SWM SR 500 R

SWM revela preços de suas motos no Brasil

Mais novidades sobre a chegada da SWM ao nosso mercado. Desta vez, a Muteki, que importará as motos italianas, revelou o preço que estará etiquetado nas motocicletas em solo verde e amarelo. No Brasil, a RS 300 R custará R$ 32.000,00, enquanto a RS 500 R virá por R$ 36.000,00. Já a Superdual T, uma on/off-road, tem preço sugerido de R$ 41.000,00. Fim do mistério.

Motos da SWM chegam ao Brasil durante em maio e, agora, já têm seu preço definido. RS 300 R custará R$ 32.000,00; Superdual T será R$ 41.000,00 e RS 500 R virá por R$ 36.000,00

Motos da SWM chegam ao Brasil durante em maio e, agora, já têm seu preço definido. RS 300 R custará R$ 32.000,00; Superdual T será R$ 41.000,00 e RS 500 R virá por R$ 36.000,00

Recentemente detalhamos como acontecerão as operações da SWM no Brasil e conforme já havíamos dito, a marca não terá lojas próprias no País logo no início de suas atividades. O principal executivo da empresa revelou com exclusividade ao Motonline que serão feitas parcerias com lojas multimarcas para comercializar as motos, fazendo com que as empresas atuem então como pontos de venda da nova marca.

Duas lojas parceiras já estão confirmadas: Bikebox, em São Paulo e Motonil, em Araras, também no estado de São Paulo. As vendas ainda não iniciaram, mas as primeiras motocicletas já chegaram. A Muteki também está em negociação com outras lojas, o que inclui a expansão das operações para os estados do Paraná e Rio Grande do Sul. Outro estado que despertou o interesse da empresa é Minas Gerais, mas para este ainda não foram confirmadas parcerias.

Motos de Enduro são a chave para a SWM entrar no nosso mercado, apostando na credibilidade da Husqvarna, com quem a marca italiana tem forte ligação. Em breve, virão as clássicas e loja própria da marca - esta, em 2019

Motos de Enduro são a chave para a SWM entrar no nosso mercado, apostando na credibilidade da Husqvarna, com quem a marca italiana tem forte ligação. Em breve, virão as clássicas e loja própria da marca – esta, em 2019

Loja própria SWM virá em 2019swm-brasil-muteki-logo

Depois desse primeiro contato dos consumidores com as motocicletas SWM, será construída uma loja própria da marca, em São Paulo. A previsão para a inauguração é 2019. Em paralelo, a marca irá introduzindo outros modelos no nosso mercado, além das motos off-road. “Começamos pelos modelos trail, por serem facilmente reconhecidos com as antigas Husqvarnas – além do fato de o processo de importação ser mais fácil e menos moroso. O plano é: assim que (os consumidores) reconhecerem as motos, partiremos aos modelos clássicos”, informou o representante da Muteki, Sérgio Costa. (Veja as motos clássicas da marca aqui).

SWM RS 300 R por R$ 32 mil e RS 500 R por R$ 36 mil

Atualmente, a SWM produz modelos de Enduro, Supermoto, clássicas e de uso misto (chamadas por ela de ‘on road’, mas que na prática são motos on/off-road). A linha de Enduro é composta pela RS 125 R, RS 300 R e RS 500 R – estas duas últimas já estão confirmadas ao Brasil. A SWM RS 300 R custará R$ 32.000,00 e se destaca pelo baixo peso (111 kg) e suspensões Kayaba (com sistema Soft Damp na traseira). O motor tem alta taxa de compressão (12,9:1), arrefecimento a líquido e 297,6, porém, os números de potência e torque não são fornecidos pela marca.

SWM RS 300 R

SWM RS 300 R

SWM RS 300 R

SWM RS 300 R

SWM RS 300 R

SWM RS 300 R

SWM RS 300 R

SWM RS 300 R

SWM RS 300 R

SWM RS 300 R

A SWM RS 500 R tem a mesma receita da versão de 300 cilindradas. Ambas dividem o mesmo chassi, sistema de injeção eletrônica, tanque de 7,5 litros, suspensões Kayaba e freios Brembo, com discos de 260 mm na frente e 240 mm atrás. As rodas de 21″ e 18″, calçadas com pneus Michelin, também são idênticas nas duas. A mudança está, basicamente, no motor. O propulsor da RS 500 R tem 501 centímetros cúbicos e diâmetro x curso de 67,5 mm x 97 mm (ante 55 mm x 83 mm da irmã menor). Desta forma, também há pequeno reflexo na balança, com a 500 cilindradas pesando 116 kg (sem fluídos). Veja as fichas técnicas da SWM aqui.

SWM SR 500 R

SWM SR 500 R

SWM SR 500 R

SWM SR 500 R

SWM SR 500 R

SWM SR 500 R

Superdual T, já equipada para viagens, tem preço de R$ 41.000,00

Devidamente equipada com acessórios desejáveis para longas viagens, como parabrisa , protetor de motor e tanque com grandes alforges laterais, a Superdual T chega por R$ 41.000,00. O modelo deriva da antiga Husqvarna TE610, desenvolvida para competições de enduro, o que explica a adoção de um chassi rígido e do motor monocilíndrico (de 600 cilindradas), que desenvolve 54,3 cv e 5,4 kgf.m (6.500 rpm).

SWM Superdual T vem equipada para viagens e herda mecânica da Husqvarna TE610. Com engenharia simples e materiais de qualidade, com marcas como Sachs e Brembo, é uma aventureira 'à moda antiga'

SWM Superdual T vem equipada para viagens e herda mecânica da Husqvarna TE610. Com engenharia simples e materiais de qualidade, com marcas como Sachs e Brembo, é uma aventureira ‘à moda antiga’

Outra marca de seu passado com pistas de terra está no sistema de freios com a opção de desligar o ABS da roda traseira, permitindo as necessárias derrapagens no off-road. Apesar de não possuir uma extensa lista de recursos eletrônicos, como controles de tração e modos de pilotagem, a moto possui um câmbio de 6 marchas que promete um funcionamento suave e com poucas vibrações do motor. Sua proposta é a de uma aventureira simples, quase à moda antiga, mas disposta a encarar qualquer pedreira com vigor. Na Europa, ela está na lista de potenciais substitutas da Yamaha Ténéré 660, extinta junto com a irmã XT 660, para quem aprecia uma trail média e monocilíndrica.

swm-superdual-preco-2Além disso, a Superdual T se destaca pelas dimensões curtas, baixo peso (169 kg a seco), grande taque de 18 litros e materiais de qualidade, como a suspensão traseira Sachs (progressiva, com sistema Soft Damp) e dianteira invertida Fast Ace. Os freios são Brembo (disco de 300 mm na frente e 220 na traseira) e os pneus que vestem as rodas de 19″ e 17″ são Metzeler. Há, ainda, protetores de mão, faróis auxiliares em LED e os bagageiros Givi. Veja sua ficha técnica aqui.

Lançamento da SWM será ainda em maio, no Rio de Janeiro

O lançamento oficial da SWM no Brasil acontecerá durante o Salão Moto Brasil, que ocorre no Rio da Janeiro, de 25 a 27 deste mês. A expectativa inicial é vender cerca de 100 motos ao ano e, para aproximar os modelos do conhecimento público, a empresa participará de competições de Enduro com o selo da Confederação Brasileira de Motociclismo. “No que se tratar de off-road, sempre estaremos presentes nos campeonatos de Enduro da CBM”, afirma Sérgio Costa, revelando inclusive que a empresa também tem a “intenção de colocar dois modelos para fazer o Rally dos Sertões”.

Mais sobre a Muteki, importadora da SWM no Brasil

Foi a dificuldade para encontrar uma “importadora séria” o fator responsável pelo atraso na vinda da SWM ao Brasil (que inicialmente ocorreria ainda em 2017), segundo revelou o diretor de marketing da SWM, Ennio Marchesin. Até que, durante o Salão Duas Rodas, a empresa conheceu o trabalho desenvolvido pela Muteki e optou por selar uma parceria para importação e representação.

Ennio Marchesin, diretor de comunicação e marketing da SWM: Brasil na rota de exportação da marca

Ennio Marchesin, diretor de comunicação e marketing da SWM: Brasil na rota de exportação da marca

A Muteki foi fundada em 2010, assim que seu representante Sérgio Costa veio da Inglaterra, após concluir mestrados em negócios e direito do comércio exterior. Desde o princípio, o foco da empresa está voltado ao comércio de peças para moto, sempre atenta à empresas com a “melhor reputação mundial e que se preocupam em colocar sua qualidade à prova, com certificações e testes”, diz Costa. “Tivemos sucesso em um mercado de nicho, pois a maior fatia do mercado fica para as peças de baixo custo, cuja qualidade e procedência não importa tanto aos consumidores. Fazemos um trabalho muito sério e nos preocupamos muito com a nossa imagem. Importar motocicletas é uma novidade para nós, o que é sempre desafiador”, garante.

separador_swm



Jornalista gaúcho convicto de que um passeio de moto em um dia de sol é a cura para praticamente todos os males da vida. Fã de motoaventurismo, competições de moto, café, praia e de rock n roll.