Sahara SM, Quer 350 naked, Não era bico entupido, Peças paralelas

Outro dia pedi sua opinião técnica, quanto ao meu interese em transformar uma NX-Sahara comum, e uma SUPERMOTARD. Na oportunidade mencionei utilizar os “calçados” da TWISTER, 130/80/17″ Traz. e 100/70/17″ diant. a sua opinião (considerando-se que estaria alterando o projeto original), foi a de que não teria grandes problemas. Mas agora (após ler uma materia sobre Pneus, Aros e cubos), me surgiu as seguintes duvidas: 1) Poço utilizar o Pneu 120 ou 130/80/17″ como aro 2.15″??(original da Sahara). 2) É possivel utilizar na dianteira o aro 2.15″-17″ com o mesmo cubo do Aro 21″??. Sem mais, Respeitosamente, Carlos Eduardo(47), Guamaré, RN
R – Carlos Eduardo, o aro da Sahara é muito estreito para um pneu maior que o original. É preciso se ater a uma montagem adequada para o seu uso. Aro traseiro 3.50 x 17 monta bem no pneu da Twister 130/70×17 e o aro 2.50×17 com o pneu 100/80×17 dianteiro. Verifique se o jogo: raios aros e cubos casam perfeitamente antes de comprar, pois os raios devem encaixar corretamente nos furos do cubo e do aro. Não use nessa montagem os pneus sem câmera(original da Twister) que devem ser montados somente em aros apropriados para esse tipo de pneu (em geral de liga leve). Se montar em roda raiada pode dar problema de segurança num eventual furo. Insisto que procure um montador de rodas especializado, pois é serviço de responsabilidade. Pense na sua segurança primeiro e veja se vale a pena.

Sds. Primeiro quando neste Brasil, Século 21, teremos uma moto de pelo menos 350 CC naked. Que não custe o preço de uma Bandit 650 nem de uma Hornet 600, e que não seja mole igual a uma twister, ou que pegue tanto vento como a falcon que chega a dar nauseas, e que pelo menos aumente a velocidade de cruzeiros dos miados 120km na descida da twister (135km na descida no TOCO), para pelo menos uns 140km constantes (dentro da lei claro..rsrs)abraços a todos. OBS: seria possivél melhorar um motor de falcon e colocar em uma twister.??? Carlos A. L(42), Ribeirão Preto, SP
R – Carlos, será que uma GS500 não te serve? a Suzuki ainda as produz. A CB500 saiu de linha e muito se fala da grande perda de opção no mercado por causa disso. Assim, a Suzuki mantém a antiga concorrente dela porque como você, outras pessoas preferem uma moto mais simples (e barata) mas que tenha um potencial de velocidade de cruzeiro satisfatório com economia e conforto. Como seria uma Twister com motor maior? acho que iria se torcer toda. Chassis não agüentaria, mais fácil construir um chassis de rua, ou fazer uma motard a partir da Falcon, que tal?

Bom dia Bitenca Em se tratando de tecnologia, nos estamos sempre sendo bombardeados por novidades e a injeção como você disse veio para ficar . Mesmo assim, precisamos ficar atentos e procurar saber mais a respeito, pois ficar a mercê dos equipamentos eletrônicos é depender demais da ignorância. Conversando com os mecânicos de carros descobri coisas interessantes a respeito da injeção, e veja que aqui não temos oficina especializada, mas mesmo assim conseguem consertar muita coisa .Aquela van coreana Tower possuía um sensor no Carter que inibia a injeção quando o nível de óleo estava baixo. Em alguns carros se o nível do taque estiver muito baixo a bomba não funciona e conseqüentemente a injeção também não. Olhando o catálogo de peças da Fazer 250 (olha aí a Internet), vi que a bomba fica dentro do tanque, por baixo, na parte central. O tanque na parte inferior tem dois compartimentos um de cada lado da moto , se tiver pouca gasolina, esta vai ficar nos lados e não vai cobrir totalmente a bomba e lá deve ter um sensor que inibe seu funcionamento quando falta gasolina. Mesmo o marcador digital indicando pouca gasolina, liguei a ignição e nada da bomba , então desliguei e resolvi agitar o tanque, não para os lados como se faz quando tem torneira e carburador e sim para frente e para trás com o freio dianteiro preso. Ouvi a gasoilina revolver no tanque e depois voltei a ligar a ignição e em seguida ouvi o bzzzzzzzzz da bomba. Dei partida e a moto pegou a na hora. Nada de bico entupido, nada de fusível, nada de mau contato, nada de bomba pifada. Abasteci e pronto. Apesar das contrariedades o bom é a que eu aprendi mais coisas, principalmente de algo que parecia intocável : a injeção eletrônica. E outra a Fazer 250 não deve ficar com pouca gasolina, o negócio é rodar. Uma abraço
R – Não era heim João…Parece que os modernos equipamentos se defendem de operadores descuidados não é mesmo? E você como projetista deve fazer o mesmo, decerto. Então, seu diagnóstico foi muito bem direcionado por uma análise inteligente e coerente. Não tinha isso no manual? Parabéns, pois daqui de longe não poderia fazer melhor.

Olá, tenho uma virago 535, ano e modelo 2002, gostaria de receber endereços de onde encontrar peças para moto sem ser em concessionárias yamaha. Obrigado. Rafael(42), Ouro Fino, MG
R – Rafael, aí complicou, como você pensa em fazer isso? Algumas peças pode se trocar em tipo genérico como lâmpadas, retentores e rolamentos que podem ser comprados pela especificação. Outras peças simples podem ser encontradas em lojas do mercado paralelo, sem garantia mas com preços mais em conta. Você pode tentar encontrar o que necessita pela internet mesmo com entregas pelo correio se na sua cidade não encontrar. Certamente as peças exclusivas, de pouca saída você só vai encontrar nas autorizadas. abraços.