Três aviões de estudantes do Norte disputam a Competição SAE BRASIL AeroDesign

Duas equipes da Unip, em Manaus, e uma da Universidade Federal do Pará participam da competição, de 21 a 24 de outubro, em São José dos Campos/SP

Distância e dificuldade com patrocínio não intimidaram estudantes de engenharia do Pará e Amazonas a participar da XII Competição SAE BRASIL AeroDesign, de 21 a 24 de outubro, no Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), em São José dos Campos, SP. Duas equipes da Universidade Paulista de Manaus e uma da Universidade Federal do Pará projetaram e construíram três aviões rádiocontrolados exclusivamente para disputar a competição de engenharia aeronáutica da SAE BRASIL.

As três equipes do Norte – todas da Classe Regular – irão disputar a competição com mais 93 equipes da Venezuela, México, EUA e Índia, além de diversos estados brasileiros e do Distrito Federal. As 96 equipes (91 equipes em 2009) somam 1,3 mil participantes que representam 79 instituições de ensino superior.

A equipe Uirapuru, da Universidade Federal do Pará (UFP), participará pela segunda vez na competição e levará um monoplano de asa alta, com sistema de frenagem aerodinâmica, que ajuda na decolagem e aterrissagem. O avião da equipe Uirapuru pesa 3 kg e pode transportar 9 kg de carga. O projeto anterior pesava 4,7 kg e carregava 4,5 kg de carga.

Para a equipe, o Projeto AeroDesign é muito importante, apesar das dificuldades, principalmente com patrocínio e logística. “É um exercício para o nosso futuro, porque aplicamos o curso na prática”, comenta Luiz Paulo Lopes, estudante do 6º semestre de Engenharia Mecânica e capitão da equipe, que espera obter a melhor pontuação da região Norte. A universidade paraense também será representada pela equipe Iaçá.

A equipe Amazon Force, da Universidade Paulista (Unip), campus de Manaus, construiu uma aeronave ainda mais leve: pesa 2.5 kg para transportar até 10 kg de carga, uma redução de 45% do peso em relação ao projeto de 2009. Madeira balsa e fibra de carbono foram os materiais utilizados pelos estudantes, que consideram o projeto muito superior ao do ano passado. “A aeronave é a mais leve que já tivemos e ela traz um conjunto de melhorias que aprendemos com os três últimos projetos”, conta Fabio Cavalcante Binati, capitão da equipe, com nove integrantes e 36ª colocada na classificação geral em 2009.

Competição – Para participar da competição, todas as equipes são desafiadas a projetar e construir aviões rádiocontrolados e depois submeterem seus projetos a avaliações teóricas e práticas, conduzidas por engenheiros da indústria aeronáutica. As avaliações e a classificação das equipes serão realizadas em duas etapas: Competição de Projeto e Competição de Voo, conforme o regulamento baseado em desafios reais enfrentados pela indústria aeronáutica e disponível no site da SAE BRASIL – www.saebrasil.org.br.

Ao final, duas equipes da Classe Regular, uma Classe Aberta e uma da Classe Micro, que obtiverem melhores pontuações em suas respectivas categorias ganharão o direito de representarem o Brasil na SAE Aerodesign East Competition, em 2011, nos EUA, onde equipes brasileiras acumulam histórico expressivo de participações: cinco primeiros lugares na Classe Regular, quatro na Classe Aberta e um primeiro lugar Classe Micro, sendo que esta última categoria passou a ser disputada no Brasil apenas a partir de 2009. A SAE East Competition é realizada pela SAE International, que deu origem à SAE BRASIL e da qual esta é afiliada

Categorias – Com aviões de dimensões reduzidas, a Classe Micro não impõe restrições geométricas aos projetos nem ao número de motores, porém a equipe deve ser capaz de transportar a aeronave dentro de uma caixa de 0,125m³. Nesta categoria, as aeronaves podem usar motores elétricos e devem decolar em até 30,5m.

Na Classe Regular, os aviões são monomotores, com cilindrada padronizada em 10 cc (10 cm3 ou 0,61 in3). O regulamento impõe restrições geométricas que delimitam as dimensões máximas das aeronaves, que devem ser capazes de decolar em distância máxima delimitada, de 30,5m ou 61m. Na Classe Aberta, não existem restrições geométricas às aeronaves ou ao número de motores instalados, desde que a soma das cilindradas dos motores não ultrapasse 14,9 cc (ou 0,91 in3). A distância máxima de decolagem não pode exceder 61m. Esta categoria é a única a permitir a presença de pós-graduandos entre os integrantes da equipe.

Organizado pela Seção Regional São José dos Campos, da SAE BRASIL, o Projeto AeroDesign é um programa de fins educacionais que tem como principal objetivo propiciar a difusão e o intercâmbio de técnicas e conhecimentos de engenharia aeronáutica entre estudantes e futuros profissionais da engenharia da mobilidade, através de aplicações práticas e da competição entre equipes, formadas por estudantes de graduação e pós-graduação (stricto sensu), de Engenharia, Física e Ciências Aeronáuticas.

Para o presidente da SAE BRASIL, engenheiro Besaliel Botelho, o Projeto SAE BRASIL AeroDesign é um celeiro de talentos da engenharia aeroespacial brasileira. “A competição é palco para os jovens futuros engenheiros aeronáuticos demonstrarem seu potencial e sua capacidade para desenvolver projetos inovadores no setor”, ressalta Botelho, ao completar que a competição é utilizada como oportunidade para recrutamento de futuros engenheiros pelas grandes empresas da área.