A mecânica é da ER-6 mas vestida para as estradas

Teste Kawasaki Ninja 650

 

A mecânica é da ER-6, mas vestida para as estradas

A mecânica é da ER-6, mas vestida para as estradas

A Kawasaki Ninja 650 é uma moto esportiva com características de moto turismo. Esta é a definição de uma Sport-Touring. Um tipo de moto que vem ganhando espaço no mercado brasileiro. A esportividade dá a motivação e a emoção na pilotagem e alia-se ao conforto para passeios que permitam viagens até com garupa. Uma tocada com esportividade, sem deixar de curtir a estrada e a paisagem com conforto.

Grandes diferenças na mesma categoria

Grandes diferenças na mesma categoria

Nesta classe de motocicletas, além da Kawasaki Ninja 650, há mais três opções. Duas delas são equipadas com com motores de 4 cilindros – Honda CBR 600F e Yamaha XJ6-F – e a Kasinski Comet GT 650R, também com motor de dois cilindros, mas em “V” ao invés do “Twin” da Ninja. Os preços também são bem diferentes entre a mais barata – Comet a R$25.053,00 – e a mais cara, CBR a R$35.995,00.

Claro que as quatro são motos de concepção diferente e cada fabricante direciona seu produto da forma que julga mais adequada –  esportiva ou turismo. Mas o que vale para o consumidor é que a proposta destas motos é a mesma e o poder da escolha determina o sucesso de cada produto.

Proposta para viagens com mais conforto

Proposta para viagens com mais conforto

Dentro dessa proposta de oferecer uma esportividade relaxada, a Ninja 650 traz o guidão uma pouco mais alto – o mesmo da ER-6. Aliás, da sua irmã naked ela tem também motor, chassi e suspensão, de forma que ela permite a postura ereta e relaxada do piloto. Mas não perde o caráter esportivo reforçado pelo desenho das carenagens e faróis. Piscas integrados nas bordas dos painéis laterais reforçam a imagem de moto esportiva.

Também o assento, bem dimensionado, permite rodar com duas pessoas sem problemas até que por bastante tempo. O banco, bipartido, oferece duas alturas para mais conforto tanto para o garupa, que fica mais alto para ter mais visão da paisagem, quanto para o piloto, que tem mais apoio dos joelhos nas laterais do chassi e fica bem encaixado. Em dias quentes, porém, o ar quente vindo do radiador incomoda um pouco.

A posição ereta coloca o piloto fora da proteção da bolha em maiores velocidades

A posição ereta coloca o piloto fora da proteção da bolha em maiores velocidades

Em termos de performance também se parece muito com a irmã naked. A vantagem do guidão alto nos percursos urbanos se desfaz quando, nas estradas, você quer manter médias mais altas e a bolha se mostra um pouco baixa para abrir o vento de forma conveniente. A posição do piloto em relação à aerodinâmica da carenagem é um pouco fora de altura. É só abaixar-se um pouco e o problema desaparece. Ou seja, melhoraria muito nas rodovias uma carenagem um pouco mais alta.

Um guidão mais baixo, como acessório, pode vir a ser uma boa opção. Os espelhos, se mostram expostos e ficam em posição razoável para uso nas estradas. Porém, nas cidades prejudicam bastante a maneabilidade no trânsito. Como ficam muito para fora da carenagem o ponto cego deles é grande, também por causa da grande distância que ficam dos olhos do piloto.

 

Instrumentos completos e de fácil visualização com velocímetro digital e tacômetro analógico

Instrumentos completos e de fácil visualização com velocímetro digital e tacômetro analógico

Como a Ninja 650 tem vários componentes da irmã ER-6-n (modelo 2012) as especificações também são correspondentes. Na teoria o peso adicional da carenagem (4 kg) prejudicaria na relação peso/potência, mas na prática isso é compensado pela melhor aerodinâmica do conjunto. Resulta disso a diferença nas médias de consumo obtidas: 21,78 km/l para a Ninja contra 17,21 km/l na ER-6-n. A melhor aerodinâmica conta bastante, principalmente nas rodovias.

Como uma esporte turismo a Ninja 650 fica bem definida como um meio termo, em que para a esportividade seria esperada uma posição de pilotagem um pouco mais inclinada com uma ação maior da bolha sobre o vento frontal. Adicionalmente o posicionamento dos espelhos não foi feliz, provocando muitos pontos cegos e grande vulnerabilidade. O que ajuda é que são dobráveis.

Ao preço médio de R$29.245,00 (tabela FIPE, 5/12), a Kawasaki Ninja 650 representa uma opção interessante para quem pega a estrada constantemente e prefere apreciar a paisagem. Mas sempre é mais seguro saber que a esportividade está está ali disponível ao giro mais vigoroso do acelerador.

Se você tem uma Kawasaki Ninja 650, opine sobre ela!
Acesse agora mesmo: Guia de Motos – Motonline