Foto: RSV4 Aprilia - Divulgação

Será que Aprilias voltam, Recall da Yamaha, Pneus x pneus

Foto: RSV4 Aprilia - Divulgação

Foto: RSV4 Aprilia - Divulgação

Bitenca, na hipotese de que a Aprilia construisse uma fabrica no Brasil, as motos, RS 125cc e a RS 250cc; a quanto ficaria o valor de cada uma delas pro brasileiro? Seria economicamente viavel isso acontecer no atual cenario comercial? Pergunto, pois andei olhando o site da Aprilia e achei as motos O MÁXIMO !!! Seria muito legal ter um “brinquedinho” desses acessivel pros brasileiros, o que voce acha? Parabén pelo site, é minha leitura diaria obrigatória! Abraços. Luis, 36, Rio Grande, RS.

R: Luis, as maiores e melhores marcas de motocicletas do mundo já se encontram no nosso país, considerado o quarto ou quinto maior mercado mundial. Vários modelos das Aprilias em anos passados foram importados. Como essa é uma das maiores marcas européias e que no momento não tem representante oficial por aqui, acho que é uma questão de tempo para que apareça novamente.
Eles têm uma linha completa, começando pelas super esportivas RSV4. Como o
nome diz uma V4 de 1000 cc derivada das de Moto GP, onde se inclui também a pequena RS 125, o segundo modelo de entrada dessa série pois o primeiro é uma 50cc.
A RS 125 por exemplo acho que sairia na faixa de 28 mil reais, importada.
Pois um processo de instalação de fábrica no Brasil seria longo e complicado, difícil de avaliar.
Além das super esportivas a linha se estende por versões Naked como a Tuono 1000, Street fighters como a Mana e Torsoduro e termina com duas séries de Scooters, uma mais tradicional e retrô com rodas de 15 polegadas chamado
Scarabeo e outra mais econômica. As pequenas 50cc com compressor e dois
tempos injetadas, infelizmente não passariam no Promot 3 mas as de quatro tempos, todas se conformam com a atual norma brasileira.
Vamos ver quem se habilita. abraços,

Foto: Suspensão Faser - Divulgação

Foto: Suspensão Faser - Divulgação

Caro Bitenca, é a primeira vez que escrevo desde que o Tite saiu. Faz tempo hein… Mas a minha dúvida é a seguinte: Tenho uma Fazer 250 2008, que adquiri em maio deste ano e vi aqui no Montonline que haverá um recall para os modelos de 2006 a 2008. A minha se enquadra neste quesito. Hoje liguei na concessionária (Pico Motos, em Foz do Iguaçu/PR) para agendar o serviço, inclusive fui o 1º da cidade a fazê-lo. O cidadão que me atendeu disse que não sabia como ia proceder, que iria verificar com seu chefe e logo depois me retornava. Quando retornou a ligação, disse que o recall é para motos desde 2006, então estas terão preferência, e que como eu comprei a minha ainda este ano e a km está baixa, terei de esperar até o início do ano que vem (aproximadamente) para fazer a troca da peça defeituosa. Queria saber se é assim mesmo que acontece, os modelos mais antigos tem prioridade ou é por “ordem de chegada”? Aproveitando: minha Fazer tem 2700 km e é uma beberrona! Faço no máximo 23 km/L, e eu ando igual um tiozão, não sou do tipo motoboy maníaco! Me parece que a motoca tem um forte barulho de válvulas perto/acima dos 5000 rpm. Será que tem algo errado nela?

R: Tiago, tecnicamente o argumento deles faz sentido porque na moto nova a condição dos componentes da suspensão ainda não sofreram o esforço extra. A lubrificação pode ser deficiente e as peças mal dimensionadas mas o problema
real só vai surgir depois de algum tempo de uso. Fica a pergunta: Quanto tempo? O texto da Yamaha no recall não determina esse prazo então considero que você está no direito de requisitar a troca sim, você não tem que correr esse risco.
Se resolver fazer a troca das peças sugiro levar a moto na concessionária e se não acatarem o recall, peça por escrito a recomendação com a data ou quilometragem de retorno. Se ocorrer a quebra nesse período a revenda ficará em maus lençóis, acredito que farão o serviço.

A economia deve melhorar com o tempo e esse motor é meio barulhento mesmo, por causa das aletas de refrigeração. Não significa problema algum. Abraços,

Caro Bitenca!Em primeiro lugar parabéns pelas reportagens e informações técnicas apresentadas. Relendo alguns testes comparativos realizados pelo Tite. cb500 x gs 500, ele informa que os pneus da pireli 110 80 17 e 130 80 17 são bem melhres que os bridgestone nas mesmas medidas só que com a altura de 70 que caracteriza um pneu um pouco mais esportivo. Gostaria de saber qual a vantagem dos pneus pireli para gs 500E; se mais econômico, mais macio,ou mais resistente, uma vez que o Tite sugere aos proprietários da GS 500 a utilização dos mesmos. Desde já agradeço. Um abraço Orlei, 54, Florianópolis, SC.

Orley, a diferença se encontra na altura do pneu. Na codificação, o primeiro número indica a largura em milímetros, assim ambos têm a medida de 110mm de largura. O segundo número indica a altura em porcentual da largura anteriormente indicada, não implica em maior ou menor esportividade, apenas a medida da altura, que se for 70% terá 77 mm e se for 80% terá 88 mm.
Repare que se a altura é maior o diâmetro final da roda também será, resultando num perímetro maior. Assim a relação final da transmissão terá um aumento aproximado de 14%. A área de contato com o solo deve ser menor porque o formato da curvatura do pneu pode ser mais acentuada, para resultar maior altura com a mesma largura.
Pode resultar em maior economia, porque o motor da menos revoluções por volta da roda mas isso não é sempre verdade. É preciso que ele tenha reserva de torque para empurrar a moto contra o atrito do ar, nas subidas e outras condições desfavoráveis. Do contrário o consumo será maior e a velocidade final será menor.

Pelo comentário do Tite acredito que deva melhorar. Fica mais macia a suspensão mas a sensibilidade pode piorar na maneabilidade
das curvas e mudanças rápidas de direção.
Abraços,