Transferindo força do solo a uma aeronave em vôo

Transferindo força do solo a uma aeronave em vôo

Transferindo força do solo a uma aeronave em vôo

Transferindo força do solo a uma aeronave em vôo

No fim do ano passado, os pesquisadores da DARPA, Defense Advanced Research Projects Agency, agência de projetos de pesquisa avançada de defesa dos Estados Unidos, aumentaram a duração padrão dos vôos de durabilidade do pequeno sistema aéreo autônomo, UAS, Stalker da Lockheed Martin de duas para oito horas, usando compactas células de combustível SOFC (de óxidos sólidos) e propano como combustível.

Agora, menos de meio ano depois, aumentaram novamente a duração padrão dos vôos, desta vez em 2.400%, para 48 horas, dentro de um túnel de vento. O mais importante, porém, é como fizeram isso, usando um sistema de laser para transferir sem fio a potência do solo ao UAS em vôo.

O vôo interno viu o UAS Stalker (aquele que se aproxima sorrateiramente) foi modificado para incorporar um sistema desenvolvido pela LaserMotive de Kent, estado de Washington, chamado Power Link (ligação de força). O sistema envia um facho de luz de laser de uma estação terrestre, através do ar, para um receptor de células fotovoltaicas no UAS. O sistema pode entregar força contínua ao UAV enquanto este está dentro do alcance da estação terrestre e também pode carregar as baterias dentro do UAS para possibilitar que ele voe para além do alcance da ligação de força.

O vôo interno, eito num túnel de vento, terminou com as baterias do Stalker tendo mais energia armazenada do que quando do início do teste. Com o sistema fornecendo um potencial de tempo de vôo praticamente ilimitado, o teste só foi terminado porque os objetivos iniciais de duração foram inclusive ultrapassados.

A empresa está trabalhando em sistemas de envio de energia da superfície da Terra a satélites e até mesmo à Lua.

A empresa está trabalhando em sistemas de envio de energia da superfície da Terra a satélites e até mesmo à Lua.

Tom Nugent, presidente da LaserMotive, diz que “Este teste é um dos passos finais para se trazer o vôo de laser à realidade. Possibilitando recarga (das baterias) em vôo, ele ampliará capacidades, melhorará a duração e possibilitará novas missões às aeronaves elétricas. O próximo passo será demonstrar esta tecnologia externamente num vôo estendido do Stalker.”

Com o laser baseado no solo acionado por uma saída elétrica industrial padrão, ou mesmo por um gerador, ele tem possibilidade de ser posicionado numa base ou na traseira de um veículo. Enquanto há uma perda significativa de energia ao se transferir dois pontos perto do solo com o uso deste sistema devido à turbulência ou à poeira, a LaserMotive diz que a energia enviada verticalmente sofre perdas relativamente pequenas , já que foge rapidamente dos efeitos terrestres. A empresa está trabalhando em sistemas de envio de energia da superfície da Terra a satélites e até mesmo à Lua.