varela-gugelmin_josemariodias

Segunda vitória nos UTVs mostra talento brasileiro no Dakar

Os UTVs corriam e competiam no Rally Dakar como uma divisão dos carros. Mas a grande velocidade e a agilidade destes pequenos veículos tornou-os uma categoria separada desde o ano passado. E nestas duas primeiras edições da prova off-road mais difícil do mundo – Rally Dakar – só brasileiros ocuparam o lugar mais alto do pódio na categoria UTV.

Este ano foi a dupla formada pelo piloto Reinaldo Varela e pelo navegador Gustavo Gugelmin no UTV Can-Am #356 comemorou o título da categoria, o que foi feito no ano passado por outra dupla brasileira – Leandro Torres e Lourival Roldan (Polaris #351). A dupla campeã dos UTVs deste ano recebeu homenagem da Can-Am, patrocinadora e fabricante do Maverick X3, veículo que foi  o grande destaque da categoria logo em sua estreia na prova.

A dupla brasileira em ação nas dunas peruanas (foto de Josá Mario Dias)

A dupla brasileira em ação nas dunas peruanas (foto de José Mario Dias)

Em encontro com amigos, patrocinadores e jornalistas para contar as histórias da conquista, Fernando Alves, gerente para a América do Sul da BRP​, grupo canadense que assina os produtos da Can-Am falou que o título é um feito histórico e repercutiu em todo o mundo. “É um grande orgulho para a Can-Am ter feito parte desta conquista e a dupla brasileira mostrou na prática as qualidades do Can-Am Maverick X3, que faz toda a diferença no ambiente off-road”, acrescentou.

Momento tietagem:  do Motonline com a dupla brasileira

Momento tietagem do Motonline com a dupla brasileira

Emocionado, o piloto paulista Reinaldo Varela discursou. “Eu agradeço a todos pela torcida e pelo apoio. Eu demorei 36 anos e participei de 369 provas off-road para chegar no título do Rally Dakar, que é o mais desejado por todos os competidores. Completar o Dakar já é difícil, imaginem vencer. É um orgulho para nós ter contado com todo o suporte da Can-Am, que proporcionou o melhor veículo disponível na categoria, o Can-Am Maverick X3.”

Com 19 anos de off-road na bagagem, Gugelmin completou. “A apoio de cada um nos deu ainda mais força para buscar o título do Rally Dakar. A cada dia, enfrentamos muitas dificuldades e chegamos exaustos ao acampamento. O apoio dos brasileiros foi um combustível extra para seguir em frente e acreditar sempre”, concluiu o catarinense. Gugelmin e Varela afirmaram que acreditam que a categoria UTV vai crescer muito por dois motivos: preço e segurança.

Os custos para pilotar um carro no Rally Dakar são muito altos e muitos pilotos começam a acreditar que com os UTVs tudo fica mais fácil e barato, inclusive porque esses carrinhos andam mais rápido que os próprios carros. Já os motociclistas, que são sempre as principais vítimas nos acidentes durante a prova percebem que é mais fácil e seguro andar num UTV. Se essa tese é verdadeira, só o tempo dirá. Mas o fato é que a categoria é muito atraente e faz total sentido o que ambos explicaram.

A BRP (Bombardier Recreational Products) é uma empresa canadense líder global no design, desenvolvimento, fabricação, distribuição e marketing de veículos powersports e sistemas de propulsão. Seu portfólio inclui os veículos para neve Ski-Doo e Lynx, as motos aquáticas Sea-Doo, os veículos off-road e roadsters Spyder da Can-Am e os sistemas de propulsão marítima Evinrude e Rotax, bem como os motores Rotax para karts, motocicletas e aeronaves recreativas. A BRP dá suporte a sua linha de produtos com peças, acessórios e vestuário e conta com aproximadamente 8.700 colaboradores em todo o mundo.

Separador



Sidney Levy

Motociclista e jornalista paulistano, une na atividade profissional a paixão pelo mundo das motos e a larga experiência na indústria e na imprensa. Acredita que a moto é a cura para muitos males da sociedade moderna.