Trecho da estrada no meio da pedra, construido numa época em que não existiam máquinas

Serra do Rio do Rastro, lugar que todo motociclista deve conhecer

Se há no Brasil algum lugar que inspire qualquer motociclista a fazer uma viagem daquelas que ficam marcadas para sempre na memória, esse lugar é, sem dúvida, a Serra do Rio do Rastro. Essa estrada liga Lauro Müller a Bom Jardim da Serra e São Joaquim e faz parte da região turística das Serras Catarinenses, terra privilegiada pela natureza, tanto pelo relevo e rios quanto pela vegetação serrana exuberante.

A parte espetacular da estrada tem apenas 6,6 km de extensão, mas faz a viagem valer a pena. Num espaço de pouco mais de 8 km lineares, sobe-se aproximadamente 670 metros, chegando-se aos 1.421 metros acima do nível do mar (altitude do mirante).

Imagem aérea que mostra o leito sinuoso da Serra do Rio do Rastro

Imagem aérea que mostra o leito sinuoso da Serra do Rio do Rastro

A Serra do Rio do Rastro era originalmente o caminho dos tropeiros e sua mulas, que transportavam mercadorias da região litorânea catarinense até às cidades localizadas sobre o planalto, como São Joaquim e Lages. Na volta os tropeiros transportavam a produção local até à capital. Conta a história que a trilha era de muito difícil passagem, sendo comum a perda de mulas que caiam nos precipícios da encosta.

Serra do Rio do Rastro

Serra do Rio do Rastro

Alem da Serra o Rio do Rastro, o turista motociclístico  tem inúmeras outras opções de locais para conhecer, principalmente os localizados no município de Urubici.

O que visitar em Urubici

 

Serra do Corvo Branco, estrada construida apenas com trabalho braçal

Serra do Corvo Branco, estrada construida apenas com trabalho braçal

Serra do Corvo Branco

Serra do Corvo Branco

O município de Urubici, “pássaro brilhante” no idioma xokleng, tribo que habitava a região, oferece uma diversidade de relevo que o transformaram num dos paraísos do turismo de aventura no país. Programas do gênero não faltam. Pode-se fazer descida de rapel nas cachoeiras e paredões, canoagem em um dos rios da região – há dezenas deles -, cavalgadas por caminhos deslumbrantes e caminhadas por trilhas com variados graus de dificuldade.

Trecho da estrada no meio da pedra, construido numa época em que não existiam máquinas

Trecho da estrada no meio da pedra, construido numa época em que não existiam máquinas

A cidade oferece paisagens inesquecíveis como a vista da Pedra Furada a partir do Morro da Igreja, a 1.808 metros acima do nível do mar, ou cascatas como a do Avencal e a Véu de Noiva – duas entre nada menos que 82 quedas d’água catalogadas no território do município. Uma vantagem de Urubici é que boa parte das atrações está na mesma direção, entre os 30 km que ligam o centro da cidade à lendária Serra do Corvo Branco. É um passeio imperdível, cujo encanto não está apenas nas belezas da natureza, mas no contato próximo com os costumes do morador local.

A Serra do Corvo Branco é um capítulo que merece menção especial nessa reportagem pela sua majestade e beleza. É outra estrada encravada no paredão de pedra, tão ou mais espetacular que a Serra do Rio do Rastro, tendo sido construída apenas com a utilização de ferramentas comuns, como pás, picaretas e dinamite, sem deixar de citar o trecho que chamam de “pedra cortada”, obra também executada apenas com trabalho braçal. Esse ponto turístico tem, obrigatoriamente, que fazer parte do roteiro motociclístico de quem vai conhecer aquela região. Cabe aqui uma ressalva: se o turista for de moto custom ou esportiva, certamente vai sofrer um pouco nos 5 km de estrada de chão muito mal conservada e cheia de pedras e buracos que se usa para chegar até lá – inimaginável o descaso da prefeitura local com a via de acesso a um ponto turístico tão atraente.

A região oferece estradas bem conservadas, refeições a partir de R$ 13,00 e rede hoteleira para todos os gostos e bolsos; a partir de meros R$ 40,00 já se consegue hotel de qualidade aceitável, com quartos espaçosos, lençóis limpos e banho quente. Mas recomenda-se reservar com antecedência pois, em períodos de férias ou feriados prolongados, a região costuma ser bastante procurada por turistas e os hotéis lotam com facilidade.

Caso queira conhecer todas os pontos citados nesta reportagem, reserve pelo menos dois dias inteiros, apenas para conhecer as maravilhas de Urubici e a Serra do Rio do Rastro.

Mesmo não sendo pedagiadas, as estradas da região encontram-se bem conservadas

Mesmo não sendo pedagiadas, as estradas da região encontram-se bem conservadas

Morro da Igreja e Pedra furada, 1808 metros acima do nível do mar

Morro da Igreja e Pedra furada, 1808 metros acima do nível do mar

Como chegar aos principais pontos turísticos

Como chegar aos principais pontos turísticos

 



Mário Sérgio Figueredo

Motociclista apaixonado por motos há 42 anos, começou a escrever sobre motos como hobby em um blog para tentar transmitir à nova geração a experiência acumulada durante esses tantos anos. Sua primeira moto foi a primeira fabricada no Brasil, a Yamaha RD 50.