Trânsito de veículo estrangeiro, Suzuki YES, Yamaha MT-03

Trânsito de veículo estrangeiro, Suzuki YES, Yamaha MT-03

Trânsito de veículo estrangeiro, Suzuki YES, Yamaha MT-03

Vi a pergunta do Diego de Siderópolis – SC, sobre a KTM 990, sou motoboy, aqui na cidade de são paulo, hoje eu tava passando na rua tabatinguera, perto da praça da sé e vi uma moto dessa moto muito interessante, mas vi uma coisa que acho que so voces do motonline poderam me responder, ela tinha a placa de new york, isso mesmo, a placa dela tava escrito new york, e embaixo tava 78GL00, ela pode andar com essa placa? em caso de blitz, a moto nao pode ficar presa? e em caso de radares, como essa moto vai ser punida caso ande acima da velocidade permitida? sera que ele veio andando ou veio de navio? voces do site conhecem alguem que tenha vindo dos EUA para o Brasil de moto? Jailton dos Santos, São Paulo – SP

R: Jailton há vários motociclistas que viajam pelo continente americano de moto. Brasileiro que já foi até o Alaska, saindo do Brasil, como brasileiro que saiu dos EUA até o sul do Brasil. De toda forma, o veículo estrangeiro para transitar no Brasil deve portar documentos obrigatórios em cumprimento ao CTB: os artigos 133-licenciamento anual, 159 – carteira de habilitação. Deve ser cumprido ainda, a Resolução 238 do DENATRAN, de 25 de maio de 2007, que dispõe sobre o porte obrigatório Certificado de Apólice Única do Seguro de Responsabilidade Civil do proprietário e/ou condutor de automóvel particular ou de aluguel, não registrado no Brasil, ou seja, que está em viagem internacional pelo nosso país. Ausência de qualquer um dos documentos configura ilícito administrativo, sendo aplicado o artigo 233 do CTB que retém o veículo até a apresentação dos documentos.

Trânsito de veículo estrangeiro, Suzuki YES, Yamaha MT-03PS.:Só acrescentando: ao entrar no Brasil existe o registro, assim no caso de multas, irá direto para o endereço do dono da moto. Ryo Harada

tenho uma suzuki yes 2006, com 37.800kms rodados, depois da revisão dos 3.000, fiz só de 24.000.Em fevereiro faz 3 anos que estou com ela, que apresentou alguns problemas: – o colchinho do banco está vindo mais baixo, na hora que vc senta força as tampas laterais, estou com as duas tampas quebradas por causa disso. – estou com um pequeno vazamento de oleo, entre outros problemas. Mandei um e-mail para Suzuki que respondeu, para encaminhar a moto para um autorizada, pedindo que responsavel da oficina entrasse encontato com o
departamento de serviço da suzuki. a pessoa que atendeu disse com esse km rodado e como não fiz todas as revisões não podia fazer nada. O que eu faço com essas dúvidas:tenho algum direito, com defeitos de fabricação apresentados após a garantia ou de não fazer todas as revisões. Por favor me responde.Obrigado!!! José Antonio Rodrigues, SBCampo – SP

R: José Antonio sua motocicleta já está fora de garantia, você não fez as revisões periódicas e vazamento de óleo é sinal de desgaste por falta de manutenção. Portanto, você não tem nenhum direito que lhe isente de custear o reparo de sua motocicleta. Quanto ao banco, fica difícil lhe precisar uma informação, pois falta dados como se você carrega peso, qual o seu peso, se leva garupa, etc… No entanto, numa revisão periódica o colchinho poderia ser reapertado ou trocado.

Gostaria de fazer um depoimento do acontecido comigo, para que outras pessoas que estiverem pensando em adquirir uma moto YAMAHA, principalmente a MT-03 fiquem cientes do “após compra” (NÃO EXISTE!) e o SAC só serve para agradecer o contato e te enrolar. Tenho moto a mais de trinta anos (outras marcas) e decidi mudar, comprei (Out/08) a MT-03 da YAMAHA, boa moto, só NÃO pode ter algum tipo de problema “especial”. Deixei a moto para revisão dos 1000 km (09/Jan09) e foi detectado um vazamento de óleo, no cilindro interno do lado da pastilha de freio. Aí começou as decepções! A concessionária de Volta Redonda verificou que tinha e requisitou a peça (10/Jan), pois bem, no dia 13/Jan fui informado que outra concessionária pediu primeira e NÃO tinha outra, teria que pedir de MIAMI (falou que é uma das poucas peças que é importada). Previsão p/ Fev/09, eu que estava com as férias já marcadas (17/Jan), onde a MOTO era parte fundamental da mesma fui totalmente abandonado pela YAMAHA que só ganhou tempo (o famoso SAC) p/ dizer que nada poderia ser feito. Estou sem moto, (pagando seguro), com as férias toda modificada por causa de uma “peça”, acho isto inadmissível e vou mudar de marca o mais rápido possível. Espero que esta triste Experiência alerte outras pessoas para ficarem esperto na hora da escolha da MARCA. Paulo Sergio – Volta Redonda – RJ

R: Segundo a Yamaha: “Em razão da crise mundial houve uma descontinuidade temporaria na entrega de alguns peças e componentes de nossos fornecedores, nesse caso da Holanda. A peça em questão chegou a Yamaha dia 30/01 e foi despachada via sedex no mesmo dia para a concessionária. O cliente retirou a motocicleta na concessionária dia 5 de fevereiro.” Paulo Sérgio, infelizmente você ganhou na loteria, pois problema no cilindro interno do lado da pastilha de freio, numa moto nova é muito raro. Do ponto de vista jurídico a Yamaha lhe atendeu no prazo. São poucas as marcas que atendem o cliente dentro do prazo e veja pelo lado positivo: o problema ter sido detectado numa revisão e em menos de 30 dias sua motocicleta estar a sua disposição. O problema, para seu azar, é que coincidiu com sua férias.