Tricombustível pode ser realidade em 2004

Depois da gasolina, do  lcool, dos carros movidos a g s natural veicular (GNV) e dos autom¢veis “flex fuel”, que podem ser abastecidos tanto a gasolina como a  lcool, ser  a vez em 2004 dos ve¡culos “trifuel” ou tricombust¡veis, que poderÆo ser movidos a gasolina,  lcool e GNV.

Ainda em desenvolvimento pela Bosch, este novo conceito une a tecnologia flex fuel brasileira (gasolina/ lcool) e a bifuel (que usa gasolina ou g s), criada na Alemanha. O sistema trifuel conta com softwares para um melhor gerenciamento do motor e bicos injetores capazes de trabalhar de forma eficaz com os trˆs combust¡veis diferentes, permitindo ao carro um desempenho uniforme, independentemente do combust¡vel utilizado.

A expectativa da empresa ‚ ter o primeiro carro-conceito trifuel no in¡cio de 2004 para apresentar …s montadoras. Para tirar o melhor proveito das diferentes caracter¡sticas dos trˆs combust¡veis, inicialmente a tecnologia trifuel deve ser oferecida em autom¢veis turbo, cujo compressor permitiria alterar virtualmente a taxa de compressÆo do motor e manter o bomdese mpenho do ve¡culo. De acordo com estudos da Bosch na Europa, em um motor a gasolina aspirado de 100 CV a potˆncia cai para 90 CV com GNV. Mas ao adotar o turbo pode chegar a uma potˆncia de 150 CV.

A queda de potˆncia num carro aspirado e a g s natural ocorre porque – ao mesmo tempo que o GNV tem um alto grau de octanas (132) – ele rouba espa‡o dentro do motor, diminuindo o espa‡o do ar necess rio para a combustÆo. O turbo, por sua vez, permite a compressÆo do g s e uma maior inje‡Æo de ar na cƒmara de combustÆo, elevando virtualmente a taxa de compressÆo e tirando do GNV toda a sua potˆncia.

O turbo em um carro trifuel deve funcionar a 1 bar de pressÆo com o GNV, gerando um ganho de potˆncia de at‚ 50% em compara‡Æo … gasolina. Para garantir a inje‡Æo precisa de GNV, o ve¡culo com essa tecnologia in‚dita ainda seria equipa do com um injetor exclusivo para este combust¡vel. Ele revela ainda que a empresa estuda oferecer o trifuel em carros aspirados. O custo, ‚ claro, seria mais baixo, mas em compensa‡Æo, o desempenho do autom¢vel ficaria um pouco comprometido. Entretanto, seria melhor do que o oferecido hoje pelos ve¡culos convertidos em GNV em oficinas (a queda da potˆncia ‚, no m¡nimo, de 15%).

Como no caso da tecnologia “flex fuel”, a trifuel ser  oferecida pela Bosch apenas para as montadoras. Ou seja, os carros sairiam de f brica com o sistema. Para usar GNV num carro trifuel, o motorista ter  que mudar a posi‡Æo da chave comutadora (instala da no painel) de gasolina/ lcool para GNV. Com isso, o carro deixar  de consumir a mistura de  lcool e gasolina e passar  a usar apenas o g s natural veicular armazenado no cilindro.