Triumph Trophy SE - Conforto, Luxo e esportividade britânicas

Teste Triumph Trophy SE

Da realeza britânica para as ruas brasileiras, a motocicleta digna da rainha da inglaterra chegou e com ela todo o luxo e tecnologia que tem direito, os súditos motociclistas brasileiros.
Não se trata de imperialismo, mas sim de dar crédito e de saber aproveitar o que é bom. Hoje, o mundo não tem fronteiras e as coisas boas (e ruins também) da vida estão disponíveis a todos, ultrapassando todas as fronteiras.

Triumph Trophy SE - Conforto, Luxo e esportividade britânicas

Triumph Trophy SE – Conforto, Luxo e esportividade britânicas

Houve um tempo em que Ferrari, Rolls-Royce, Bentley, Bugatti e Masserati eram marcas proibidas ao povo brasileiro. Hoje, tendo o dinheiro necessário, você pode ter qualquer um desses super carros e é assim também com as motocicletas. BMW, Ducati, MV Agusta, Benelli e Triumph são marcas de motos premium, que os brasileiros hoje já podem usufruir.

O luxo britânico, aliado à tecnologia disponível aos brasileiros

O luxo britânico, aliado à tecnologia disponível aos brasileiros

No topo da linha das Triumph está essa Trophy SE, apresentada em outubro de 2013, no salão 2 rodas em São Paulo. Ela é grande, mas não é a maior entre as Touring presentes no Brasil e por isso mesmo se mostra bastante ágil para esse tipo de moto. Conforto com esportividade é uma combinação interessante nela. Boas qualidades em curvas, motor potente e eletrônica no estado da arte fazem da Trophy SE uma boa opção para quem gosta desse tipo de moto.

A posição do condutor é natural e em boa altura do solo, e isso facilita as manobras, mesmo para quem não é muito alto. O grande para-brisa protege contra as intemperies e conta com regulagem e memória. Isso é, quando desliga a moto ele volta para baixo e ao ligar novamente ele retorna à posição ajustada anteriormente, muito prático. Para um garupa a posição também é muito boa. Cuidado é necessário ao subir e descer da moto e a técnica correta deve ser utilizada para evitar bater os pés e riscar as malas laterais se estiverem instaladas.

Detalhes do lançamento - Descrição dos recursos, clique na foto

Detalhes do lançamento – Descrição dos recursos, clique na foto

No lançamento da moto, o Motonline fez uma completa análise técnica da moto. Para o leitor desse teste é interessante acompanhar.

A suspensão é invertida na frente e monoshock com sistema de link na traseira. O sistema eletrônico TES administra a pré-carga e a ação do amortecimento das duas rodas conforme as opções do piloto e condições de carga.

Na dinâmica da pilotagem os recursos de ajustes da suspensão se mostraram bastante definidos. São em duas dimensões as regulagens. Modo de pilotagem e carga da moto. Em termos da carga, se há uma ou duas pessoas e as malas instaladas. Sobre essas configurações você pode escolher ainda os modos de condução normal, conforto e esportivo, sendo que este atua em toda eletrônica da motocicleta.

Se você quer conforto para piloto e garupa, você seleciona os dois capacetinhos. Para uso normal com uma pessoa a opção é o único capacete e para a seleção de um ajuste mais macio na suspensão, selecione o modo conforto. No ajuste esportivo as reações são mais definidas e a suspensão fica mais dura, deixando a moto responder mais prontamente aos comandos.

Ajustes manuais e o equivalente pelo sistema eletrônico TES

Ajustes (clicks) manuais e pelo sistema eletrônico TES

Testamos todas as opções e verificamos que as adequações são bem definidas para cada utilização. A moto muda mesmo de caráter e se mexer nas opções do controle de tração mais ainda.

O mais interessante disso tudo é que você tem as duas memórias para salvar as opções que fizer, desde a forma de atuar o controle de tração, até as memórias das estações de rádio FM. Nós salvamos uma configuração esportiva, com o controle de tração desligado, suspensão no modo esportivo para uma pessoa. Na segunda mamória a configuração foi de conforto para duas pessoas e todos os controles acionados. Ao mudar de uso era só selecionar a memória de acordo com a situação e sair andando. Muito simples, apesar de toda complicação dos ajustes individuais.

Manobras rápidas são possíveis e sem os controles eletrônicos a atenção deve ser redobrada

Manobras rápidas são possíveis mas sem os controles eletrônicos a atenção deve ser redobrada

A esportividade cobra seu preço. Se você não tiver total confiança no seu controle da situação de pilotagem, deixe tudo no automático porque a moto é pesada e as reações são intensas. Com o controle de tração desligado por exemplo, ao acelerar sobre uma faixa de pedestre  ou areia no chão, você pode perceber a traseira saindo de lado e uma rápida reação do acelerador conjugada a um contra esterço será necessário para evitar a saída total e a consequente queda. Assim também será com os freios. O ajuste automático da transferência entre os freios traseiro e dianteiro ajuda muito no controle da atitude da moto com relação às frenagens. Se os sensores encontrarem grande massa sobre a suspensão traseira, a força desse freio será maior e a ação mais bem coordenada para a situação. Ao contrário também, se na frente tiver mais tração e mais massa sobre essa roda, a força do freio  será transferida para ela e o ABS vai atuar de acordo com a tração disponível.

Grande potência e mais de 10 Kgf.m de torque em qualquer ponto da faixa útil de rotação, acima de 2.500 rpm

Grande potência e mais de 10 Kgf.m de torque em qualquer ponto da faixa útil de rotação, acima de 2.500 rpm

Motor três cilindros com 1200cc é forte. São 134cv com um torque fenomenal de 12,23 Kgf.m. E a distribuição dessa potência, como na irmã Explorer que usa o mesmo motor, você tem sempre acima de 10 Kgf.m de torque em toda a faixa útil, desde 2500 rpm até a faixa vermelha. Isso, na prática quer dizer que em qualquer marcha, você pode acelerar que vai ter uma resposta linear em toda faixa de rotação.
O cambio é muito leve, para o tamanho da moto e as mudanças precisam ser feitas com atenção. Por isso, às vezes, você pode querer passar as marchas rápido demais e isso vai incutir em erro no engate.
Embreagem muito leve e progressiva tem acionamento hidráulico e a transmissão do eixo cardã mantém a moto limpa.
Com o tanque de 25 litros e a média de consumo do teste, que ficou em 17,4 Km/ litro conclui-se uma autonomia de 430 Km. Uma viagem e tanto para fazer com apenas um tanque de gasolina.

Freios dianteiros são discos duplos flutuantes de 320mm com pinças Nissin de quatro pistões e sistema ABS. No traseiro o disco tem 282mm de diâmetro e pinça simples. O sistema ABS é combinado e como dito acima tem uma administração inteligente na divisão da proporção da pressão entre o dianteiro e traseiro, conforme as condições de carga e tração.

Moto grande e longa, confere medidas que garantem estabilidade e conforto com um bom tempero de esportividade

Moto grande e longa, confere medidas que garantem estabilidade e conforto com um bom tempero de esportividade

TDLS - isola o efeito do peso das malas

TDLS – isola o efeito do peso das malas

A geometria de uma moto grande tem que ter grandes dimensões e nesta, com distância entre eixos de 1.542mm, rake de 27 graus e trail de 119mm as respostas dos comandos da direção são coerentes, apesar de que no trânsito ela até que não parece tão pesada. As massas são bem distribuidas e a consequente dirigibilidade é prova disso. Mais ainda, com as malas laterais, com o sistema TDLS você esquece que está com elas – Isso é bom mas também é ruim, não deve se esquecer do excesso lateral ao passar por perto de um obstáculo, certamente.

Como “top of the line” das Triumph essa moto, assim como vários outros modelos da marca se mostra competente em competir com as melhores da categoria, e com o preço de R$ 79.675,00 (Fipe em 30/5/2014) garante uma relação custo/benefício bastante vantajoso. Uma excelente motocicleta para os aficcionados dessa classe de motos, e quem ainda não conhece pode se apaixonar muito facilmente, depois da primeira viagem.



Pioneiro no Motocross e no off-road com motos no Brasil, fundou em 1985 o TCP (Trail Clube Paulista). Desbravou trilhas em torno da capital paulista enquanto testava motos para revistas especializadas.