Teste moto Kawasaki Versys

Teste moto Kawasaki Versys

Versys é o seu nome e versátil é o seu espírito

A Kawasaki Versys 650 foi lançada no final de 2006 nos mercados Canadense e Europeu para logo em seguida chegar aos EUA. No Brasil, apesar da chegada oficial da Kawasaki em 2008, a Versys começou a ser importada do Japão apenas em junho de 2010, apesar do sucesso que o modelo fazia nos outros mercados. O nome é uma abreviação que agrega duas palavras e que dão a exata descrição dessa moto. Um Versátil Sistema de transporte.

Um dos destaques da Versys é o eficiente e bonito conjunto óptico dianteiroApesar do nome e aparência de uma big-trail, sua praia não é o fora-de-estrada. Para isso a Kawasaki tem lá fora outro modelo, a KLR 650. Se a utilização da Versys for fora do asfalto, várias de suas características limitarão bastante o uso: a grande caixa do escapamento/catalisador por baixo do motor, pneus impróprios para terra e suspensão projetada para uso em piso de boa tração. Em resumo, esqueça os passeios off road. Fique no asfalto.

Fiel à sua proposta urbano-estradeira, a Versys cumpre bem seus objetivos. Rápida e ágil no trânsito urbano, ela surpreende com o torque excepcional do seu motor “twin” – dois cilindros paralelos, que oferece retomada de velocidade plena e ao menor toque do acelerador. O ponto negativo ficou para o câmbio, que tem engates duros, imprecisos e de curso longo, apesar do escalonamento das seis marchas ser linear e progressivo.

Kawasaki Versys é urbana e com muita vocação estradeira

Nas estradas e rodovias ela apresenta bom resultado, a semelhança do que se percebe no uso urbano. A estabilidade é constante e as ações sobre os comandos trazem rápidas e boas respostas, sem perder em nenhum quesito importante. Tranquilamente mantém-se a velocidade compatível aos trechos rápidos ou mais travados. Em rotações mais altas não é percebida vibração excessiva e nos trechos travados o bom torque está presente já a partir dos 4 mil rpm, o que dispensa muitas trocas de marcha. A autonomia da moto também surpreende, com a média de 19 Km/l, o que resulta em autonomia que supera com folga os 300 Km de percurso com um tanque de gasolina.

Acerto de fábrica

Encontramos instabilidade provocadas pelo ajuste incorreto (7/7) da pre-carga da mola traseiraPegamos a moto numa tarde sem chuva, coisa rara nesses dias em São Paulo, mas notamos uma grande imprecisão na frente da moto que culminava em grandes desvios de rota durante uma curva. Em resposta ao primeiro comando no guidão para entrar numa curva ela se inclinava muito mais do que seria normal e essa tendência nos indicou que havia algo de muito errado no acerto da suspensão. Pneus gastos não poderia ser porque a moto tinha apenas 5000 Km e eles não apresentavam desgaste que justificasse este comportamento. Respeitando o acerto – de fábrica – que normalmente toda moto de teste traz como padrão, iniciamos os testes, mas fomos verificar as especificações originais para ver o que estava errado nos vários ajustes da suspensão da Versys. Começamos pela frente, na pré carga das molas das bengalas, passando pelo ajuste dos sistemas hidráulicos (clicks) nas duas rodas e acabamos por encontrar a pré-carga do amortecedor traseiro na posição 7 de 7 possíveis, ou seja, no máximo. Isso levantou a traseira e diminuiu o rake (ângulo de ataque) da frente que por consequência diminuiu também a medida do trail. Resultado: a moto andava como um coelho fugindo de uma raposa, dando guinadas extremas induzindo à perda de controle. Voltamos para a posição 5 de 7 (standard) e a moto ficou um doce. Só que aí já havia passado quase metade do teste com o problema apresentado.

Uso urbano

Torque de sobra é surpreendente e facilita muito no uso urbano Percebe-se com clareza que  a vocação urbana da Versys se destaca, apesar do seu grande porte. Ela está realmente “em casa” na cidade. Seu desempenho é tão surpreendente que tem-se a impressão de que ela é mais leve do que realmente pesa. Essa impressão é reforçada pela posição de conduzir muito confortável, com o banco posicionado em altura correta tanto em relação às pedaleiras quanto com o solo. O nível mais elevado do acento do garupa fornece apoio para a base da coluna e funciona bem na aceleração, pois o piloto é empurrado para trás e encontra o apoio, o que permite relaxar um pouco pernas e braços mesmo em aceleração forte.

A agilidade da Versys combina com a forma como ela encara os problemas do piso da cidade. Buracos não são dificuldade para ela e as suspensões, embora duras, absorvem com bastante competência as irregularidades, transmitindo alguma vibração ao condutor, mas mantendo a trajetória e o controle. No trânsito pesado ou congestionamentos é fácil passar entre os carros, mas exige cuidado com o guidão largo. A “pegada” é intuitiva e todos os comandos estão fáceis de encontrar, o que coloca a ergonomia como um ponto de destaque.

Boa ergonomia é outro destaque da Versys, mas o espaço para garupa deixa a desejar

Os freios, cujo ABS é impossível de desligar, são eficientes e bem adequados ao tamanho e potência da moto, mas na traseira o ABS atua bem antes do que seria normal e desejável. Muitas vezes, quando se dá um toque no freio traseiro para correção de trajetória e lá está o ABS em ação. Os faróis são bons e cada um tem a sua própria lâmpada. Esta característica destaca focos distintos entre alto e baixo e ajudam bastante a encarar situações adversas de chuva à noite em estradas movimentadas.

Para garupa o conforto é razoável, mas poderia ser melhor. Por conta da grande aceleração e rispidez da suspensão o garupa sofre com a irreverência do piloto com os obstáculos urbanos. Soma-se a isso o espaço pequeno do banco e encontra-se a receita completa para pouco conforto para ele ou ela.

Uso rodoviário

Nas estradas ela faz valer mais ainda sua aceleração. Em qualquer situação basta apenas uma esticadinha do cabo do acelerador e ela sai com rapidez, segurança e tranquilidade. As suspensões, como na rua, tem grande competência em absorver as irregularidades e manter o controle e a trajetória, mas para isso paga-se o preço de sua rispidez. Porém com os amplos ajustes disponíveis fica fácil diminuir este efeito desconfortável, sobretudo ao garupa, e adequá-la corretamente ao tipo de pilotagem e peso do conjunto piloto/garupa. Em uso rodoviário e rotações mais altas, a moto tem baixo nível de vibração.

A Versys continua oferecendo boa performance na estrada tambémCom 19 litros no tanque e 19 Km/litro de média ela percorre mais de 300 Km com um tanque

Nas curvas seu comportamento é bastante neutro e responde bem aos comandos do guidão. Para viagens longas a grande autonomia permite trechos mais longos, além dos 300 Km entre abastecimentos, uma característica importante para viagens. O pequeno párabrisa já faz diferença nas velocidades mais altas e, abaixando-se um pouco, limpa bem a visão dos respingos da chuva e spray de veículos.

Apesar de pequeno, o párabrisa é eficiente principalmente em velocidades mais altasNas estradas a ausência de bagageiro impõe que seja usado o espaço do garupa para prender a bagagem. Isso significa que se um carona aparecer, surge um sério problema pois não há onde colocar bagagem. Um sistema de malas laterais e um bauleto são as únicas opções.

Em velocidade de cruzeiro o motor fica bastante tranquilo, sem vibração e numa rotação na ordem de 50% da faixa útil do motor em sexta marcha (faixa vermelha em 10.500 rpm). Para uma 650 esse fator é muito importante para se ter uma idéia da vida útil do motor. Girando nessa faixa (entre 5000 e 6000 rpm), esse motor promete viver muito. Entretanto, se quiser ir além e encarar uma “tocada” mais agressiva, ele cresce rápido e chega no limite num instante e com total segurança.

Análise Técnica

Ciclística

O chassi embora feito em aço, lembra muito o da Hornet e também é muito parecido com o da ER6. Até as suas medidas são muito parecidas. Vê-se que as alterações visaram apropriar a moto para terrenos mais acidentados. Passou de 24,5º de rake e 102 mm de trail para 25º e 108 mm respectivamente. Diferença existe também no tipo e curso da suspensão que na Versys é tipo invertida (up side down).

O Chassi da Versys é muito similar ao da ER6, mas tem especificações mais apropriadas a terrenos acidentados. As triangulações lembram as de um chassi de Hornet com o motor fazendo parte da estrutura

Motor 

Mesma motorização da ER6 também recebeu ajustes para se adaptar ao caráter mais versátil da Versys. A taxa de compressão foi reduzida de 11,3:1 para 10,6:1 e a potência máxima foi reduzida de 72,1 CV a 8.500 rpm para 64 CV a 8.000 rpm e o torque passou de 6,7 Kgf.m em 7.000 rpm para 6,2 Kgf.m em 6.800 rpm. Em números absolutos aparentemente a moto perde em desempenho porque os números parecem mostrar isso, mas não é bem assim. A forma como o motor da Versys entrega a potência com as curvas mais planas de torque e potência aliados ao peso do conjunto é que permite essas formidáveis retomadas. De fato perde para a ER6, mas por muito pouco e adiciona muita facilidade na condução.

Câmbio 

Exatamente o mesmo câmbio, um pouco duro e de curso longo nas mudanças como na ER6. Tem exatamente as mesmas relações primária das seis marchas e da relação final e oferece uma pilotagem mais relaxada do que na ER6. Na Versys a curva de potência mais amigável permite menos trocas de marcha e assim a dureza do câmbio não se faz tão presente, mas ainda incomoda principalmente em baixas velocidades. Ao parar em um semáforo e reduzir até encontrar o neutro, é preciso ficar atento para não errar.

Freios

Na Versys os freios são potentes. São duplos discos em formato de margarida de 300 mm acionados por pinças de pistões duplos na frente e 220 mm com pinça simples também em formato de margarida atrás. O resultado poderia ser melhor, sobretudo pela presença do ABS. A aplicação do ABS no sistema tirou bastante a sensibilidade e aumentou a segurança. No dianteiro a potência é boa e o ABS entra perto do limite de tração sem problemas, mas no traseiro chega a atrapalhar porque entra em ação muito cedo, às vezes evitando até correção de curso numa curva.

Suspensão

Excelente suspensão, ela é completamente ajustável. Apenas poderia ser adicionado o ajuste de compressão, mas para este tipo de moto está de ótimo tamanho. Os acertos originais serviram perfeitamente para a média entre 80 e 90 Kg. O ajuste que veio de “fábrica” (a moto foi retirada na revenda Union Kawasaki) estava errado para a maioria dos pilotos. Porém ao acertá-la ficou excelente.

Painel completo, mas o marcador de combustível é impreciso

Acabamento

O acabamento é muito bom e digno de uma moto de primeira linha. As peças se encaixam bem, os arremates são perfeitos e os materiais de boa qualidade. A pintura tem boa camada e bom brilho.

Equipamentos

Os instrumentos são bons, de fácil leitura mas já na quilometragem inicial, (5000Km) que pegamos a moto o mostrador de combustível não funcionava. Mostrou tanque cheio quando na verdade estava vazio e quando enchemos mostrou vazio e assim ficou até o fim do nosso teste. Sentimos falta também de um bagageiro para acomodar bagagem.

Opinião dos Motonliners – Guaratinguetá, São Paulo

  • Cláudio Metri Kalil, arquiteto e pecuarista, 51 anos anda de moto a 33 anos tem hoje uma suzuki DL 1000 Vstrom 2007
  • Alexandre Pieroti Lourenço, 38 anos funcionario publico, anda de moto a 25 anos tem hoje uma yamaha lander 2007 e uma suzuki DL 650 Vstrom 2010. Sua namorada Isabel, tem uma Yamaha YBR 125 Factor e anda na garupa do Alexandre quase todo fim de semana.
  • Mario Baptista de Castro Netto, empresário, 59 anos anda de moto a 47 anos e tem hoje uma Yamaha Lander, uma DL 650 Vstrom, e um quadriciclo foutrax Honda 1999.

Ficha técnica

Motor

4 tempos, 2 cilindros paralelos, arrefecimento líquido

Cilindrada 649 cc
Diâmetro x curso 83,0 x 60,0 mm
Taxa de compressão 10,6:1
Sistema de válvulas DOHC, 8 válvulas
Potência máxima 47 kW (64 CV) / 8.000 rpm
Torque máximo 61 N·m (6,2 kgf·m) / 6.800 rpm
Sistema de combustível Injeção eletrônica
Sistema de ignição Bateria e bobina (ignição transistorizada)
Sistema de partida Partida elétrica
Sistema de lubrificação Lubrificação forçada (cárter semiúmido)

Transmissão

6 velocidades

Relação de redução primária 2,095 (88/42)
Relação da 1ª marcha 2,438 (39/16)
Relação da 2ª marcha 1,714 (36/21)
Relação da 3ª marcha 1,333 (32/24)
Relação da 4ª marcha 1,111 (30/27)
Relação da 5ª marcha 0,966 (28/29)
Relação da 6ª marcha 0,852 (23/27)
Relação de redução final 3,067 (46/15)
Sistema de embreagem Multidisco, em banho de óleo

Chassi

Tipo Diamond em aço de alta elasticidade

Rake / Trail 25° / 108 mm
Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido de 41 mm com retorno e pré-carga da mola ajustáveis
Suspensão traseira Monoamortecedor com retorno ajustável em 13 níveis e pré-carga da mola ajustável em 7 níveis
Curso da suspensão dianteira 150 mm
Curso da suspensão traseira 145 mm
Pneu dianteiro 120/70ZR17M/C (58W)
Pneu traseiro 160/60ZR17M/C (69W)
Freio dianteiro Disco duplo de 300 mm em forma de pétala, pinça com pistão duplo
Freio traseiro Disco simples de 220 mm em forma de pétala, pinça com pistão simples
Ângulo de direção(esq. / dir.) 35° / 35°

Dimensões

Comp. x Larg. x Alt. 2.125 mm x 840 mm x 1.330 mm
Distância entre eixos 1.415 mm
Distância do solo 180 mm
Altura do assento 845 mm
Capacidade do tanque 19,0 litros
Peso em ordem de marcha 206 kg / 209 kg (ABS)

Consumo

Trecho Km percorrido Consumo (litro) Km/litro
Uso Urbano / Rodovia 252 13,56 18,63
Uso Urbano / Rodovia 161 8,19 19,19
Descida de serra 175 7,61 23,00
Rodovia 242 12,15 19,94
Total / média 1075 54,24 19,83

Avaliação Motonline

Disponivel em preto metálico, a Versys posiciona-se no mercado junto com a Yamaha XT660, Suzuki DL 650 e BMW F 650 GS. Seu preço médio (Fipe) é R$ 34.753,00. Em resumo, é uma motocicleta bem posicionada em seu segmento com preço e qualidade compatíveis. Para um uso estritamente em asfalto a moto está em casa e com pouco investimento em bolsas e/ou bagageiro fica bem apropriada para viagens também. Seu diferencial é a aceleração e autonomia para mais de 300 Km.

Galeria de fotos

Obs.: Para facilitar a discussão sobre esse assunto, criamos um tópico no fórum para os motonliners. Clique aqui para acessar o tópico.

 

Outras matérias relacionadas: