Foto: Divulgação

vai ter saudades, Arrisca bateria maior, Banho de agua fria.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Tenho uma Lander 2007 e estou querendo trocar de moto, porém tenho uma dúvida que talvez não seja só minha.Com o lançamento da CB300, eu que sempre tive moto Trail (XLX 250, Tornado, Lander) pensei em mudar de categoria, visto que eu não tenho andado mais na terra e praticamente só uso a moto para ir ao trabalho. Rodo cerca de 500Km por semana em um trecho de asfalto na cidade e na estrada em sua maior parte bom, porém faz parte do meu percurso diário muitos quebra-molas e um trecho de trânsito pesado na cidade. A minha outra opção seria a XTZ 250X uma motard, porém ela está um pouco mais cara aqui na Região dos Lagos. Eu sei que vcs não vão falar qual devo comprar, mas poderia me esclarecer os prós e contras das diferentes categorias? Parabéns pelo novo layout do site, está bem legal. Abraços, Alberto, 34, Armação dos Búzios, RJ

R: Obrigado Alberto. Como você sempre teve moto trail acho que vai sentir saudades, se mudar. O tráfego em estradas, cidade, por meio do trânsito e buracos ou quebra-molas é bastante facilitado por esse tipo de moto. Acho que com uma street você vai acabar incomodado por não poder abordar a buraqueira com a mesma desenvoltura. No uso em estrada o modelo street está mais em conformidade mas sem dúvida no caso dos obstáculos a diferença é notória. Em longas avenidas e estradas, curvas e chão liso é o melhor ambiente para o modelo street. Até aceita uns pulinhos nos obstáculos mas não se compara com uma Trail.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

A kansas 150 vem com bateria de 4 amperes. É correto ou necessita de uma bateria melhor? Qual a sua sujestão mesmo porque circulamos com ela em zona urbana com pouca distancia. Alberto, 54, Palmácea, CE.

R: Alberto, as motos são equipadas com as baterias que se adaptam ao circuito total da moto. O sistema de carga, assim como o consumo total dos equipamentos instalados originalmente objetivam um equilíbrio estável. Caso esse equilíbrio seja desfeito, por ser instalado equipamentos com consumo além do original pode ocorrer a queima de algum componente. Por exemplo, no seu caso, colocando uma bateria maior a corrente de carga seria aumentada e o circuito retificador/regulador de voltagem poderia entrar em colapso e/ou o próprio estator aquecer demais e queimar.
Para não correr riscos acho que vale a pena manter a bateria com a mesma especificação do fabricante. Abraços

Tite, sou seu fã (tenho o livro e o DVD), mas discordo um pouquinho da lavagem de motos no tocante a afirmação que “Aquele papo de que jogar água fria no motor quente trinca o bloco é balela, senão todas as motos de enduro e rally teriam partido ao meio cada vez que o piloto atravessasse um rio.” (trincar o bloco concordo que é extremo, mas rola empeno de biela e/ou cabeçote, principalmente em 2Ts). Os motos de enduro e rally só não têm problemas, por que o motor está ligado e continua gerando calor internamente, o que evita o “choque térmico”, e gerando a lubrificação adequada. Dessa maneira, o cara do lava jato deve ter o bom senso, que é difícil, de quando for “lavar” o motor de mantê-lo ligado ou deixar esfriar. Para comprovar esta minha tese, basta lembrar do filme em que o Quarteto Fantástico derrota o Dr. Doom – metal aquecido e resfriamento abrupto, destempera o metal. :-) Um abração a todos, Marcio, 36, Rio de Janeiro, RJ.

R: Marcio, concordo com você. As carcaças em alumínio fundido sofrem com a queda abrupta da temperatura, notadamente se refrigerada a ar. As peças internas como bielas, pistão, comando de válvulas, etc. não vão sofrer. E o impacto da água numa moto de enduro, se for espirrada ou seja, batendo rapidamente não causa problema mas se for imersa a moto num rio por exemplo e o motor morrer o resfriamento pode ser muito rápido e pode sim haver consequências graves. Assim como a água corrente de um lava rápido batendo constantemente no cabeçote quente de uma moto refrigerada a ar pode causar deformações definitivas e vazamento de óleo e/ou compressão. Vale a pena tomar cuidado, resfriando devagar o motor com pequenos jatos, sem deixar a água correr por cima do motor.
Em tempo, o Tite não escreve mais nessa coluna, as suas matérias permanecem no nosso banco de dados e podem ser acessadas pela busca do Google dentro do Motonline. Essa, por ter muitos acessos foi novamente chamada em 18/07 para somar na cara nova do site. Abraços,