classic-500-johnnie-wash-3

Royal Enfield lança série Redditch por R$ 20.900

A nova série Redditch é o grande lançamento programado pela Royal Enfield para o Salão Duas Rodas 2017. Em sua primeira participação no maior evento do segmento na América Latina, a marca indiana/inglesa montou um stand com 252 m² onde está expondo seus modelos Bullet 500, Classic 500 e Continental GT, além de uma versão personalizada de cada, criadas pelas renomadas oficinas de customização do Brasil Bendita Macchina, Johnnie Wash e Classic Riders Brasil.

Série Redditch é o principal lançamento da Royal Enfield para 2018. Empresa confirma seu interesse em 'permanecer por muito tempo' no Brasil e destacou que este é o principal mercado para a marca fora da Índia

Série Redditch é o principal lançamento da Royal Enfield para 2018. Empresa confirma seu interesse em ‘permanecer por muito tempo’ no Brasil e destacou que este é o principal mercado para a marca fora da Índia

A série Redditch serão adicionados à linha da Classic 500, disponibilizando motos nas cores Redditch Red, Redditch Green e Redditch Blue. “A inspiração da série vem do local de nascimento da marca, Redditch, no Reino Unido. É uma ligação importante entre nossa herança e nossas motocicletas atuais, que trazem esse legado em cada detalhe de seu design e projeto”, destacou Arun Gopal, diretor de Negócios Internacionais da Royal Enfield. Além das novas cores, a série Redditch conta com o monograma Royal Enfield Redditch, utilizado pela primeira vez na famosa “Flying Flea” e revivido especialmente para estas versões. O preço sugerido: R$ 20.900,00, mesmo preço da Classic ‘tradicional’ com ABS.

A Royal Enfield chegou ao Brasil em 2017 e deixou claro durante sua coletiva no Salão que ‘veio para ficar’. “A Royal Enfield está em plena expansão global e participa de todos os principais eventos de motociclismo em todo o mundo. Portanto, nossa presença no Salão Duas Rodas é fundamental para o crescimento no Brasil. Queremos familiarizar os motociclistas à nossa história, filosofia, serviços e modelos”, afirmou Gopal. “Nosso primeiro ano no Salão Duas Rodas é muito importante para alcançarmos um público maior, que vai muito além de São Paulo, e também é uma prova do compromisso firmado com o País. Estamos aqui para ficar por muito tempo. Desde o lançamento, tivemos um retorno encorajador de apaixonados por motocicletas, que mostraram grande interesse no que a Royal Enfield traz ao Brasil”, enfatiza Claudio Giusti, diretor geral da Royal Enfield no Brasil.

Motos Royal Enfield customizadas presentes no Salão Duas Rodas

Bullet 500 – modelo mais antigo do mundo em produção contínua, desde 1932, a motocicleta foi idealizada pela Bendita Macchina e transformada em uma Scrambler. Para isso, recebeu escapamento mais alto, com saída para cima; o quadro B do chassi foi reestruturado para receber o novo banco, com toque característico da oficina, e a capa da suspensão foi retrabalhada, bem como as laterais da motocicleta, que foram realocadas, assim como toda a parte elétrica da motocicleta. Outras alterações podem ser vistas nos para-lamas, lanternas e piscas e no guidão, que recebeu uma barra estabilizadora. Os pneus são de uso misto e o frontal passou do aro 19 para o 18. O tanque original foi mantido, mas recebeu nova pintura, deixando-a mais “viva”.

Classic 500 – convertida em Bobber. Projetada pela Johnnie Wash, mantém o estilo pós-guerra, com tanque e bengala originais, e se tornou mais leve, com o uso de alumínio. A base do chassi foi modificada, com a balança traseira alongada, resultando num entre-eixo de 1,54 m, fazendo seu centro de gravidade mais baixo e estável, proporcionando uma pilotagem mais confortável e agressiva. Outras mudanças podem ser vistas na mesa superior refeita, pneus radiais aro 19 com desenho de época, linha de freios reposicionada, tanque de óleo como suporte de parte elétrica, além de guidão, lanternas e pisca totalmente novos.

Continental GT – transformada em uma Retro Racer pela Classic Riders Brasil, tomando como inspiração as alterações realizadas nesses modelos no período pós-guerra na Inglaterra. Para chegar ao resultado esperado, a motocicleta teve seu peso reduzido e uma carenagem em alumínio foi inserida, para melhorar a aerodinâmica e o desempenho. A cor foi escolhida com base nas motocicletas de corrida atuais, fazendo uma ligação entre a febre Café Racer dos anos 60 e os dias de hoje.

Separador_motosFonte: CDI Comunicação Corporativa



Jornalista gaúcho convicto de que um passeio de moto em um dia de sol é a cura para praticamente todos os males da vida. Fã de motoaventurismo, competições de moto, café, praia e de rock n roll.