Tecnologia dos Pneus

Tecnologia dos Pneus

Na série Técnicas do Motonline, seguimos atualizando as análises dos pneus Top de linha lançados em 2010, incluindo além da Pirelli e Bridgestone no ano passado, mais duas marcas de pneus com suas características técnicas. Os Metzeler e Michelin.

O Desafio continua sendo como oferecer o melhor resultado e a maior economia. Performance excelente numa motocicleta.

Na linha da Pirelli está agregado um novo lançamento, o Diablo Rosso Corsa. Ele equipa as máquinas super esportivas e esse pneu tem tecnologia desenvolvida no WSBK series. Para começar, os talões tem a forma de um H para dar maior estrutura na montagem do aro. A carcaça é formada pela conformação de um fio de aço enrolado sobre a banda de rodagem com tensão e concentração variadas de forma que a estrutura fique firme e estável nas diversas condições determinadas de uso. (HSB, EPT, ICS, HPSC) A composição da massa de borracha tem três zonas. (3ZC) Uma mais firme para o centro que dá grande durabilidade e duas mais macias para mais tração nas acelerações e contornos de curvas. Os sulcos são otimizados (FGD) levando em conta uma ótima pegada, de área extensa mas ainda assim permitindo o escape de água necessário para uso geral. As paredes dos sulcos são em ângulo (patenteado) o que assegura um fluxo constante de água, não importando a situação de desgaste dele.

EPT = Tecnologia da Pegada Melhorada – ICS = Formação ideal do Contorno, 3ZC = Composto em três Zonas – HPSC = Fio Único de alta Performance, HSB = Talões de Conformação em H – FGD = Desenho Funcional dos Sulcos, PSL = Etiqueta Personalizada (disponível nos revendedores)

A região central da banda não tem sulcos para aumentar a área de contato, nos flancos eles estão em diagonal para melhor escape da água e para extrema inclinação ele é slick novamente para dar o máximo de tração.

METZELER: Fios de aço estruturam o perfil.

Sportec MSInteract

Assim, as experiências seguem por várias direções. O sistema que a Metzeler utiliza, por exemplo também inclui os fios de aço para a estruturação da banda de rodagem. Para cada modelo, destinado a cada classe de motocicleta, desde as de turismo até as super esportivas são estudadas as áreas de pressão em cada situação de uso e definidas as estratégias para formar a estrutura mais resistente e estável. São de três a cinco áreas onde as tensões da carga aplicada em cada situação é dimensionada para que fios de aço radiais sejam aplicados para dar a máxima estabilidade, eliminando as vibrações que fazem exceder a temperatura de trabalho ideal do composto de borracha. Na reta, com pouca inclinação, inclinação média e em inclinação máxima, os fios de aço devem resistir a diferentes níveis de pressão então a concentração e a tensão no enrolamento são alteradas proporcionando um resultado que a empresa afirma ser superior, tanto em piso molhado como no seco. O sistema Interact, Multi-zone tension estabiliza a motocicleta e permite acelerações e frenagens máximas, sem provocar super-aquecimento da massa da borracha. Permitem maior durabilidade e máxima performance.

Testes Intensos no desenvolvimento – Metzeler

Bridgestone, usa uma tecnologia distinta para cada tipo de uso. No mais novo lançamento na linha Battlax, que abrange desde as motos Esporte Turismo até as mais radicais para uso na rua, o novo BT-003 Racing Street para motos super esportivas promete um resultado digno das pistas de moto GP. Todo desenvolvimento foi feito em programas de computador, Os 3D CTDM e CTDM que fazem simulações dinâmicas e estáticas, respectivamente. A primeira técnica apresentada é a MSB, ou Mono Spiral Belt que consiste em uma construção em que um fio de aramida é enrolado em zero graus (radial) na banda de rodagem perfazendo várias zonas de estrutura diferente, ao se concentrar um numero diferente de espiras para cada região. Para a composição da massa de borracha eles usam o DAC Dual Aligned Compound que consiste em uma técnica que alinha as moléculas da massa de cada faixa do pneu de forma que em uma única peça moldada haja diferentes regiões de dureza. No modelo mais esportivo, o Battlax BT-003 Racing Street são cinco as faixas de dureza diferentes no pneu traseiro. Neste pneu o meio da banda oferece a maior durabilidade enquanto que na faixa de média inclinação há uma tração perfeita para descarregar a potência do motor em máxima aceleração e mais ainda, para o ápice da curva a faixa mais externa da banda oferece maior resistência às forças laterais em inclinação máxima.

A Michelin vem nesse ano com uma ideia que revoluciona o setor, realizando o sonho de todo esportista, que é perder peso. Adotaram uma maneira diferente de desenvolver o pneu procurando otimizar a estrutura, o perfil e os componentes do pneu com o objetivo de reduzir peso desde o início do projeto do Michelin Power Pure. Todo veículo terrestre sofre do mesmo problema: A relação entre as massas suspensas pelo mecanismo de suspensão entre as não suspensas. Todas as peças que se movem junto com as rodas (não suspensas) agregam massa e inércia que resiste às forças envolvidas no trabalho que a suspensão tem para oferecer controle e conforto ao veículo, principalmente molas e amortecedores. Uma motocicleta esportiva é projetada com a mesma filosofia desse novo pneu da Michelin. Procura-se a melhor relação entre peso e potência para uma aceleração máxima. Acontece que por causa desse trabalho em diminuir o peso do conjunto como um todo as rodas passam a cumprir um papel importante na composição da melhor relação entre as massas suspensas e não suspensas, ainda mais porque o pneu estando em movimento angular oferece o efeito giroscópico que tende a impedir mudanças de direção, somado à inércia, que resiste às mudanças na rotação, aceleração ou desaceleração. Nisso tudo afeta a massa do pneu.

LTT – Light tire technology – Divulgação Michelin

A LTT, Light Tire Technology da Michelin obteve uma redução de um quilo em relação aos outros pneus, da concorrência. O efeito disso equivale a 10% a menos na inércia na roda, ou o que seria 3 Kg nessa peça ou 4 Kg nos discos de freio.

MICHELIN – Tecnologia 2CT

A 2CT, Tecnologia de dois compostos foi utilizada juntamente com o material mais leve e resistente na composição da carcaça. Mantas diagonais em Nylon fazem a base da carcaça e os fios de aramida dão o perfil radial. São mais de 200m desse fio enrolados na banda para oferecer a resistência e flexibilidades necessárias, sem agregar peso excessivo.

Adição de 1Kg no Power One. Diferença notável.

O efeito dessa dieta feita no desenvolvimento do Michelin Power Pure pode ser avaliado pelo Motonline no último dia 6/05 quando fizemos um teste na pista do Esporte Clube Piracicabano de Automobilismo (ECPA), em Piracicaba, São Paulo.

Foram adicionados pesos na roda, calculados para ter o mesmo efeito de um pneu com 1 Kg a mais.

Teste do Michelin Power Pure Motonline Foto: Claudinei Cordiolli

A diferença foi notável na facilidade em que as mudanças de direção podem ser obtidas, resultado de um efeito giroscópico menor. Também foi notada uma maior rapidez e sensibilidade nas frenagens e acelerações. Mas se a pista tivesse ondulações ou imperfeições teríamos um resultado ainda mais marcante. Isso porque na teoria, a diminuição de peso não suspenso favorece muito o controle da suspensão, que consegue colocar a roda no chão com muito mais firmeza. Ela pula menos e o amortecimento hidráulico pode ser amenizado para aumentar a velocidade de resposta da suspensão nas ações dos impactos. Isso quer dizer que ao colocar esse pneu o acerto da suspensão deve ser refeito.



Pioneiro no Motocross e no off-road com motocicletas no Brasil, fundou em 1985 o TCP (Trail Clube Paulista), que organizou a 1ª prova de enduro tipo FIM (Enduro da Mentira). Desbravou trilhas em torno da capital paulista enquanto testava motos para revistas especializadas. É editor técnico e consultor no Motonline.