CB 650 F

Teste Honda CB 650F

Honda CB 650F. Dizem que é a nova Hornet, mas não é. Trata-se de uma nova proposta da Honda que chega quando a outra sai de linha. O motor, antes de 600 cm³, agora tem 650 cm³ e se comporta de maneira completamente diferente. De fato, é outra moto.

Aquele motor explosivo que chama as rotações às alturas para entregar toda sua potência agora está mais comportado e mais controlável, não exige muita atenção no tacômetro para andar bem e não se engane, os 87 cv dão conta do recado porque você vai poder aproveitá-los todos com mais facilidade. Menor quantidade e muito mais disponíveis.

Nova Honda CB 650 F

Nova Honda CB 650 F

Não só o motor, a moto toda é diferente, começando pelo chassi agora em aço que proporciona um comportamento dinâmico bem equilibrado e coerente com sua proposta. A suspensão convencional na frente, não exige um especialista para regular e na traseira, conta com regulagem na pré-carga da mola, característica importante para se ajustar o sag da suspensão para o peso do piloto, passageiro e carga. A balança arqueada dá um toque especial enquanto deixa espaço para o escapamento centralizado. Aliás, esse escapamento tem os quatro tubos coletores em descida com curvas muito bem desenhadas.
Como um todo a moto chama bastante atenção, principalmente a tricolor com ABS que testamos agora e que tem as cores da bandeira HRC, das motos de competição da marca.

Boas curvas você pode fazer com ela e como tem respostas lentas você inclina com mais confiança

Boas curvas você pode fazer com ela e como tem respostas lentas você inclina com mais confiança

Tirando agora do ambiente de pista onde já publicamos um test ride e uma detalhada descrição das duas motos, CBR 650 F e dessa CB 650 F pudemos perceber como é no dia-a-dia o seu uso, em piso bom ou não tão bem conservado e em trechos longos para medições de consumo e os outros itens de interesse.

Começando pelo consumo, o tanque de 17,3 litros pode levar a moto até uma extensão de 332 Km com a média de 19,2 Km/litro, resultado do nosso percurso. Mostra que tem boa autonomia e um consumo bem razoável para a sua categoria.

Posição levemente inclinado à frente deixa a pilotagem em posição neutra para longos períodos sem muito cansaço

Posição levemente inclinado à frente deixa a pilotagem em posição neutra para longos períodos sem muito cansaço

Como reparamos na pista, também na rua a dinâmica da pilotagem, a direção se mostra mais lenta nas respostas da ciclística quando é dado um comando no guidão. Ela não atua tão rapidamente quanto a Hornet e dessa forma dá mais previsibilidade para o piloto. As ações para se inclinar para uma curva ou para sair dessa atitude são bem acentuadas, diferente de uma pura esportiva, que responde rápida e radicalmente a um leve movimento do guidão. A Honda CB 650 F faz curvas como uma boa esportiva, apenas seus comandos devem ser mais determinados, coisa que para uma pilotagem descompromissada e mais relaxada é bom. Há um público maior que pode usufruir melhor de uma moto assim.

Geometria da CB 650 F - muito própria de uma naked

Geometria da CB 650 F – muito própria de uma naked

A sua geometria tem as medidas de rake com um ângulo de 25,5° e distância entre eixos de 1.425mm. Com isso você teria características até bem esportivas  mas o trail de 101mm é que deve deixar as respostas mais lentas e previsíveis.
Resulta numa motocicleta que tem comportamento bastante esportivo, com ótimo limite de inclinação e que ainda é fácil de conduzir, inspirando bastante confiança ao piloto.

A nova Honda oferece mais facilidade para a convivência de um motociclista não especialista que vai se divertir mais e poder se desenvolver como piloto sem assumir riscos desnecessários. Tem características esportivas mas sem radicalizações que dificultaria o seu uso correto por todos os seus proprietários. Conta ainda com a vantagem de ter um custo mais baixo.

Ficha-tecnica-Honda-CB650F

Se você tem uma Honda CB 650F, opine sobre ela!
Acesse agora mesmo: Guia de Motos – Motonline


Pioneiro no Motocross e no off-road com motos no Brasil, fundou em 1985 o TCP (Trail Clube Paulista). Desbravou trilhas em torno da capital paulista enquanto testava motos para revistas especializadas.