Um morcego em duas rodas

Um morcego em duas rodas

Desde sempre o veículo mais ligado ao Batman é o indefectível Batmóvel, que já teve várias versões nos quadrinhos, cinema e televisão. Porém pouco se lembram (ou mesmo tem conhecimento) do uso de motos pelo Homem-Morcego em situações que requerem mais agilidade e rapidez de deslocamento. De certa forma relegada a um segundo plano devido ao `culto’ em torno do Batmóvel, tanto por fãs quanto por roteiristas, as motos ocupam um papel secundário, porém não menos importante, na história do Cavaleiro das Trevas. Aproveitando a polêmica em cima do Bat-Pod mostrado em `Batman: O Cavaleiro das Trevas’, trazemos a vocês um apanhado de tudo que o Homem-Morcego já usou em termos de duas rodas. Confira:

NOS QUADRINHOS

Data de julho de 1956 a primeira aparição de uma moto com `bat-temática’. Nas páginas de Detective Comics 233 foi apresentada a Bat-Mulher. A trapezista e acrobata motociclística Kathy Kane recebe uma herança considerável e, inspirada por seu maior ídolo (Batman, claro…) torna-se a contraparte feminina do Homem-Morcego. As similaridades entre os personagens residiam no fato de que ela também tinha uma mansão e uma bat-caverna `cover’. Porém, ao invés de um Batmóvel próprio, Kathy resolveu ter uma Bat-moto, uma escolha válida devido a suas habilidades no guidão.

Posteriormente, os outros membros da `Família Morcego’ (Robin I e seus sucessores, Asa Noturna, etc.) adotaram o uso da motocicleta como forma de deslocamento rápido e eficiente. Na atual cronologia, Batman usa um modelo que remete as atuais superesportivas, com motor V4 de 786 cc e refrigeração líquida, carburador controlado por computador e bolha frontal a prova de balas. SÉRIE DE TV DOS ANOS 60 Amada por uns, odiada por outros, a série de TV dos anos 60 – para o bem ou para o mal – ajudou a popularizar a figura do Batman nos dois anos que ficou no ar (1966 a 1968). A estrela da série em termos de veículo era – como sempre! – o Batmóvel, criação máxima do customizador George Barris tendo como base um carro-conceito da Ford chamado Lincoln Futura. Mas havia espaço – ainda que pouco – para outros veículos, como o Batcóptero, a Bat-Lancha e, claro, a Bat-moto.

A primeira a estrelar nas telas foi uma Harley-Davidson 1959 dotada de um pára-brisa com bordas imitando o padrão da capa de Batman e um sidecar com o símbolo do morcego na lateral. Simples, sem truques e sem graça, essa moto esteve presente em apenas um episódio da primeira temporada.

Para 1966 a coisa mudou radicalmente de figura. A Kustomotive produziu uma nova Bat-moto usando como base uma Yamaha Catalina 250. Mais radical e futurista que o modelo anterior, essa Bat-moto tinha um sidecar que era uma unidade móvel a parte, podendo ser destacada da moto quando necessário. Morcego chique é outra coisa…

Na última temporada da série, a Batgirl (Yvonne Craig) foi trazida para alavancar a audiência. Mais uma Yamaha, desta vez a YDS-5E, foi usada para dar rodas à identidade secreta de Bárbara Gordon, bibliotecária e filha do comissário Gordon (Neil Hamilton).

DESENHOS ANIMADOS Tirando as aparições na série dos Superamigos, a Dupla Dinâmica teve duas séries conhecidas de desenhos, ambas feitas pelo estúdio Filmation: uma em 1968, com as vozes de Adam West e Burt Ward como Batman e Robin, e outra em 1977, que tem o discutível mérito de trazer no elenco o Bat-Mirim (e ainda tem gente que se queixa dos Super-Gêmeos).

Uma praxe nas duas séries era o uso da moto ser restrito apenas a Batgirl (embora Robin tenha sido mostrado em um ou dois episódios da série de 77 andando de moto). O modelo usado (foto com o Bat-Mirim) se assemelhava (bem de longe) a uma moto esportiva carenada e era o mesmo nas duas séries.

Em 1992 estreou Batman: The Animated Series, que significou uma mudança radical na história animada do Morcego. Tendo como inspiração o filme de 1989 e com enredos mais sérios, a série durou até 1995. A bat-moto mostrada nas fotos faz parte da linha de brinquedos da série, com um desenho mais retilíneo e uma parte frontal que lembra os streamliners dos anos 30, cujas rodas eram cobertas para maior aerodinâmica.

CINEMA O longa-metragem de 1966 marcou a estréia da Bat-Moto feita a partir da Yamaha Catalina citada mais acima neste artigo. Feita para o filme, ela fez tanto sucesso que acabou indo para a série de TV.

A Bat-moto não teve espaço nos três primeiros filmes da retomada cinematográfica do Morcego iniciada no fim dos anos 80 (Batman, Batman – O Retorno e Batman Eternamente). Só em Batman & Robin é que fomos agraciados não com uma, mas duas motocicletas: a Redbird, pilotada por Robin, e a Batblade, que leva a Batgirl (Alicia Silverstone) pelas ruas congeladas de Gotham.

E finalmente chegamos a Batman – O Cavaleiro das Trevas (2008) e seu Bat-Pod. O estranho veículo é uma unidade formada a partir das rodas dianteiras (aro 20′) do Batmóvel, daí seu aspecto diferenciado. A condução do Bat-Pod é feita pelos movimentos dos ombros ao invés das mãos e os braços do condutor são protegidos por escudos específicos. Para o filme, o Bat-Pod conta também com alguns `opcionais’, como cabos, canhões e metralhadoras. Não se sabe, ainda, se ele retornará num provável terceiro filme da série.