Tecnologia Honda auxilia no deslocamento de idosos

Tecnologia Honda auxilia no deslocamento de idosos

Tecnologia Honda auxilia no deslocamento de idosos

Equipamento é fixo por um cinto nos quadris e, por meio de sensores próximos às coxas, envia comandos para as pernas

O desenvolvimento de tecnologias é uma das principais políticas da Honda em todo o mundo. Mas isso não se restringe ao uso de equipamentos inovadores em motocicletas, em automóveis ou produtos de força. Prova disso foi a apresentação de um aparelho que auxiliará no deslocamento de idosos ou pessoas que tenham algum tipo de problema nas pernas, como artrite ou fraqueza muscular.

Ainda sem um nome definitivo, o equipamento provisoriamente chamado de “Auxiliar Experimental de Caminhada” tem a função de monitorar os passos do usuário, coletando informações por meio de sensores instalados próximos às coxas. Após armazenar os dados em uma CPU, envia os comandos para as pernas do usuário.

O aparelho não é incomodo e é fixo à cintura e às pernas do usuário. Funciona com baterias e pesa apenas 2,8 quilos. De acordo com os engenheiros da Honda Research and Development (R&D), área da empresa responsável pelo desenvolvimento de tecnologias, o equipamento poderá ser ajustado para qualquer estatura. Ainda sem previsão para a comercialização.

Esse novo equipamento reforça o compromisso da marca em buscar soluções para as mais diversas áreas. Outro exemplo é o Brain-Machine Interface (BMI), tecnologia apresentada em 2006 que coleta os sinais das atividades cerebrais de um ser humano e transfere a um robô.

Este sistema utiliza a ressonância magnética para captar dados nas áreas do cérebro que comandam os movimentos, decodifica as informações por meio de um programa de computador e permite que uma mão-robô se mova e imite os gestos realizados por uma pessoa. O BMI é considerado um grande avanço, pois aumenta consideravelmente as possibilidades para a criação de outros tipos de sistemas de comunicação entre máquinas e cérebros humanos.