente

Para atender à proposta esportiva com louvor, 54,1 cv e surpreendentes 5,67 kgf.m

À altura do projeto

À altura do projeto

Painel de instrumentos completíssimo e totalmente digital corresponde ao moderno projeto do qual faz parte

Freios ABS Brembo

Freios ABS Brembo

O scooter é taiwanês e o freio, italiano. Há dois discos na dianteira e um atrás

Luzes em LED

Luzes em LED

AK 550 distribui LED no farol e luz de posição

Atenção aos detalhes

Atenção aos detalhes

Lanterna traseira, assim como o painel, é um show a parte quando iluminada

Bocal do tanque

Bocal do tanque

Discreto, está localizado logo a frete do banco

Assento no capricho

Assento no capricho

Em dois níveis, assento é minuciosamente costurado. Espaço do carona, porém, é mínimo

Porta objetos

Porta objetos

Sob o tanque, o tradicional compartimento para um capacete integral e mais pequenos itens

Porta objetos II

Porta objetos II

Junto ao console, mais compartimentos

Chassi

Chassi

Em alumínio, tem a missão de distribuir os 226 kg do modelo da forma mais uniforme possível

No Salão Duas Rodas, o público também se impressionava com o som do motor. O propulsor de dois cilindros em linha, duplo comando de válvulas no cabeçote, arrefecimento a líquido e 550,4 cm³ ronca alto, com som cheio e harmonioso, como uma boa moto (ou scooter) que tem esportividade em sua proposta deve ter. A potência máxima é de 54,1 cv a 7.500 rpm e o torque máximo é de 5,67 kgf.m, aos 5.500 rpm, indicando o uso misto do modelo: torque em baixa para deslocamentos ágeis na cidade e boa velocidade de cruzeiro, com conforto e motor sobrando, em viagens por rodovias devidamente asfaltadas. Os freios ABS são assinados pela Brembo e possuem dois discos de 270 mm na dianteira e um de 260 na traseira.

Cerca de R$ 40 mil por um maxi scooter, será que emplaca?

Em 2014 a Yamaha trouxe o TMax ao Brasil (foto), mas o preço de R$ 42 mil repeliu os compradores. Em quatro anos, apenas 378 emplacamentos. Já o Kymco ainda não tem preço definido, mas não deve fugir da casa dos R$ 40 mil

Em 2014 a Yamaha trouxe o TMax ao Brasil (foto), mas o preço de R$ 42 mil repeliu os compradores. Em quatro anos, apenas 378 emplacamentos. Já o Kymco ainda não tem preço definido, mas não deve fugir da casa dos R$ 40 mil

Ainda em tempo, ‘AK’ significa ‘Anniversary Kymco’, fazendo referência a celebração dos 52 anos da marca, completados em 2017. Aqui no Brasil seu preço ainda não foi estipulado, mas na Europa o modelo é vendido na casa dos 9,9 mil euros, cerca de R$ 37,8 mil. Quando o TMax foi lançado aqui, em 2014, ele tinha preço sugerido de R$ 42.619,00, o que foi determinante para seu baixo número de vendas. Segundo a Fenabrave, em quatro anos o modelo Yamaha emplacou apenas 378 unidades, sendo 207 em seu ano de lançamento. Por outro lado, hoje o mercado de scooters no Brasil está mais aquecido do que há quatro anos, o que pode soprar a favor desta aposta da Kymco – mesmo assim ter um bom número de vendas é um desafio e tanto. Desejamos sorte.

Separador_motos



Jornalista gaúcho convicto de que um passeio de moto em um dia de sol é a cura para praticamente todos os males da vida. Fã de motoaventurismo, competições de moto, café, praia e de rock n roll.