Foto: XRE 300 A - Bitenca

Sem opção

Foto: XRE 300 A - Bitenca

Foto: XRE 300 A - Bitenca

Olá prezados, Gostaria de pedir o apoio de vocês em duas coisas, primeiro, que nos ajudem (nós leitores) com informações sobre a BMW g 650 gs que está sendo montada em Manaus, tenho interesse nessa moto, e até agora ainda não vi nenhum test ride nacional desse modelo.
Segundo, como Amante das Trails, vejo que no brasil hoje, estou meio abandonado pela falta de opções e jabiroscas (XRE 300) que nos são empuradas guela abaixo, vocês são formadores de opinião, e ficaria feliz se ajudassem o povo a ver que tem muita tranqueira aqui e que tem muita coisa boa lá fora que não vem pra cá, quem sabe o povo acorda e as montadoras começam a nos dar mais valor. Agradeço a atenção. Daniel, 22, São Paulo, SP.

R: Daniel, A qualquer momento estará sendo adicionado ao extenso banco de dados do Motonline o teste da XRE 300 A. Nossa conclusão é de que é uma ótima motocicleta, muito bem posicionada, dentro da sua proposta de mercado.
Já a BMW g 650, bem maior e em outra faixa de preço, está para ser lançada ainda, mas já consta de nossa programação para a marca e estamos prevendo um teste, assim que for possível.
É verdade que ainda há poucas opções nessa faixa de mercado, mas a BMW promete adicionar uma boa proposta e além da Yamaha 660, a Suzuki também participa com a DL 650. As opções vão ser maiores e o mercado consumidor ganha com isso. Abraços.

Foto: BMW G 650 - Bitenca

Foto: BMW G 650 - Bitenca

O Bitenca, Agradeço de coração a resposta,
A XRE 300, é uma boa motocicleta, mas muito cara pelo que tem a oferecer, e tenho uma tornado, aliás, to na segunda, e fiquei decepcionado com a XRE quando lançaram, a honda poderia ter feito essa moto, com um motor 450, para subtituir a falcon, e manter esse degrau. Eu ficaria feliz e compraria uma XRE se ela tivesse a proposta de adventure touring e fosse uma, com pneus de uso mais misto pq aquele pneu derrete nos asfalto(Já gastei alguns jogos dele desde 2004), talvez uma roda 19 na frente com uma 17 na traseira, uma refrigeraçãozinha líquida, um tanquinho de uns 18lts, a moto ia para quanto, 18, 20k, quando lançou tava chengando a 14,5k a com CBS, e a XT tá quase 30k(a ultima vez que eu vi na Red Baron da Ricardo jaffet em são paulo).
Agora a gente vem da 250, e quer fazer um UP, que é o meu caso, tem que pular o muro e cair numa 660 ou numa BMW, a DL-650 não é trail nem chega perto disso, tá mais para sport touring, excelete para viajar, desde que seja asfalto, se for terra só se for terra batida(posso estar falando uma grande besteira, pois não tive a oportunidade de pilotar uma, e se tratando de exp em motociclismo vc tem de longe muito mais do que eu). Mas fico aguardando, anciosamente o teste da BMW. (Ah, acho que uma moto que poucos conhecem para a rua é a DRZ, na concessionára da suzuki de Sto Amaro eles vendem uma adaptada, talvez se vocês tocassem no assundo a procura aumente e J.Toledo resolva trazer a européia com tanque de alumínio e tal, fica ai a dica e o pedido.)

R: Entendi o que quer dizer, nesse aspecto você tem razão. Acima das 250, fora a XRE 300 que é um bom meio termo, não tem mais nada. Tem que pular para as seiscentas e tanto. Mas essa diferença de preço é bastante significativa. A evolução do mercado, no futuro, vai obrigar as fábricas a segmentar mais a sua linha de produtos, isso é natural.
Alguns modelos são mais adaptáveis à terra do que outros mas no geral, quando se pensa numa moto de uso misto, na verdade 90% da sua vida ela passa no asfalto, salvo raras exceções. Por isso as fábricas estão especializando as off-road e urbanizando as mais orientadas ao fora-estrada. Transformam-se nas chamadas esporte – aventura. Abraços.