Ficamos amigos e companheiros das trilhas

Trilha de moto: pastel, cachorro e galinhada

Por: Wado Santista

Quatro horas da tarde eu e meu grupo de trilha paramos em uma cidadezinha e no meio da praça tinha uma barraca de pastel, onde paramos as motos, espreguiça, limpa o suor da cara, bate a poeira, aí fomos até à barraca e compramos alguns pastéis e refrigerantes. Sentamos na sombra num banco de madeira que tinha por lá e alguns sentados no chão. Andando pelos arredores da pracinha, quase ninguém, apenas um cachorro e um punhado galinhas ciscando, tipica cena de cidadezinha de interior.

Comer um pastel no meio da trilha é "tudibão"

Comer um pastel no meio da trilha é "tudibão"

Aí eu comendo tranquilamente o meu pastel, mais um refri que até hoje to para descobrir do que era, mas misturado com a poeira e o barro da garganta isso era o de menos, o importante é que estava bem gelado. Aí percebo que o cachorro fica me olhando hipnotizado, digo, olhando para o meu pastel, o bicho não tirava os zóio do meu pastel.

Eu que gosto, gosto não, tenho adoração por cachorros, peguei metade do pastel e joguei para o cachorro comer.

Malandro, até assustei! No que o cachorro fez menção de ir comer o pedaço de pastel que joguei para ele, a galinhada que estava em volta se juntou e começaram a avançar no cachorro de bicada e voadora e um cócóróco nervoso, disputando no tapa e na porrada o pedaço de pastel, e o infeliz coitado se defendia ou tentava se defender da multidão enfurecida, sendo queno final deram um pau no coitado do cachorro e comeram o pedaço de pastel dele.

Resumindo:

Ficamos amigos e companheiros das trilhas

Ficamos amigos e companheiros das trilhas

Levantei, peguei um pedaço de galho de arvore que estava caído no chão, sentei de novo no banco de madeira, chamei o cachorro e fiquei dando comida na boca do bicho e espantando a galinhada enraivecida com o pedaço de galho de árvore e também com a minha bota, que chegou a ser bicada.

Nesse dia, ganhei mais um amigo e um monte de desafetos naquela cidadezinha do interior!

O autor dessa história, Wado Santista, enviou seu relato através do Você no Motonline. Participe você também, compartilhe a sua história com milhares de leitores que também são apaixonados por motos.