Uma grande mistura

Uma grande mistura

Misturando motorização e câmbio de motoneta com rodas maiores e pneus off-road, a Amazonas Mix 110 é uma opção barata no segmento, mas seu visual está longe de ser unanimidade.

Amazona Mix 110

Motor de 110 cm³ e câmbio rotativo com embreagem centrífuga semi-automática. Na dianteira, roda aro 18 e, na traseira, aro 17, calçadas com pneus off-road. O que é isso? A mistura de diversos segmentos que resultou na AME Mix 110, uma acessível motoneta de origem chinesa, montada pela Amazonas Motocicletas Especiais (AME).

Esse mix de tendências acaba dividindo opiniões: “Bonita essa motinha, hein?”, “Você que fez?”, “Roda grande, do tamanho da CG!”, “Que coisa horrível?”. Comentários e gostos à parte, a Mix 110 vem pra brigar no segmento de motonetas e CUBs com um visual diferenciado – até demais – e um preço competitivo, assim como a maioria das motos de origem chinesa. Espécie de Honda Pop 100 com visual off-road, a MIX 110 custa R$ 3.990 – o mesmo preço sugerido pela Honda para a sua popular de 100 cc. Porém a motoneta da Amazonas traz alguns diferenciais em relação a sua concorrente direta, como freio a disco, painel mais completo, etc.

Ciclística Na parte ciclística, a Mix 110 traz como principal diferencial as rodas maiores – 18 polegadas na dianteira e 17, na traseira. Isso faz com que ela fique mais estável ao passar por ondulações e buracos no asfalto.

Nessa tarefa contribuem também as suspensões de longo curso – garfo telescópico na dianteira e sistema bichoque (com ajuste na pré-carga da mola) na traseira. O conjunto absorve bem as imperfeições e proporciona conforto ao piloto.

Porém, o estreito banco da Mix 110 causa certo desconforto após muito tempo sobre a moto. A posição de pilotagem, apesar de ereta, cansa o motociclista. A principal “culpada” por isso são as pedaleiras, que parecem um pouco fora de lugar e pequenas para os pés. Às vezes dificultam o acionamento do freio ou do câmbio rotativo.

A Mix 110 ainda vem equipada com freio a disco na dianteira – item existente somente nas motonetas “top” de linha, como a Honda Biz + e a Sundown Web Evo. Na traseira, o tradicional tambor dá conta do recado. Outra crítica vai para os pneus. Com desenho “off-road”, lembram muito os da Yamaha TT 125 da década de 70. Só que para piorar são de uma marca chinesa impronunciável.

Desempenho O motor de um cilindro posicionado horizontalmente segue a receita das motonetas. Com 110 cm³ de capacidade, tem comando simples no cabeçote (OHC) e refrigeração a ar. Produz 7,09 cv a 7.500 rpm e tem desempenho satisfatório. Não atinge velocidade superior a 90 km/h, mas transita bem mesmo nas avenidas de trânsito mais intenso. A AME declara torque de 0,71 kgf.m a 5000 rpm. Na prática é suficiente para empurrar a Mix 110 nas saídas de semáforo, mas pouco em subidas mais íngremes.

O câmbio rotativo e a embreagem semi-automática, assim como o visual da Mix 110, dividem opiniões. Há quem considere o sistema uma praticidade. Já alguns preferem o câmbio com embreagem manual ou o câmbio automático dos scooters. No caso da Mix, tem quatro marchas, mas se mostrou um pouco impreciso na hora de retornar ao neutro. Pelo menos há um sistema que impede o motociclista, em movimento, sair da quarta marcha e engatar a primeira, como acontece em alguns modelos chineses.

Prevenida Além do freio e das rodas maiores, a Mix 110 tem outros itens que a deixam mais completa que a Honda Pop 100. O painel, por exemplo, traz um útil marcador de combustível e um indicador de marcha. Entretanto, é impossível durante o dia enxergar a marcha engatada.

Os comandos nos punhos também são completos. Além de poder ligar ou desligar o farol e acionar a luz alta, há um lampejador no punho esquerdo. No direito, o tão desejado botão da partida elétrica.

Mas durante o teste, sem nenhum motivo aparente, a partida elétrica da Mix 110 parou de funcionar. Não só ela, como também a buzina. Indício de baixa carga da bateria. Para minha sorte, a Amazonas foi prevenida e equipou a motoneta com um pedal de partida, assim podia ligar a Mix 110 sem problemas. Já a buzina ficou “rouca” de vez.

FICHA TÉCNICA Amazonas Mix 110

AME Mix 110 Motor: OHC, monocilíndrico, quatro tempos, refrigerado a ar Potência máxima: 7,09 cv a 7.000 rpm Torque máximo: 0,71 kgf.m a 5.000 rpm Capacidade cúbica: 110 cm³ Diâmetro x curso: 52,4 x 49,5 mm Sistema de alimentação: Carburador Sistema de partida: Elétrica e pedal Câmbio: Quatro velocidades rotativo Embreagem: Centrífuga automática Transmissão final: Corrente Chassi: underbone Suspensão dianteira: Garfo telescópico Suspensão traseira: Balança traseira com sistema bichoque Freio dianteiro: A disco Freio traseiro: A tambor Dimensões (C X L X A): 1.880 x 655 x 945 mm Distância entre-eixos: não informada Altura do assento: 790 mm Distância mínima do solo: não informada Tanque de combustível: 3,5 litros Peso seco: 95 Kg Cores: Amarela, Vermelha e Preto Preço: R$ 3.990,00